A endometriose e uma doenca cronica

Endometriose: tudo o que deve saber

5 mins. leitura

A endometriose é uma doença crónica que afeta muitas mulheres e é uma causa importante de dor e infertilidade. Saiba como recuperar a qualidade de vida.

A endometriose é uma doença ginecológica comum e benigna, com forte impacto na saúde física e mental da mulher, bem como na sua qualidade de vida. Em muitos casos ao ponto de se refletir na degradação da vida laboral, familiar e social.

Afeta, aproximadamente, 10% das mulheres em idade reprodutiva e cerca de 30 a 50% das mulheres com infertilidade e/ou dor pélvica.

Apesar de ser possível (e importante) o seu tratamento, está ainda associada a tabus que é importante desmistificar.


Saber viver com endometriose

Causas

A endometriose é doença inflamatória crónica, que se carateriza pela presença de endométrio – tecido que reveste o interior do útero – fora da cavidade uterina, ou seja, em outros órgãos da pelve: como trompas, ovários, intestinos e bexiga.

A sua verdadeira causa é, ainda, desconhecida, existindo várias teorias.

A hipótese mais amplamente aceite é a de que as células do tecido que reveste o útero (tecido endometrial), em vez de descerem pela vagina e serem expelidas do corpo da mulher durante a menstruação, movimentam-se no sentido oposto (a chamada menstruação retrógrada). Ou seja, sobem pelas trompas de Falópio em direção aos ovários, penetrando na cavidade abdominal.

Esse refluxo parece acontecer durante o período menstrual em praticamente todas as mulheres. Acredita-se que o sistema imunológico exerce papel fundamental na proteção contra a implantação e o crescimento das células endometriais.

Outra hipótese admite que as células endometriais possam ser transportadas para outro local através dos vasos sanguíneos ou linfáticos. Existe, ainda, quem avance com a possibilidade das células localizadas fora do útero se transformarem em células endometriais.

Independentemente da explicação, o certo é que, nalguns casos, esta situação danifica as tubas uterinas, devido ao processo inflamatório crónico da doença que leva à formação de aderências do peritônio com outros órgãos pélvicos, o que pode resultar na obstrução das tubas uterinas e na redução da sua mobilidade. Isso dificulta ou até mesmo impede o transporte do óvulo e espermatozóides, e consequentemente a fecundação.

Por vezes, a endometriose é hereditária e mais comum entre parentes de primeiro grau (mães, irmãs e filhas) de mulheres que têm a doença.

Aparentemente, é mais provável de acontecer em mulheres com alguma das seguintes caraterísticas:

  • Tiveram o primeiro filho após os 30 anos de idade;
  • Nunca tiveram um bebé;
  • Começaram a ter a menstruação antes da época normal ou pararam de menstruar depois da época normal;
  • Têm ciclos menstruais curtos (menos de 27 dias) e menstruações com fluxo intenso, que duram mais de oito dias;
  • Têm anomalias estruturais no útero;
  • Têm mães que tomaram, durante a gravidez, um medicamento chamado dietilestilbestrol (DES).

À parte destes fatores de risco, existem, também, potenciais fatores de proteção. Isso acontece em mulheres que:

  • Tiveram várias gestações;
  • Começaram a ter a menstruação depois da época normal:
  • Amamentam durante muito tempo;
  • Utilizam uma baixa dose de contracetivos orais;
  • Fazem exercício regular (especialmente se iniciado antes dos 15 anos de idade e se realizado mais de quatro horas por semana, ou ambos).

Guia Prático Doenças Crónicas - Medicare

Sintomas

Os sintomas de endometriose variam de mulher para mulher. Algumas são muito afetadas, enquanto outras podem apresentar sintomatologia ligeira. O certo, porém, é que a severidade dos sintomas não está relacionada com o grau ou estádio da doença.

O sintoma mais comum da endometriose é a dor (tipo cólica) na zona inferior do abdómen ou na região pélvica. Isto acontece devido a hemorragia das lesões, produção de substâncias inflamatórias ou disfunção neurológica.

Pode ainda apresentar os seguintes sintomas:

  • Períodos menstruais dolorosos;
  • Dor durante ou após as relações sexuais;
  • Sintomas urinários e intestinais (urinar muitas vezes, sensação de bexiga cheia, retenção urinária, sangue na urina, cólicas, diarreia e obstipação);
  • Dificuldade em engravidar (pode ser a queixa inicial);
  • Dor lombar, que pode ocorrer em qualquer momento do ciclo menstrual;
  • Dor torácica (rara).

Quando consultar o médico

A mulher deve consultar o médico ginecologista quando apresentar algum dos sintomas atrás citados, sobretudo se eles tiverem um grande impacto na sua qualidade de vida.

Pode ajudar ir anotando os sintomas – algo do género de um diário de sintomas – antes de consultar o médico.

Convém estar, também, consciente de que, além da sintomatologia referida, a endometriose pode ter um impacto significativo na vida da mulher, incluindo:

  • Dor crónica;
  • Fadiga/falta de energia;
  • Depressão/isolamento;
  • Problemas com a vida sexual/relacionamentos:
  • Dificuldade para engravidar;
  • Dificuldade em cumprir compromissos profissionais e sociais.

O acompanhamento psicológico pode ser, por isso, um complemento importante, ajudando a lidar com a doença e a aderir convenientemente ao tratamento (o que nem sempre é fácil).

É, ainda, fundamental lembrar que:

  • A endometriose não é uma infeção;
  • A endometriose não é contagiosa;
  • A endometriose não é cancro.

Tratamento

O tratamento depende dos seguintes fatores: idade, gravidade dos sintomas, gravidade da doença e se a mulher deseja ter filhos. A terapia mais conservadora para a endometriose é com medicamentos. Os anti-inflamatórios não esteroides, como o ibuprofeno, podem ajudar a aliviar a dor associada.

Alguns médicos podem prescrever medicação que altera a produção hormonal da mulher para ajudar a reduzir os sintomas dolorosos. É o caso das pílulas anticoncecionais orais, cujo tratamento pode envolver a interrupção do ciclo menstrual e a criação de um estado similar à gravidez.

Isso é chamado de pseudo-gravidez e pode ajudar a impedir que a doença piore. Este tipo de terapia alivia a maioria dos sintomas da endometriose, mas não elimina os focos ou as aderências causadas pela doença. Ela também não reverte as alterações físicas que já ocorreram.

A cirurgia, que também é útil para o diagnóstico da endometriose, é outro tratamento possível. Permite melhorar os sintomas de dor e também pode ajudar a mulher a engravidar, uma vez que pode ser utilizada para o tratamento das lesões.

Se a mulher não estiver interessada em ter filhos, ela e o seu médico podem decidir remover os ovários e, eventualmente, o útero.

Nos casos em que a gravidez é um desejo, existem medicamentos e tratamentos que podem ajudá-la a concretizar esse sonho.


Alívio e prevenção

Existe uma série de medidas que a mulher com endometriose pode adotar e que a ajudam a aliviar o desconforto e a dor associados. Eis algumas sugestões:

  • Descanso, relaxamento e meditação;
  • Tomar banhos quentes;
  • Exercício físico com regularidade;
  • Colocar uma botija de água quente sobre o abdómen.

Relativamente a medidas de prevenção, conforme vimos atrás, ainda não existem certezas sobre as causas da endometriose. Não é, por isso, fácil definir objetivamente a melhor forma de prevenir a doença.

Há, contudo, um conjunto de recomendações que podem ajudar:

  • Exercício físico com regularidade;
  • Alimentação nutritiva e equilibrada;
  • Sono regular;
  • Redução do stress;
  • Evitar o consumo de álcool e cafeína;
  • Engravidar e amamentar;
  • Estar especialmente atenta aos sintomas quando a avó, mãe ou irmã sofrem de endometriose.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.