joanete a ser examinado

O que são joanetes e como pode tratar esta deformidade

3 mins. leitura

Considera-se que estamos perante joanetes quando há uma saliência que se forma na articulação na base do primeiro dedo do pé, ou menos frequentemente, no quinto dedo, que fica inclinado para fora, sobrecarregando assim o segundo dedo do pé, causando uma proeminência na base do dedo.

Se não forem tratados, os joanetes podem agravar com a passagem do tempo. São a deformidade mais comum do antepé e, à medida que evoluem, podem comprometer a própria marcha. Por isso, fique a saber tudo sobre esta complicação.


O que são joanetes?

Joanetes é a designação habitualmente dada ao hallux-valgus. Trata-se de uma deformidade dos ossos da articulação que une o dedo maior ao pé e é mais comum no género feminino e nas civilizações ocidentais.

Ao entrarem em contato com o sapato, os joanetes podem começar a ganhar uma espécie de calosidade ou engrossamento da pele, podendo, ainda, estar associados a ardor, dormência, dor intensa e inflamação/vermelhidão, criando nesse caso uma bolsa sob a pele, a chamada bursite.

Em casos mais severos, os joanetes podem levar à compressão e deformação dos dedos (“dedos em garra ou em martelo”), o que também pode ser doloroso para o paciente, além de potenciar o desenvolvimento de osteoartrite e a formação de esporão nos ossos.


Tratamento

Quem tem joanetes pode ir adotando algumas medidas capazes de atenuar os sintomas associados a este problema. Assim, em caso de dor, pode colocar um pano com gelo na zona dolorida e tomar analgésicos e/ou anti-inflamatórios, na dosagem e frequência aconselhadas pelo seu médico.

Algumas medidas comportamentais também são sugeridas para melhorar o conforto:

  • utilizar sapatos, de modelos largos à frente e com uma sola de apoio, de forma a evitar que o pé fique apertado;
  • utilizar protetores de joanetes e palmilhas.

Se o incómodo se prolongar por mais de duas semanas ou se a sintomatologia se agravar, deve consultar um médico, de modo a equacionar a necessidade de uma correção cirúrgica, tendo por base a observação de um clínico e eventual realização de radiografia ou de ressonância magnética.

Homem a verificar o pé

Cirurgia

Há diferentes tipos de cirurgia (cirurgia de partes moles; ressecção artroplástica (Operação de keller-Viladot); osteotomias metatarsianas e da falange proximal; correção percutânea/minimamente invasiva) capazes de corrigir este ângulo da articulação e de alinhar corretamente estes ossos.

A seleção do tipo de cirurgia caberá ao próprio cirurgião e terá em conta aspetos como:

  • A gravidade e a dimensão do desvio;
  • A capacidade de correção;
  • A existência de artrose e de patologias associadas;
  • A mobilidade articular;
  • A preferência do cirurgião e o comprimento do dedo grande em comparação com os outros.

Todavia, é sempre necessário proceder à remoção do excesso de ossos e osteotomias, de modo a conseguir realinhar o dedo.

A operação pode ser feita em regime de ambulatório e através de anestesia geral ou BSA (picada nas costas). Trata-se de um procedimento rápido, pouco doloroso e invasivo. Os pontos (quando os há) são, geralmente, retirados ao fim de duas semanas. Porém, a baixa médica poderá ser de cerca de um mês.

Pós-operatório

O pós-operatório requer alguns cuidados, nomeadamente:

  • Manter o pé operado elevado;
  • Evitar molhar o penso;
  • Usar sapato de Barouk, durante cerca de um mês;
  • Evitar caminhar para não provocar edema;
  • Movimentar o pé e os dedos para manter a circulação ativa;
  • Conduzir, só após autorização médica.

Complicações possíveis

A cirurgia aos joanetes não é isenta de algumas complicações, transitórias ou permanentes, tais como:

  • Hematoma local (que deve ser combatido com a aplicação de gelo na região, durante os primeiros dias após a operação);
  • Dor ao movimentar ou ao tocar com o pé no chão;
  • Cicatriz cirúrgica irregular (que pode ser evitada com a aplicação de um creme hidratante, após a remoção dos pontos cirúrgicos).

Cuidados a ter

Os joanetes podem ser um problema hereditário ou provocado pela idade, prática desportiva, passar muito tempo em pé ou por doenças inflamatórias crónicas (artrite reumatóide, gota,…), laxidez ligamentar, pé plano, patologias neuromusculares, desvio congénito do primeiro metatarso (metartarso primo varo).

Porém, geralmente, devem-se ao uso de sapatos inapropriados, seja por terem um salto demasiado alto, seja por serem muito apertados. Por isso, há que ter cuidado, desde a infância, com o calçado que se utiliza.

Algumas das precauções a tomar para evitar este problema ou, pelo menos, para prevenir o seu agravamento são:

  • Não calçar sapatos estreitos, que apertem ou que tenham salto alto, preferindo os de biqueira larga e textura macia;
  • Comprar sempre os sapatos ao final do dia, altura em que, por norma, os pés estão mais inchados;
  • Usar corretores ortopédicos (ortóteses e protetores almofadados).

Cuide bem da saúde dos seus pés!

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais