médica a aplicar colírio em mulher

Cataratas: como estar atento a sinais de alarme?

5 mins. leitura

As cataratas são mais frequentes na população idosa e são uma das principais causas de cegueira em todo o mundo.

Em Portugal, há, aproximadamente, 170 mil pessoas com cataratas e seis em cada 10 pessoas com mais de 60 anos possuem este problema de saúde.

Apesar de se perder qualidade de visão, a boa notícia é que existe tratamento para as cataratas, o qual passa, fundamentalmente, pela cirurgia. Fique a saber tudo neste artigo.


O que são cataratas?

A Sociedade Portuguesa de Oftalmologia define as cataratas como uma opacificação da lente natural do olho (cristalino), a qual fica no olho por detrás da íris. Esta opacificação ocorre a ritmos distintos de pessoa para pessoa.

As cataratas podem afetar um ou ambos os olhos (mas não são contagiosas), prejudicando a visão que fica meio “enevoada”. Por isso, pequenas alterações de visão devem ser sempre consideradas um sinal de alerta e merecer uma ida ao médico oftalmologista.


Fatores de risco

Há algumas condições que podem favorecer o aparecimento de cataratas, sendo a idade a mais evidente de todas, denominando-se catarata senil. Os indivíduos com mais de 60 anos de idade estão mais suscetíveis a este problema, devido ao envelhecimento natural do próprio organismo.

Além da idade, podemos considerar os seguintes fatores de risco para o surgimento de cataratas:

  • Exposição excessiva aos raios ultravioleta;
  • Tratamentos de radioterapia;
  • Traumatismo ocular ou outras lesões oculares;
  • Diabetes;
  • Tabagismo;
  • Alcoolismo;
  • Cirurgia a outro problema ocular, como o glaucoma;
  • Formação ainda durante a vida embrionária;
  • Alimentação desequilibrada;
  • Inflamações oculares;
  • Medicamentos (corticosteroides).
análise aos olhos

Sintomas

Um diagnóstico precoce das cataratas contribui para uma cirurgia mais bem-sucedida. Por isso, há que estar atento aos sinais de alerta associados a esta doença, nomeadamente:

  • Diminuição da visão, inicialmente diurna e, depois, noturna;
  • Visão nublada, turva e/ou dupla;
  • Sensibilidade à luz ou ao brilho;
  • Dificuldade em distinguir as cores;
  • Observação de halos ao redor da luz;
  • Alteração constante da graduação dos óculos.

Diagnóstico

Perante os sinais de alerta elencados anteriormente, deve consultar um oftalmologista. Numa consulta de rotina, ao fazer o exame oftalmológico, o médico consegue facilmente avaliar a existência ou não de catarata.

Além disso, o especialista pode determinar a acuidade visual do doente e, assim, analisar o grau de incapacidade que a catarata já está a provocar ou não na visão do doente.

Nesta consulta, é ainda feita a observação do fundo ocular e a medição da tensão ocular, de modo a despistar outros problemas.


Cirurgia

A única forma de resolver o problema das cataratas é retirando o cristalino, através de cirurgia (não é por acaso que esta é a cirurgia mais frequente em todo o mundo). Ainda assim, quando numa fase precoce da doença, o médico pode recorrer a outros meios e adiar a cirurgia, colocando ou mudando de óculos e de lentes de contacto; usando lupas ou lentes antirreflexo; e/ou recorrendo a iluminação adequada (mais potente).

A cirurgia às cataratas é feita por ultrassons, por meio de uma pequena incisão (facoemulsificação) e é, normalmente, realizada em regime de ambulatório. Nesta cirurgia, a lente natural do olho é substituída por uma lente intraocular artificial, sendo ainda possível corrigir problemas refrativos existentes.

No entanto, a cirurgia só está recomendada em casos em que as cataratas:

  • Já prejudicam a visão (deslumbramento, má visão de cores, noturna,...);
  • Têm implicações refrativas (graduações elevadas ou má adaptação aos óculos);
  • São consideradas de tratamento urgente (quando a catarata impossibilita tratamentos oculares, a correta observação do fundo ocular ou quando se trata de uma catarata congénita).

Nota: Se o doente tiver cataratas em ambos os olhos, normalmente a cirurgia é realizada no olho mais prejudicado ao nível de visão, sendo operado o outro olho cerca de um a dois meses depois.


Tipos de lente intraocular artificial

Já aqui explicamos que a lente natural do olho é substituída por uma lente intraocular artificial vitalícia. Contudo, existem vários tipos que podem ser utilizados, de diversos materiais (acrílico, silicone,...) e que devem ser escolhidos, tendo em conta as caraterísticas de cada caso e de cada paciente. Esta lente é calculada nos exames pré-operatórios (biometria), e em alguns casos, substitui os óculos para uso à distância.

Os principais tipos de lente são:

  • Lente intraocular artificial, a qual só permite ver ao longe, continuando a ser necessários óculos para ver ao perto;
  • Lentes intraoculares multifocais, as quais possibilitam ver a diferentes distâncias, embora a visão de contraste seja inferior e possam ocorrer fenómenos com a luz, como maior deslumbramento;
  • Lentes intraoculares artificiais acomodativas, as quais garantem que o paciente deixe de precisar de usar óculos.

Preparação pré-cirúrgica

Antes de ser realizada a cirurgia às cataratas, deve ser feito um exame oftalmológico completo e selecionado o tipo de lente intraocular artificial mais indicado para o doente em causa.

Já no dia da cirurgia, são postos no(s) olho(s) do paciente colírios anestésicos, que vão também servir para dilatar a pupila. O doente está, por isso, sob o efeito de uma anestesia exclusivamente tópica.


Pós-cirurgia

Esta é uma cirurgia segura, rápida (cerca de 10 minutos) e com uma taxa de sucesso que ronda os 95%.

Geralmente, a recuperação decorre de forma célere e sem grandes incidentes. Alguns dos cuidados pós-cirúrgicos a ter passam pela colocação de colírios, prescritos pelo médico e repouso relativo nas primeiras 12 horas.

No que respeita à recuperação visual, ela costuma ser rápida, dentro de 24 a 48 horas, mas em certas situações pode ser mais demorada, se o paciente sofrer de problemas nas estruturas do olho.

Só em casos muito raros, a cirurgia às cataratas pode acarretar complicações, como por exemplo: infeção; edema/inchaço da córnea; e/ou descolamento da retina.


Cuidados a ter

Apesar das cataratas estarem, habitualmente, relacionadas com o envelhecimento das estruturas oculares e, neste sentido, não poderem ser prevenidas, como vimos há outros fatores de risco que podem favorecer o seu aparecimento e que podem ser evitados.

Assim, algumas das medidas para prevenir as cataratas são:

  • Fazer uma alimentação equilibrada, particularmente rica em antioxidantes;
  • Usar óculos de sol com proteção contra os raios solares;
  • Não fumar.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais