criança sentada na secretária a estudar

Ansiedade infantil: o que é e como tratar

6 mins. leitura

Indíce
  1. 1. Quando é um problema?
  2. 2. Quais os Sintomas?
  3. 3. Quais os tipos?
  4. 4. Quais as causas?
  5. 5. Como tratar?

Estudos indicam que as crianças com ansiedade infantil têm maior risco de vir a sofrer de depressão, terem comportamentos suicidas e desenvolverem dependência de álcool e drogas.


O que é a ansiedade infantil: os medos normais

As crianças podem ficar ansiosas em várias situações e isto varia consoante a idade, sendo que muitas das preocupações da criança constituem comportamentos normais e fazem parte do processo de desenvolvimento.

Assim, é normal que, dos 6 meses aos 3 anos, as crianças sintam ansiedade de separação. É normal que fiquem rabugentos ou que chorem quando separados da mãe ou do pai ou das pessoas que lhes são mais próximas. Este é um comportamento normal e deve deixar de acontecer por volta dos 2 ou 3 anos.

Já as crianças em idade pré escolar tendem a desenvolver medos que são comuns à maioria das crianças da mesma idade, nomeadamente medo da escuridão, de alturas, de animais, como é o caso dos insetos, medo da água - de entrar no mar ou numa piscina, mas até da água que lhes molha o rosto quando tomam banho em casa. Por norma, estes medos vão desaparecendo gradualmente e sem que seja preciso tomar quaisquer medidas nesse sentido.

Situações novas e mudanças são também potenciadoras de medo e ansiedade. Quando a criança vai para a escola, por exemplo, ou quando tem um teste, ou mesmo quando vai ao médico. Em determinadas situações sociais, por exemplo, perante muitas pessoas ou perante desconhecidos, muitas crianças sentem também ansiedade.


mãe ao lado de criança a dar apoio

Quando a ansiedade se transforma num problema

Quando se passa da ansiedade tida como “normal” para aquilo a que pode chamar-se transtorno de ansiedade?

Isto acontece quando esta ansiedade e os medos se tornam excessivos e começam a atrapalhar o dia a dia da criança, impedindo-a de executar as suas atividades e tarefas normais, por exemplo, impedindo-a de ir à escola.

É normal que a criança se sinta ansiosa perante a perspetiva de ter de fazer um teste. No entanto, se essa ansiedade se manifesta através de dores físicas, como cólicas ou dores no corpo - sintomas que sugerem psicossomatização - e isso a faz ter medo de ir à escola, isso já é um sinal de que a ansiedade atingiu níveis que exigem que sejam tomadas medidas.


Sintomas de ansiedade nas crianças

Nem sempre é fácil perceber e identificar os sintomas de ansiedade nas crianças, nomeadamente nas mais pequenas, já que elas, muitas vezes, não conseguem, sequer entender o que se passa, muito menos são capazes de o expressar.

Assim, é preciso estar atento a sinais como: irritabilidade, choro constante ou dificuldade em adormecer. A criança tende, também, a acordar a meio da noite e a ter pesadelos. Pode, ainda, começar ou voltar a fazer chichi na cama.

Nas crianças mais velhas, pode notar-se uma falta de confiança para experimentar coisas novas ou mesmo dificuldade em enfrentar os desafios mais simples do dia a dia. A criança com transtorno de ansiedade tem, muitas vezes, dificuldade em concentrar-se e em adormecer, perde o apetite e tem, com frequência, explosões de raiva.

A criança tem tendência a ter pensamentos negativos e a achar que vão acontecer coisas más para ela e para os que a rodeiam. Nestas condições, a criança pode mesmo começar a evitar atividades do dia a dia, como ir à escola ou mesmo sair para brincar e estar com amigos, isolando-se.

Dores de barriga e cólicas são também uma constante, bem como dores de cabeça e uma indisposição geral.


Os diferentes tipos de ansiedade

Os transtornos de ansiedade mais comuns em crianças e adolescentes são:

  • Agorafobia: medo de estar em espaços públicos, ou qualquer outro local em que a pessoa se encontre fora de casa, como na fila de um supermercado ou numa sala de aula. A pessoa sente que não tem escapatória e pode ter um ataque de pânico.
  • Transtorno de ansiedade generalizada: é um estado persistente de ansiedade e inquietação, excessivos em relação a atividades e acontecimentos gerais, em que os sintomas físicos podem incluir tremuras, sudorese, cansaço extremo e outras queixas somáticas.
  • Transtorno de pânico: este distúrbio é caraterizado por crises de pânico frequentes, mas por um curto período, acontecendo pelo menos uma vez por semana. Os sintomas incluem uma crise repentina de medo intenso, acompanhado por sintomas como palpitações, sudorese, tremores, dor no peito, falta de ar, tonturas e náuseas. As crises, ou ataques de pânico, são mais expressivas que nos adultos, podendo resultar em choro, gritos e hiperventilação.
  • Transtorno de ansiedade de separação: uma das formas mais comuns entre as crianças mais novas, este distúrbio consiste no medo intenso e persistente de separação da pessoa a quem a criança está mais ligada (normalmente, a mãe).
  • Transtorno de ansiedade social: é o medo intenso de sentir dificuldades ou, mesmo, de ser ridicularizado ou humilhado em ambientes sociais, nomeadamente na escola.
  • Fobias específicas: tratam-se de medos irracionais, intensos e persistentes a determinadas situações, circunstâncias ou objetos.

mão de mãe e criança entrelaçadas

Causas da ansiedade infantil

Estudos referem que o transtorno de ansiedade envolve uma disfunção nas áreas do sistema límbico e do hipocampo que regulam as emoções e a resposta ao medo. Outras evidências científicas dão conta da importância dos fatores genéticos e hereditários, não tendo sido, no entanto, um único gene específico responsável por esta patologia.

De resto, pais ansiosos tendem a ter filhos ansiosos e, em face da sua própria ansiedade, podem exponenciar os problemas sentidos pela criança. Em muitos casos, é útil tratar a ansiedade da criança juntamente com a ansiedade dos pais.

Também as discussões e o mau ambiente familiar podem fazer com que as crianças se sintam inseguras e ansiosas, um quadro igualmente comum a crianças que passaram por uma experiência traumática, como um acidente de carro, por exemplo.

Situações do dia a dia, como a mudança de escola ou de casa, podem conduzir a quadros de ansiedade.


Como tratar a ansiedade infantil

Antes de recorrer à ajuda de especialistas, os pais devem falar com a criança sobre as suas preocupações. Uma conversa tranquila em que lhe mostrem que entendem como ela se sente e lhe demonstrem uma atitude de acolhimento.

Se a criança já tiver idade para perceber, deve explicar-lhe em que consiste a ansiedade e o efeito que tem em nós. Explicar-lhe que também os adultos passam pelo mesmo e que o problema tem tratamento.

Ajude a criança a encontrar soluções para as situações específicas de que ela tem medo ou perante as quais sente ansiedade.

Ensine o seu filho a identificar os sinais de ansiedade e ensine-o a prevenir estes momentos adotando rotinas reconfortantes.

Em situações potencialmente difíceis, como a mudança de escola ou de casa ou mesmo o divórcio dos pais, mostre livros e filmes que possam ajudá-lo a entender melhor o que vai acontecer e como lidar com a situação.

Pratique técnicas de relaxamento, seja através da respiração, da prática de meditação, yoga ou uma qualquer brincadeira ou jogo que a deixe relaxada e a sentir-se segura.

Adicionalmente a todas essas medidas, e se os sintomas persistirem, deve procurar ajuda médica e psicológica, de modo a que o problema não ganhe maiores proporções, provocando maior sofrimento à criança. Poderá falar, primeiro, com o pediatra ou o médico assistente, que o ajudará a encontrar a melhor solução para o caso.

De qualquer forma, nunca se esqueça da importância de ouvir a criança e de a incentivar a falar sobre as suas angústias e medos. Sem julgamentos e sem acusações.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Informação Adicional
sobre Proteção de Dados

Mediante o seu consentimento, os seus dados pessoais serão recolhidos, processados e armazenados informaticamente pela MED&CR - Sistemas de Gestão de Cartões de Saúde Unipessoal Lda. ("Medicare"), com sede na Rua Rodrigues Sampaio n.º 103, 1050-196 Lisboa, número de telefone 219 441 113, e-mail info@medicare.pt , enquanto entidade responsável pelo tratamento dos dados pessoais, nos termos e para os efeitos identificados na lei aplicável, incluindo o Regulamento UE 2016/679 (Regulamento Geral de Proteção de Dados/RGPD) para as finalidades de envio de comunicações de marketing e envio de informação comercial e promocional relativa a produtos e serviços da Medicare.

A informação fornecida será tratada de forma confidencial e utilizada para os fins acima descritos.

A Medicare guardará, tratará e comunicará, quando aplicável, os seus dados de identificação e contacto enquanto não retirar o seu consentimento, de forma a poder apresentar-lhe as promoções, serviços e condições que possam ser mais vantajosas.

Os seus dados poderão ser tratados diretamente pela Medicare ou por entidades por si subcontratadas para o efeito (e sujeitas a obrigações de privacidade e confidencialidade próprias), podendo os dados ser comunicados a autoridades legais e regulatórias, nos termos previstos e determinados por lei. Estas entidades estarão sedeadas dentro do território da UE.

Poderá a qualquer momento retirar o seu consentimento enviando um email para politica.privacidade@medicare.pt, o que não invalida, no entanto, o tratamento efetuado até essa data com base no consentimento previamente dado. Poderá a qualquer momento, através do e-mail disponibilizado, exercer os seus direitos legais de acesso, retificação, portabilidade, limitação do tratamento, esquecimento.

Poderá também exercer o seu direito de reclamação à Comissão Nacional de Proteção de Dados, se considerar que os seus direitos não estão a ser cumpridos.

Para mais informação sobre os termos de tratamento de dados pela Medicare, sugerimos que consulte a Politica de Privacidade, disponível em www.medicare.pt/politica-de-privacidade.

1 presente à escolha

Oferta exclusiva Online

1 presente de boas-vindas à escolha

Aderir Online
Cartão Platinium Mais Vida
Quer aderir? Ligamos grátis! Esclareça as suas dúvidas com a nossa
equipa, sem compromisso.
Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Formulário enviado Obrigado pelo seu contacto. Será contactado em breve pela nossa equipa de especialistas.