menino abraçado a mãe

O que é a síndrome de défice de atenção e hiperatividade

4 mins. leitura

A síndrome ou perturbação da hiperatividade/défice de atenção corresponde a um problema de neurodesenvolvimento bastante prevalente. Esta perturbação carateriza-se, essencialmente, por comportamentos de desatenção, hiperatividade e impulsividade que afetam o desempenho do doente em diferentes situações e atividades.

Habitualmente diagnosticada na infância (com uma prevalência de três a sete por cento em crianças em idade escolar) e mais comum em meninos, esta perturbação pode continuar a manifestar-se durante a adolescência, juventude e mesmo idade adulta (afetando, segundo a Sociedade Americana de Psiquiatria, 2,5% dos adultos).


O que é a hiperatividade?

A perturbação da hiperatividade/défice de atenção causa alterações comportamentais e neurocognitivas que podem interferir negativamente em várias dimensões do dia a dia dos pacientes que sofrem deste transtorno, nomeadamente no que respeita às suas capacidades de aprendizagem e de relacionamento interpessoal.

Geralmente, estes doentes sentem dificuldades psicossociais e em cumprir regras ou atingir objetivos. Por norma, a esta síndrome está sempre associada uma ideia de imaturidade ou má educação.


Causas

A origem da perturbação da hiperatividade/défice de atenção ainda não é completamente clara. Sabe-se, sim, que quem sofre desta perturbação apresenta alterações neuroquímicas (no que respeita à sua atividade, volumetria, maturação e conetividade) e défices em certas funções neurocognitivas.

Ao nível das causas desta perturbação, a genética, a hereditariedade e os fatores ambientais durante a gestação parecem explicar alguns diagnósticos, uma vez que esta perturbação é mais prevalente em pessoas com familiares (nomeadamente pai, mãe ou irmão) com défice de atenção e/ou hiperatividade.


Diagnóstico

Para chegar ao diagnóstico de perturbação da hiperatividade/défice de atenção, é necessário que o doente seja sujeito a uma avaliação composta por: entrevista; análise dos comportamentos e sintomas; estudo de fatores neurológicos, neurocognitivos, psicossociais, psicoeducativos e familiares. Além disso, é importante a observação direta do comportamento por um técnico habilitado para o efeito.

Para proceder ao diagnóstico de perturbação da hiperatividade/défice de atenção, é necessário que se verifiquem os seguintes critérios:

  • Padrão persistente (durante, pelo menos, seis meses) de desatenção e/ou hiperatividade-impulsividade e que interfira negativamente no funcionamento e desenvolvimento do indivíduo;
  • Sinais de desatenção ou de hiperatividade-impulsividade manifestados antes dos 12 anos de idade;
  • Sinais de desatenção ou de hiperatividade-impulsividade manifestados em mais do que dois ambientes distintos;
  • Sinais que prejudicam a performance social, académica ou ocupacional do indivíduo;
  • Inexistência de outra perturbação mental que justifique estes sinais.

São descritos pelo Manual de Diagnóstico e Estatísticas das Perturbações, nove sinais e sintomas de desatenção e nove sinais de hiperatividade e impulsividade. O diagnóstico requer seis ou mais sinais e sintomas de um ou ambos os grupos, respeitando sempre os critérios acima mencionados.

Após ser feita esta avaliação, é possível confirmar ou não o diagnóstico de perturbação da hiperatividade/défice de atenção e, ainda, especificar se há predominância dos critérios de desatenção, dos de hiperatividade-impulsividade ou se se trata de uma perturbação combinada, isto é, uma perturbação em que se verificam critérios de desatenção e de hiperatividade-impulsividade em número e proporção equivalentes.

menino abraçado a mãe

Tratamento

Para melhorar o prognóstico da perturbação da hiperatividade/défice de atenção, é quase sempre recomendada uma terapia combinada que contemple várias intervenções, como: farmacológica, psicoterapêutica e psicossocial/psicoeducativa.

Em termos de medicamentos, a opção mais frequente vai para os psicoestimulantes que ajudam a melhorar o funcionamento social, académico e ocupacional dos pacientes.

A psicoterapia é outro complemento terapêutico importante, especialmente se se fizer uma abordagem cognitivo-comportamental. Finalmente, sugere-se a intervenção psicossocial/psicoeducativa, a qual visa melhorar, por exemplo, as dinâmicas familiares, afetadas por esta perturbação.

Sabe-se ainda que as manifestações tendem a abrandar com a idade, mas algumas dificuldades podem permanecer durante a adolescência e idade adulta.


Outras perturbações associadas

Os pacientes com perturbação da hiperatividade/défice de atenção também costumam padecer de outras perturbações, tais como perturbação de:

  • Desafiante de Oposição;
  • Aprendizagem Específica (Dislexia e Discalculia);
  • Comportamento;
  • Ansiedade;
  • Depressão;
  • Tiques.

As duas primeiras perturbações mencionadas nesta lista apresentam uma prevalência até 50% em crianças com défice de atenção e/ou hiperatividade, por isso vale a pena falar um pouco sobre o que as carateriza.


Perturbação Desafiante de Oposição

Esta perturbação afeta 40% a 50% dos pacientes com défice de atenção e/ou hiperatividade. Os indivíduos com esta perturbação costumam ter, frequentemente, uma postura zangada, irritada, conflituosa, desafiante e até vingativa.

Para se verificar esta perturbação, o comportamento descrito deve prolongar-se durante, pelo menos, seis meses e prejudicar as relações sociais, familiares e pessoais do indivíduo, nos mais variados ambientes.


Dislexia

Esta é uma perturbação do neurodesenvolvimento que afeta 25% a 40% dos pacientes com perturbação da hiperatividade/défice de atenção.

A dislexia prejudica aspetos como a leitura e a ortografia, ou seja, quem sofre desta perturbação sente dificuldade na compreensão e interpretação de textos, assim como na redação e estruturação de ideias.


Perturbação da hiperatividade/défice de atenção no adulto

Apesar do défice de atenção e da hiperatividade serem, regra geral, associados à idade infantil, esta perturbação também pode atingir os adultos. Em Portugal, estima-se que afete cerca de três por cento dos homens e das mulheres.

Nos adultos, as manifestações e consequências mais associadas a esta perturbação são:

  • Baixa produtividade no trabalho, caraterizada pela não conclusão de tarefas, esquecimentos e distrações;
  • Problemas emocionais e sociais, como baixa autoestima, ansiedade, depressão e dificuldades de relação interpessoal;
  • Adições, como tabagismo, alcoolismo, toxicodependência,...;
  • Agressividade, impulsividade,...;
  • Outras perturbações, como bipolaridade, transtorno obsessivo-compulsivo,...;

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.