mãos de criança com lesões

Síndrome mão-pé-boca: o que é?

4 mins. leitura

Síndrome mão-pé-boca: tudo o que precisa de saber

A síndrome mão-pé-boca é uma doença infeciosa e contagiosa relativamente comum nas crianças e que, por isso, preocupa muitos pais. É ainda mais prevalente nas crianças que frequentam creches e infantários e carateriza-se, grosso modo, pelo aparecimento de vesículas nas mãos, pés e boca.

Além de febre, estas ulcerações e vesículas causam dor e desconforto, podendo interferir na disposição e apetite da criança. Como a síndrome mão-pé-boca é altamente contagiosa, as pessoas infetadas devem manter-se isoladas, até recuperarem completamente.


O que é

A síndrome mão-pé-boca trata-se de uma doença infeciosa, mais frequente na infância, embora também se possa manifestar na adolescência e na idade adulta.

Na sua origem, está o vírus Coxsackie (da família dos enterovírus) que tem um período de incubação entre os 3 e os 6 dias. A sintomatologia associada é, normalmente, ligeira. O que mais a carateriza é o quadro de distribuição das lesões: tipicamente na cavidade oral, nas mãos, nos pés e também pode aparecer na região glútea.

Esta é uma doença contagiosa, que pode ser transmitida através de secreções das vias respiratórias, de secreções das feridas das mãos e do contacto com as fezes de pessoas infetadas. Por isso, a contaminação é mais frequente entre bebés e crianças.

O período de contágio pode acontecer durante a primeira semana da doença. Embora, mesmo já depois da fase de recuperação, o indivíduo possa continuar a eliminar o vírus através das fezes. Logo, a pessoa ainda constitui um agente infecioso, mesmo que já não tenha sintomas da doença.

Importa ainda dizer que esta patologia não oferece imunidade, o que significa que a reinfeção é possível.


Fatores de risco

O maior fator de risco para esta patologia é o contacto com fezes ou secreções de uma pessoa infetada com a síndrome mão-pé-boca. Ainda assim, há estudos que revelam que a incidência desta patologia pode aumentar até 20% no outono e no inverno, devido a uma diminuição da imunidade do organismo.

Os bebés e as crianças que frequentam creches e infantários também estão mais vulneráveis a surtos desta infeção, já que a doença é mais comum na infância e se transmite mais facilmente entre os mais novos.


Sintomas e tratamento

Como já referimos, geralmente a sintomatologia associada a esta patologia é leve a moderada. Ainda assim, os primeiros sintomas da síndrome mão-pé-boca são dor de garganta e febre (superior a 38º C), durante os primeiros 1 a 2 dias de infeção e que pode nem sempre acontecer. Estas manifestações podem ser, ainda, acompanhadas de mal-estar e perda de apetite.

Passados 1 a 2 dias, surgem ulcerações dolorosas nas regiões da língua, parte interna dos lábios e bochechas. Mais tarde, surgem ainda vesículas ou pequenas bolhas, também dolorosas, na zona das palmas das mãos e das solas dos pés.

Em caso de infeção, o tratamento recomendado visa atenuar a sintomatologia associada, como a febre e a dor. Por isso, são receitados antipiréticos e analgésicos. É ainda aconselhável o consumo de alimentos e bebidas de fácil deglutição, frescos e que não sejam ácidos, como papas, sopas, fruta esmagada, gelados e água.


Prevenção

Como este é um vírus que se transmite através de secreções das vias respiratórias, de secreções das feridas das mãos e do contacto com as fezes de indivíduos infetados, a melhor maneira de evitar esta doença é redobrar os cuidados de higiene.

Assim, é muito importante que crianças e adultos lavem bem e regularmente as mãos, sobretudo depois de irem ao WC e antes de comerem. É ainda relevante higienizar adequadamente os alimentos, principalmente, as frutas e os legumes.

Acima de tudo, nas creches e nas escolas, estes meios de prevenção devem ser reforçados, com uma limpeza frequente dos espaços, superfícies e brinquedos.

É ainda recomendável que sejam lavadas regularmente as chupetas do bebé, e que seja evitado o contacto com pessoas infetadas.


Complicações raras

Na grande maioria dos casos, o síndrome mão-pé-boca não evolui para quadros de infeção mais severa. Porém, há casos raros que podem apresentar algumas complicações adicionais.

Se a criança não beber líquidos suficientes, devido à dor causada pelas bolhas presentes na boca, ela pode ficar desidratada e, por isso, precisar de ser internada para receber soro.

Noutras situações, também elas raras, o vírus pode afetar o cérebro e provocar uma meningite vírica (inflamação das membranas (meninges) e alterações no líquido cefalorraquidiano em torno do cérebro e da medula espinhal) ou uma encefalite (inflamação do cérebro).

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.