estudo poligráfico do sono

Apneia do sono: o que deve saber sobre este problema

3 mins. leitura

Apneia do sono: o que é e como tratar

A Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS), vulgarmente conhecida como apneia do sono, é uma doença cada vez mais frequente, devido à prevalência de alguns dos seus fatores de risco na sociedade, como é o caso da obesidade e do consumo de álcool.

A SAOS afeta aproximadamente 5% da população portuguesa, entre os 30 e os 60 anos de idade. Apesar do seu perfil crónico e das comorbilidades associadas, esta é uma doença tratável. Contudo, só 2,5% dos indivíduos com esta patologia, cerca de 15.000 doentes, é que são sujeitos a tratamento. A explicação para esta situação estará no subdiagnóstico destes casos.

Portanto, importa ficar a saber mais sobre esta doença, nomeadamente, sobre os seus sintomas e causas principais.


O que é

A apneia do sono pode definir-se como um quadro de sonolência, acompanhado de alterações cardiovasculares e neuropsiquiátricas.

Esta doença faz com que, durante o sono, ocorra recorrentemente uma obstrução das vias aéreas superiores, que causa dessaturações, pausas involuntárias e momentâneas na respiração e fragmentação do sono, devido aos despertares transitórios.


Sintomas e consequências

Os principais sintomas da apneia do sono são: roncopatia; apneias; sonolência diurna excessiva; deterioração intelectual; perturbações da memória, atenção e concentração; alterações da personalidade; irritabilidade; cefaleias matinais; diminuição dos níveis de oxigénio no sangue; disfunção sexual; e depressão, este último decorrente das várias comorbilidades provocadas pela apneia do sono.

A sonolência diurna excessiva é, simultaneamente, um sintoma e uma consequência da apneia do sono, que interfere na realização das atividades quotidianas, nomeadamente, na condução, estando mesmo na origem de alguns acidentes de viação.

A apneia do sono constitui um fator de risco para outras doenças, nomeadamente, as cardio e cerebrovasculares.

Este problema conduz, muitas vezes, ao desenvolvimento da insulino-resistência, da Diabetes Mellitus, dos acidentes vasculares cerebrais, das doenças crónicas, das doenças coronárias, da insuficiência cardíaca, da síndrome de hipoventilação, da doença pulmonar obstrutiva crónica, da fibrose pulmonar idiopática e da doença mental. Aproximadamente metade dos doentes com apneia do sono sofrem ainda de hipertensão arterial.

Por tudo isto, a apneia do sono pode prejudicar gravemente a saúde do indivíduo e reduzir mesmo a sua esperança média de vida.


Causas e fatores de risco

Há alguns fatores de risco que constituem causas para o surgimento da apneia do sono. Alguns desses fatores são: a obesidade; o consumo de álcool e sedativos; a genética; a congestão nasal; e as dismorfias crânio-faciais associadas ao estreitamento da faringe, como palato ogivado, micrognatia, retrognatia e anomalias ORL.


Diagnóstico e tratamento

Para fazer o diagnóstico da apneia do sono é necessário proceder a uma avaliação clínica adequada, assim como a um estudo poligráfico noturno do sono.

O exame de diagnóstico é realizado através de um estudo poligráfico do sono standard, feito em laboratório por um técnico credenciado. Este exame permite detetar eventos obstrutivos durante o sono e a sua repercussão, nomeadamente, na estrutura do sono.

A polissonografia também permite o registo de variáveis cardiorrespiratórias, da saturação periférica de oxigénio, da pressão nasal, do fluxo oronasal e do esforço torácico e abdominal.

Como já dissemos, a apneia do sono tem tratamento. Algumas das terapêuticas indicadas podem ser: ventilação por pressão positiva, cirurgia ou próteses de avanço mandibular.


Prevenção

Além de evitar o máximo de fatores de risco possível, manter uma boa higiene de sono pode ajudar a evitar este e outros problemas. Assim, deve:

  • ter horários regulares para se deitar e acordar;
  • usar o quarto apenas para dormir (e não para comer ou trabalhar);
  • praticar desporto, 6 a 4 horas, antes de se deitar;
  • fazer atividades relaxantes, antes de ir dormir;
  • evitar consumir tabaco, álcool, café, chá preto, chocolate ou outro estimulante, após as 17 horas;
  • fazer um jantar mais leve, cerca de 3 horas antes de ir dormir;
  • manter o quarto a uma temperatura agradável, silencioso e com pouca ou sem nenhuma luz.

Cuide do seu sono!

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.