mulher com as mãos nas costas

O que é uma escoliose: tratamento e prevenção

3 mins. leitura

A escoliose é uma deformidade na coluna vertebral caracterizada pela existência de desalinhamento lateral anormal.

Este problema afeta pessoas de todas as idades, desde bebés a adultos, mas surge, habitualmente, entre os 9 e os 15 anos. Nas crianças e nos adolescentes, a escoliose pode, todavia, não ser percetível até progredir significativamente.

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento da escoliose são:

  • A idade (9 a 15 anos);
  • O sexo (é bastante mais frequente no sexo feminino);
  • História familiar (fatores hereditários).

A curvatura da coluna é considerada escoliose sempre que o desvio, verificado num raio-X, é igual ou superior a 10 graus. Esta curvatura anormal pode ser em forma de C (uma curva) ou em forma de S (duas curvas).

Embora a escoliose não seja considerada uma doença, em casos raros pode ser provocada por uma doença. Mais frequentemente, porém, desenvolve-se a partir de uma causa desconhecida durante a adolescência (80-90% dos casos) ou na sequência da degeneração da coluna vertebral ao longo da idade adulta.

O diagnóstico é feito através de um exame físico e do recurso a raio-X, TAC ou ressonância magnética.


Compreender a escoliose

Tipos mais comuns

Existem vários tipos de escoliose. A sua classificação baseia-se, essencialmente, na causa associada e na idade em que se começa a desenvolver.

Entre os vários tipos, destacam-se os seguintes:

  • Escoliose idiopática: sem causa identificável. É o tipo de escoliose mais comum.
  • Escoliose congénita: relacionada com malformações desde o nascimento.
  • Escoliose pós-traumática: que ocorre na sequência de fraturas ou cirurgias mal realizadas.
  • Escoliose degenerativa: que resulta do desgaste da coluna vertebral.
  • Escoliose neuromuscular: secundária a sequelas de doenças neurológicas e/ou musculares.
  • Escoliose secundária: que ocorre na presença de outra doença.
  • Escoliose postural: que se desenvolve a partir de vícios posturais.

Sintomas

Os sintomas de escoliose podem variar muito, dependendo da severidade da curvatura da coluna vertebral. Em casos ligeiros, podem ser apenas de aparência e incluir:

  • Diferença visível na altura da anca e do ombro.
  • Uma ou ambas as ancas levantadas ou notavelmente altas.
  • Ombros desiguais, em que uma ou ambas as omoplatas podem sobressair.
  • A cabeça não está centrada (alinhada com) mesmo por cima da pélvis.
  • Assimetria entre as alturas da caixa torácica em ambos os lados.
  • Cintura aparentemente irregular.
  • Mudanças na aparência ou na textura da pele sobre a coluna vertebral, tais como covinhas, manchas peludas ou anomalias de cor.
  • O corpo inteiro inclina-se para um lado.

Em casos mais sérios, os sintomas podem incluir:

  • Dores de costas.
  • Incapacidade para a pessoa manter-se em pé.
  • Dor nas pernas, dormência e/ou fraqueza devido à irritação da raiz nervosa (radiculopatia), ou pressão nos nervos da coluna lombar.
  • Perda de altura em adultos.
  • Disfunção do intestino ou da bexiga em casos mais graves.

Tratamento

Os casos de escoliose ligeira podem não necessitar de tratamento. Em grande parte dos casos, o médico opta apenas por acompanhar a evolução do problema ao longo do tempo, através de consultas e exames periódicos, para assegurar que não há agravamento. Também pode haver indicação de exercícios específicos de fisioterapia e/ou pilates.

Quando a escoliose começa a provocar uma deformidade percetível ou existe alto risco de isso acontecer, o médico pode prescrever um colete ortopédico (órtese) para evitar o aumento da curvatura e assim ajudar a manter a coluna reta. Este colete é, habitualmente, usado pelo adolescente até atingir a maioridade esquelética total.

Em simultâneo, é frequente o recurso à fisioterapia para ajudar a prevenir o agravamento da deformação.

Nos casos mais graves, pode ser necessário o recurso à cirurgia com o objetivo de ligar as vértebras (fusão espinal).

Ao interferir na autoimagem e na autoestima dos adolescentes, é muitas vezes aconselhável o acompanhamento psicológico (psicoterapia).


Prevenção

A maioria dos casos de escoliose não pode ser evitada, à exceção da que está relacionada com a osteoporose. Contudo, é sabido que alguns pacientes são mais suscetíveis do que outros e durante a puberdade há um risco maior de progressão da escoliose.

Não existem evidências científicas de que a melhoria da postura ou a realização de exercícios evitem o seu surgimento.

No entanto, os casos provocados por fraturas da coluna vertebral podem ser prevenidos com a adoção de determinadas medidas:

  • Suplementação com cálcio e vitamina D para aumentar a massa óssea e fortalecer os ossos.
  • Realização de exercícios regulares para suportar o peso.
  • Toma de medicamentos para a construção óssea.

Em certos casos, a deteção precoce da escoliose pode ser importante para impedir o seu agravamento.

É aconselhável que os pais examinem regularmente a coluna vertebral dos filhos, logo a partir da infância, e falem com um profissional de saúde caso tenham quaisquer preocupações.


Mitos

Em torno da escoliose há uma série de mitos que convém esclarecer. Eis alguns deles:

  • Lesões durante a prática desportiva na infância não causam escoliose.
  • Carregar mochilas pesadas não é uma causa, embora deva ser evitado.
  • Má postura também não.
  • Excesso de peso ou obesidade não causam escoliose, embora devam ser evitados devido a outras condições de saúde.

Além disso, atividades como praticar uma boa postura, fazer exercícios para fortalecer os músculos das costas e praticar Yoga ou Pilates não impedem a escoliose. Podem, contudo, aliviar os sintomas em pessoas que já têm esse problema.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Pedido enviado Falaremos consigo
assim que possível

Quer aderir? Ligamos grátis
Precisamos do seu consentimento para o contactar.