Goteira de oclusão

Bruxismo: como lidar com este problema

3 mins. leitura

O bruxismo é um distúrbio associado a uma atividade anormal, involuntária e inconsciente, de contração dos músculos da mastigação. Frequentemente manifesta-se pelo apertar ou ranger dos dentes, algo que toda a gente faz, mas não de forma tão intensa.

As suas principais consequências são sequelas ao nível do desgaste ou fratura dos dentes (esmalte, dentina, etc.).

Em algumas pessoas pode provocar dores de cabeça, dores cervicais (pescoço) e/ou dor na mandíbula devido à contração muscular repetitiva.

O bruxismo ocorre com maior frequência durante o período de sono, mas também é possível com a pessoa acordada.

Esta perturbação pode acontecer tanto na infância como na idade adulta, sendo mais comum entre os 25 e os 44 anos, e sobretudo nas mulheres.


Contrariar o bruxismo

Causas

O bruxismo é dividido em dois tipos:

  • Bruxismo do sono (que ocorre quando a pessoa está a dormir e caracteriza-se pelo cerrar e ranger dos dentes);
  • Bruxismo acordado (que ocorre quando a pessoa está acordada e caracteriza-se, principalmente, pela contração da musculatura mastigatória, sendo menos frequente o cerrar e ranger dos dentes).

Pode, ainda, ser dividido em:

  • Bruxismo primário (sem relação com qualquer condição médica prévia);
  • Bruxismo secundário (onde uma condição médica ou psiquiátrica é conhecida).

A causa do bruxismo nem sempre é muito clara, mas habitualmente (cerca de 70% dos casos) está relacionada com o stress e a ansiedade.

O seu desenvolvimento pode, no entanto, ser provocado por variadíssimas situações, designadamente:

  • Situações de stress e ansiedade;
  • Perturbações do sono (por exemplo, a síndrome da apneia obstrutiva do sono, ou pesadelos frequentes);
  • Hereditariedade;
  • Consumo excessivo de álcool;
  • Consumo excessivo de café (seis chávenas ou mais por dia);
  • Uso de drogas;
  • Tabaco;
  • Utilização de certos medicamentos, designadamente alguns antidepressivos.

As pessoas que bebem álcool e os fumadores têm, aproximadamente, o dobro da probabilidade de cerrar e ranger os dentes.

O ranger dos dentes observado quando a pessoa está acordada e o bruxismo secundário podem ser associados a certos medicamentos, tais como antidepressivos ou drogas recreativas (cocaína ou ecstasy, por exemplo), e perturbações como a doença de Parkinson, depressão e grande ansiedade.


Tratamento

O tratamento adequado do bruxismo vai depender do que está a causar o problema, dependendo do grau de intensidade.

A avaliação mais indicada deve ser feita em conjunto com o dentista, médico e psicólogo. Entre as formas de tratamento para o bruxismo, é comum a indicação de uso de dispositivos de avanço mandibular e de goteiras oclusais.

As goteiras oclusais são pequenas proteções bucais de plástico que permitem proteger os dentes do desgaste prematuro e reduzir a atividade muscular da mandíbula e o ruído provocado pelo ranger dos dentes.

Os dispositivos de avanço mandibular são, habitualmente, utilizados no tratamento do ronco e da apneia do sono, mas também podem reduzir o bruxismo do sono, embora sejam apontados alguns efeitos secundários indesejáveis.

A toxina botulínica, mais conhecida como botox, amplamente utilizada para fins estéticos, também pode ser utilizada para fins terapêuticos. No ato de ranger os dentes há uma tensão muito grande no músculo da mastigção, a toxina age, relaxando os músculos, ao mesmo tempo que relaxando os músculos, enquanto alivia as dores e a tensão local.

Outros tratamentos de nível comportamental podem, também, ser indicados. Por exemplo, o relaxamento progressivo, a psicanálise, a hipnose e também a realização de atividade física.

Existem, ainda, alguns conselhos que podem ser seguidos para prevenir ou diminuir o bruxismo:

  • Evitar ou eliminar o consumo de alimentos e bebidas que contenham cafeína (colas, chocolate e café);
  • Evitar o álcool;
  • Não mastigar lápis ou canetas, ou qualquer coisa que não seja comida;
  • Evitar mastigar pastilhas elásticas;
  • Treinar para não ranger nem cerrar os dentes. Se notar que o faz quando está acordado, coloque a ponta da língua entre os dentes. Esta prática treina os músculos a relaxar;
  • Relaxe os músculos da mandíbula à noite, segurando uma toalha de rosto quente contra a bochecha junto do lóbulo da orelha.

É importante identificar os sinais precocemente para evitar complicações mais severas. Por isso é fundamental a avaliação profissional de um médico especialista na área.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.