mulher com casca de laranja

Celulite: saiba mais sobre este problema de saúde

3 mins. leitura

Celulite: saiba o que a causa e como tratá-la

A lipodistrofia ginóide, mais conhecida como celulite, diz respeito a um depósito de gordura sob a pele, que se manifesta através de um aspeto ondulado da epiderme, o famoso efeito “casca de laranja”, que pode afetar várias regiões do corpo.

Este é um problema que atinge aproximadamente 95% das pessoas do género feminino, especialmente, mulheres de pele branca. A celulite é muito rara nos homens. Apesar de não ser considerada uma doença, este é um problema estético que pode ser tratado. Saiba como!


O que é

A celulite surge mais frequentemente em regiões do corpo onde a gordura está sujeita à influência de uma hormona feminina, o estrógenio. Algumas das zonas mais afetadas são os quadris, as coxas e as nádegas, embora também possa aparecer nas mamas, parte inferior do abdómen, braços e nuca.

Tipos de celulite

A celulite pode ser leve, moderada ou grave, em função do número e profundidade das depressões verificadas na pele; do aspeto da celulite; das lesões existentes; e da flacidez. Ao definir o grau da celulite, torna-se mais fácil determinar qual o tratamento mais eficaz para cada caso.


Classificação da celulite

Grau 1: não há irregularidades visíveis quando o paciente está deitado ou em pé, mas as alterações podem ser vistas quando se pinça a área com os dedos ou sob contração da musculatura local.

Grau 2: celulite visível, com aspeto casca de laranja evidente, sem compressão da pele.

Grau 3: celulite visível e com sobrelevações e nodularidades evidentes.


Sintomas

Os sintomas deste problema variam em função dos graus de celulite em questão. Há depressões que apenas são notórias se “apertar” a pele ou se contrair os músculos, enquanto há situações em que essas ondulações são sempre visíveis.

Nos quadros mais severos, a celulite pode:

  • provocar dor, devido à compressão das terminações nervosas locais;
  • tornar a zona do corpo afetada mais fria;
  • causar endurecimento, dor e sensibilidade extra;
  • conferir à pele um aspeto irregular.

Causas e fatores de risco

Embora ainda não se conheçam totalmente as causas da celulite, há aspetos que têm vindo a ser apontados como potenciadores deste problema, nomeadamente: o género feminino, a etnia caucasiana, o biótipo corporal e a distribuição da gordura pelo corpo.

Outros fatores de risco também a considerar são:

  • Hereditariedade;
  • Problemas circulatórios: devido à má drenagem das toxinas;
  • Alterações hormonais: níveis muito elevados de estrogénio causam disfunções metabólicas que podem criar ou agravar a celulite;
  • Pílula anticoncecional: a pílula, também devido ao aporte hormonal, pode potenciar a celulite;
  • Estilo de vida: uma dieta rica em açúcar e hidratos de carbono, o sedentarismo e o excesso de toxinas no organismo podem desencadear o aparecimento da celulite.

Diagnóstico e tratamento

A celulite é um problema fácil de identificar pela própria pessoa que o tem, uma vez que se trata de uma manifestação visível a olho nu. Deve consultar um dermatologista, pois só ele poderá fazer um diagnóstico mais aprofundado do problema e indicar qual o tratamento mais apropriado para o seu caso.

Apesar da oferta de tratamentos para a celulite ser grande, o seu nível de eficácia é bastante questionável. Ainda assim, há alguns procedimentos que se têm evidenciado pelos seus resultados positivos. Entre eles, estão: a radiofrequência invasiva, o ácido poliláctico e a subcisão.

Porém, estes tratamentos só revelam efeitos duradouros se, paralelamente, a pessoa praticar desporto e adotar uma dieta equilibrada. É essencial fazer exercício físico, como exercícios aeróbicos e musculação, pois contribuem para a diminuição da gordura corporal e para a firmeza da pele. Também é importante diminuir o consumo de açúcar e de gorduras e beber muita água.


Prevenção

Prevenir a celulite pode não ser fácil, uma vez que alguns especialistas a entendem como uma condição fisiológica. Ainda assim, há fatores que a podem potenciar e agravar e que podem ser evitados, tais como: uma dieta desequilibrada; o sedentarismo; o stress; os anticoncecionais orais; e o tabaco.

Assim, existem algumas medidas que pode adotar para ajudar a prevenir este problema, como por exemplo:

  • beber muita água para melhorar a circulação sanguínea;
  • reduzir o consumo de produtos com sódio, pois provoca a retenção hídrica;
  • evitar alimentos gordurosos e doces, nomeadamente fast-food;
  • não fumar;
  • fazer exercício físico, de modo a melhorar a circulação sanguínea e ajudar a diminuir a gordura corporal e o peso (se necessário).

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Pedido enviado Falaremos consigo
assim que possível

Quer aderir? Ligamos grátis
Precisamos do seu consentimento para o contactar.