grão de bico, feijão, lentinhas em taças

A importância das leguminosas na alimentação

28 Novembro, 2021 • 4 mins. leitura

Importantes fontes de vitaminas, proteína e minerais, as leguminosas podem, facilmente, substituir a carne e o peixe. Fornecem também uma grande quantidade de fibras, que garantem os níveis de saciedade, bem como os níveis recomendados de colesterol, além de promoverem o normal funcionamento do intestino e o controlo da glicemia no sangue. Saiba tudo sobre a importância das leguminosas para o organismo.


A importância das leguminosas: o que são, quantidade recomendada, benefícios e como cozinhar

O feijão, o grão de bico ou as ervilhas são apenas alguns exemplos das leguminosas ao nosso dispor. Por definição, são grãos/sementes que crescem em vagens, podendo dividir-se entre secas - o caso do feijão, grão ou lentilhas - e frescas, como as ervilhas e as favas.

Neste grupo de alimentos, destacam-se ainda as leguminosas oleaginosas, como o amendoim e a soja, que têm na sua composição uma maior quantidade de gordura.

Alimentos mais completos, são importantes fornecedores de magnésio, ferro, potássio, fósforo, zinco, além de vitaminas do complexo B (tiamina, vitamina B6 e ácido fólico), e das proteínas e hidratos de carbono complexos.

Estão disponíveis sob várias formas, desde logo, secas e frescas, mas também congeladas e em conserva, o que facilita bastante a sua utilização de variadas formas.


Quantidades recomendadas

De acordo com a Roda dos Alimentos, deve consumir-se uma a duas porções diárias de leguminosas, sendo que uma porção corresponde a uma colher de sopa de leguminosas secas cruas, o equivalente a 25 gramas, três colheres de sopa de leguminosas frescas cruas (80 g); ou três colheres de sopa de leguminosas (sejam elas frescas ou secas) ou cozinhadas (o equivalente a 80 gramas).

Este grupo deve ser responsável pelo fornecimento de quatro por cento da energia diária total. Muitas vezes usadas como alternativa à carne e ao peixe, nos regimes vegan, por exemplo, três colheres de sopa de leguminosas equivalem a 50 gramas de carne.

De acordo com a Associação Portuguesa de Nutricionistas, as leguminosas são “proteínas de baixo valor biológico” e, por forma a “compensar esta limitação, é recomendável combinar as leguminosas com cereais ou com outros tipos de leguminosas, de forma a obter os aminoácidos em falta e a proteína ser mais completa e idêntica às fontes de alto valor biológico (carne, pescado, laticínios e ovos)”.

médica mostra exame ao cérebro ao paciente

Alguns exemplos de leguminosas e os seus benefícios

  • Feijão: é, talvez, das leguminosas mais consumidas pelos portugueses e são muitas as variedades existentes: feijão vermelho, branco, catarino, preto ou frade (o chamado “bife vegan”), entre outros, e pode ser usado nos mais diversos pratos, quentes ou frios. Rico em zinco, ferro e cálcio, é também uma excelente fonte de vitaminas, nomeadamente do complexo B, além de ser um poderoso antioxidante.
  • Lentilhas: ricas em proteínas e vitaminas do complexo B, esta leguminosa fornece, ainda, minerais como o potássio, fósforo e magnésio. Importante na diminuição do colesterol, contribui, também, para controlar o índice glicémico no sangue, ou seja, para baixar os níveis de açúcar em circulação na corrente sanguínea.
  • Grão-de-bico: igualmente rico em proteínas vegetais, é um importante fornecedor de zinco, potássio, ferro, cálcio e vitaminas do complexo B. Fortalece o sistema imunitário e ajuda na diminuição do colesterol, da pressão arterial e dos triglicéridos.
  • Ervilhas: com um baixo valor glicémico, esta leguminosa é rica em zinco, magnésio, ómega-3 e outros antioxidantes, além de vitaminas do complexo B, E, A, C e K.

Além disso, atua na redução dos radicais livres, portanto, tem excelentes capacidades antioxidantes e, por ter um baixo índice glicémico, é uma leguminosa importante no regime alimentar dos doentes diabéticos.


Como cozinhar e consumir leguminosas

As leguminosas não devem ser consumidas cruas, já que contêm substâncias que podem alterar a normal digestão dos nutrientes.

Para o cozimento das leguminosas secas ser mais rápido, estas deverão ser previamente demolhadas, ou seja, deverão ficar em água fria durante umas horas. Em alternativa, deverão ser sujeitas a uma primeira fervura, durante cinco minutos, removendo-se depois a água, para as sujeitar, então, à cozedura.

De acordo com a Associação Portuguesa dos Nutricionistas, no e-book “Leguminosa a Leguminosa, Encha o Seu Prato de Saúde”, “o desconforto gastrointestinal associado ao consumo de leguminosas poderá ser reduzido mediante estratégias de preparação e de confeção culinária que reduzam o conteúdo de oligossacarídeos”.

Muitas dessas estratégias de confeção e preparação passam por demolhar as leguminosas antes de confecionar; trocar a água uma ou duas vezes durante a demolha; rejeitar a água da demolha e enxaguar as leguminosas enlatadas.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.