cuidados essenciais a ter com o colesterol

O que deve saber sobre o colesterol: cuide da sua saúde

4 mins. leitura

O colesterol é uma gordura essencial para o funcionamento do nosso corpo. Além de ser produzido pelo organismo, ele pode ser obtido através da alimentação, nomeadamente, pelo consumo de produtos lácteos e de origem animal (carne, ovos,...).

No nosso corpo, o colesterol é responsável pela produção das membranas celulares, hormonas, vitamina D e ácidos biliares, auxiliando na digestão dos alimentos.

Porém, o problema surge quando o colesterol está presente em excesso no sangue, depositando-se nas paredes arteriais e criando placas que diminuem

o calibre dos vasos, o que prejudica o normal afluxo de sangue aos órgãos e tecidos do corpo.

Guia Prático Doenças Crónicas - Medicare

Principais tipos de colesterol

O colesterol existe no organismo juntamente com uma proteína e, por isso, é considerado uma lipoproteína. A proporção de proteína e de gordura vai definir a densidade do tipo de colesterol.

O chamado colesterol LDL corresponde a lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e é, usualmente, apelidado de “mau” colesterol, pois este tipo de lipoproteínas acumula-se na parede das artérias, causando aterosclerose e aumentando o risco do aparecimento de doenças cardiovasculares, como hipertensão, insuficiência cardíaca, angina de peito, enfarte agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral.

Já o colesterol HDL diz respeito a lipoproteínas de alta densidade, ou seja, o chamado colesterol “bom”, porque ajuda na limpeza das artérias e, assim, reduz o risco do surgimento de doenças cardiovasculares.


Colesterol: valores médios

Os níveis de colesterol LDL aconselhados devem ser inferiores a 115mg/dl. Já os valores de colesterol HDL devem ser superiores a 35mg/dl nos homens e a 45mg/dl nas mulheres. No que respeita ao colesterol total, os valores devem estar abaixo dos 190mg/dl.

Os pacientes considerados de risco (com doenças cardiovasculares, diabetes ou insuficiência renal) devem ter o colesterol LDL, HDL e total nos seguintes níveis: 100mg/dl, 40mg/dl e 175mg/dl, respetivamente.


Fatores de risco

Como dissemos, o colesterol é produzido pelo nosso organismo, mas também é obtido através da alimentação. Isto significa que o excesso de colesterol LDL no sangue, por exemplo, pode estar associado a fatores de risco, nomeadamente, a uma dieta desequilibrada.

Conheça este e outros fatores de risco que podem fazer com que os seus níveis de colesterol LDL subam acima dos valores normais recomendados.


Alimentação

A ingestão em excesso de açúcar simples e gordura saturada contribui e muito para aumentar os níveis de colesterol no sangue.

Logo, alterar a dieta alimentar é fundamental, evitando desde logo o consumo de gorduras de origem animal, como carnes gordas, presunto, queijo, manteiga, charcutarias, fastfood, entre outros produtos equivalentes.


Peso

Quem tem um peso acima dos valores aconselhados possui, habitualmente, colesterol elevado.

Assim, controlar o peso e mantê-lo equilibrado contribui não só para diminuir os níveis de colesterol LDL, como para aumentar o HDL.


Sedentarismo

Não praticar exercício físico regularmente também pode ser uma causa para a subida do colesterol LDL.

Por isso, recomenda-se a atividade física diária, durante pelo menos 30 minutos. Isso irá ajudar a reduzir os níveis de colesterol LDL e a elevar o HDL.


Hereditariedade

A genética também pode ter um papel a dizer neste campo e há, efetivamente, famílias, cujo organismo produz mais colesterol do que o de outras.

H2. Colesterol: como tratar e prevenir

Além de ter tratamento, o problema do colesterol elevado no sangue pode ser prevenido, desde que se evitem os seus principais fatores de risco. Praticar uma alimentação equilibrada, fazer exercício físico regular e não fumar são medidas essenciais para um estilo de vida mais saudável e com níveis de colesterol controlados.

Uma dieta equilibrada deve privilegiar alimentos ricos em fibra vegetal e pobres em gorduras saturadas, colesterol e ácidos gordos trans. É importante frisar que os medicamentos para baixar o colesterol só são eficazes se acompanhados por um estilo de vida saudável.

Dicas para uma alimentação saudável:

  • Consumir muitos vegetais;
  • Comer 2 a 3 peças de fruta por dia;
  • Preferir cereais integrais;
  • Ingerir mais peixes gordos e carne branca e menos carne vermelha, removendo sempre a gordura;
  • Consumir sementes, frutos oleaginosos e leguminosas;
  • Preferir azeite, óleos vegetais e cremes vegetais;
  • Evitar produtos de charcutaria, pastelaria e confeitaria, snacks doces e salgados e todos os produtos processados com muita gordura saturada e trans e açúcares.

Tratamento

O problema do excesso de colesterol no sangue tem tratamento, que tem como finalidade diminuir os níveis de colesterol LDL e aumentar os de colesterol HDL.

Por vezes, é necessário recorrer a medicamentos, que devem ser escolhidos e prescritos pelo médico, tendo em conta o caso clínico em questão e ponderando aspetos como: os valores do colesterol (LDL e HDL); o nível de risco; e a idade do paciente, género, pressão arterial e se é ou não fumador.

A escolha do medicamento a receitar ao doente também vai depender de vários aspetos. Porém, as estatinas são os fármacos mais utilizados, pois baixam o colesterol LDL ao mesmo tempo que reduzem o risco de doença cardiovascular.


Alguns medicamentos recomendados

Estatinas: Bloqueiam a enzima que nivela a porção de colesterol que o corpo

produz. Reduzem o colesterol LDL em 20% a 55%; descem os triglicerídeos; e sobem o colesterol HDL.

Niacina: Vitamina B lipossolúvel que atua, essencialmente, na subida do colesterol HDL, que pode aumentar em 25%.

Fibratos: Ajudam na redução dos triglicerídeos.

Resinas: Combinam-se no intestino com os ácidos biliares que contêm colesterol. Conseguem descer o colesterol LDL em aproximadamente 15%.

Esteróis vegetais: Impedem a absorção do colesterol pelo intestino, reduzindo o LDL em 5% a 15%.

Ezetimiba: Baixa o colesterol absorvido pelo intestino, reduzindo o colesterol LDL em aproximadamente 18%. Em casos mais graves e de risco, a ezetimiba é combinada com as estatinas para uma redução mais eficaz do colesterol LDL.


Cuidados

Felizmente, na maior parte dos casos, é possível impedir a subida do colesterol LDL, desde que se adotem alguns comportamentos preventivos e se evitem os fatores de risco. Assim, é importante:

  • evitar a ingestão de produtos com gorduras saturadas e colesterol, como carne vermelha, por exemplo;
  • praticar atividade física regular, para elevar o colesterol HDL, controlar o peso, a diabetes e a pressão arterial, evitando os fatores de risco;
  • não fumar, pois o tabaco desce o colesterol HDL.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados: