mulher sentada na cama com braços cruzados

Como minimizar os efeitos da retenção de líquidos

4 mins. leitura

A retenção de líquidos deve-se ao desequilíbrio dos mecanismos responsáveis pela regulação de líquido no nosso organismo, culminando na acumulação de fluidos no tecido subcutâneo.

Essa acumulação pode provocar edema e a sua causa mais frequente é a insuficiência venosa, ou seja, as veias não conseguem transportar o sangue das extremidades para o coração. Quando a origem do problema não é identificada, estamos perante o chamado edema idiopático.

Este problema é mais comum no género feminino, sobretudo devido às alterações hormonais a que as mulheres estão sujeitas. Fique a conhecer os sintomas, tratamentos e as formas de prevenção deste problema.


Retenção de líquidos: sintomas, tratamentos e prevenção

Sintomas

A retenção de líquidos costuma estar associada a um desequilíbrio hormonal, por isso, ela é mais frequente nas mulheres na fase pré-menstrual, na gravidez e na menopausa, devido às mutações nos níveis de estrogénio e de progesterona.

Na prática, os líquidos saem dos vasos sanguíneos e vão-se acumulando no espaço que envolve os tecidos e os órgãos do corpo, principalmente, em regiões como as pernas, os tornozelos, as mãos, os pés e o abdómen.

Consequentemente, a pessoa pode sentir:

  • Cansaço;
  • Cãibras;
  • Mal-estar;
  • Desconforto nas zonas atingidas;
  • Ter edema e distensão abdominal;
  • Registar um aumento de peso que pode superar os 2kg a 3kg.

Para verificar se sofre de retenção de líquidos, pode experimentar comprimir a pele por alguns minutos. Se a zona demorar a recuperar a coloração e a forma normais ou sentir dor, é sinal de que, provavelmente, faz retenção de líquidos.


Causas

Apesar da insuficiência venosa ser a razão mais frequente para a retenção de líquidos, há muitas outras causas possíveis para este problema, como por exemplo:

  • Erros alimentares;
  • Fatores hormonais;
  • Hereditariedade;
  • Ingestão excessiva de sal;
  • Carência de algumas vitaminas e sais minerais (como magnésio e potássio);
  • Sedentarismo;
  • Excesso de peso;
  • Alguns fármacos;
  • Doenças renais, da tiróide (hipotiroidismo), cardíacas (insuficiência cardíaca), falência hepática ou de má circulação sanguínea;
  • Vestir roupa muito apertada;
  • Passar muito tempo em pé ou sentado;
  • Estar sujeito a muito stress ou ansiedade;
  • Frequentar ambientes com temperaturas muito elevadas.

Tratamento e prevenção

O tratamento para a retenção de líquidos pode exigir a toma de fármacos diuréticos, o uso de meias de compressão elástica, massagens e fisioterapia, de modo a estimular a drenagem venosa e linfática.

Além disso, é essencial a mudança de alguns hábitos e comportamentos, nomeadamente, no que respeita à alimentação. Eis algumas medidas que deve adotar.

Aumentar a ingestão de água

Beber entre 1,5 ou 2 litros de água por dia para desintoxicar o organismo.

Aumentar a ingestão hídrica através de outros alimentos

Consumir infusões, chás (verde, cavalinha, funcho, erva-príncipe e dente-de-leão) e alimentos ricos em água como os vegetais (pepino e aipo que têm ação diurética e anti-celulítica) e as frutas (papaia, melancia, abacaxi).

Estas frutas, em particular, têm propriedades que regulam a pressão arterial, mantêm o equilíbrio hídrico, controlam os níveis de glicemia no sangue e, têm propriedades anti-inflamatórias.

Diminuir o consumo de sal e dar preferência a ervas aromáticas

Reduzir o consumo de sal (não ultrapassando o consumo de 5g de sal diários), evitando produtos com compostos como: sódio, Na+, glutamatomonosodico, bicarbonato de sódio, bissulfato de sódio, fosfato dissodico, hidróxido de sódio, propionato de sódio.

Usar mais ervas aromáticas como é o caso do estragão, funcho ou salsa, ou especiarias, como o açafrão-da-Índia em substituição do sal.

Evitar produtos processados e industrializados

Evitar o consumo de alimentos processados, ricos em gorduras trans e açúcares simples bem como de caldos industriais, sopas instantâneas, comida pré-confecionada, batatas-fritas, molhos, enchidos ou conservas.

Aumentar o consumo de alimentos ricos em fibra

Dar preferência a alimentos ricos em fibras (como romã, morangos, feijão, alcachofra, entre outros) para melhorar o funcionamento intestinal.

Dar preferência a alimentos ricos em magnésio e potássio

Privilegiar o consumo de alimentos ricos em magnésio (como cereais integrais, avelãs, nozes e amêndoas) e em potássio (como leguminosas e hortofrutícolas).

Evitar o consumo de álcool

Reduzir ou abolir o consumo de bebidas alcoólicas.

Praticar atividade física com regularidade

Deve optar por praticar exercício físico com alguma regularidade e de preferência pôr em prática alguns exercícios específicos para combater a retenção de líquidos como é o caso dos seguintes exemplos:


Exercício 1
  1. Deitar-se e elevar as pernas acima da altura do tronco;
  2. Mover as pontas e os dedos dos pés para trás e para a frente;
  3. Colocar um elástico na base dos pés, puxando a ponta do pé e empurrando o calcanhar.

Exercício 2
  1. Pôr-se ora na ponta dos pés, ora nos calcanhares.

Exercício 3
  1. Fazer movimentos circulares com os punhos, usando uma bola entre as mãos, enquanto o cotovelo está apoiado.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais

Pedido enviado Falaremos consigo
assim que possível

Quer aderir? Ligamos grátis
Precisamos do seu consentimento para o contactar.