homem sentado no sofá em sofrimento com dores nos rins

Doença renal crónica: saiba os cuidados a ter

3 mins. leitura

Ao contrário da doença renal aguda, que, tal como o nome indica, surge de forma súbita, a doença renal crónica (DRC) é uma diminuição lenta e progressiva da capacidade dos rins filtrarem os resíduos metabólicos do sangue e que pode ocorrer durante meses ou mesmo anos.

E, enquanto a doença renal aguda, normalmente, pode ser reversível, evitando evoluir para lesão crónica; no caso da DRC, isso não acontece e o doente inicialmente pode ser tratado visando o foco da causa em questão, o que evita a progressão da doença.


Como se instala

Ao longo de meses ou anos, os rins vão perdendo as suas funções, deixando de fazer a filtragem do sangue e de excretar substâncias que uma vez acumuladas, podem ser tóxicas para o organismo.

Os rins são responsáveis por várias funções no organismo, além da eliminação de toxinas, sendo também o órgão que controla o nível de pH do sangue e equilíbrio hídrico e eletrolítico do organismo.

São ainda funções dos rins a eliminação de substâncias inúteis ou que estejam em excesso na corrente sanguínea, o controlo do nível de sais minerais no sangue, bem como a produção de hormonas que controlam a pressão arterial, a produção de vitamina D e, ainda, as hormonas que estimulam a produção de glóbulos vermelhos.

A falência dos rins leva a que estas funções deixem de ser cumpridas, o que provoca graves problemas de saúde.


Sintomas de doença renal

Os sintomas da doença renal passam, muitas vezes, despercebidos. Por norma, vão surgindo à medida que a condição do rim se agrava, mas, não ocorrendo todos em simultâneo, são desvalorizados ou atribuídos a outros problemas.

Os sintomas mais comuns a que deve estar atento são:

  • Pouca urina
  • Urina amarela escura, com um cheiro forte e que faz espuma
  • Cansaço frequente
  • Inchaço nas pernas e pés
  • Sensação de falta de ar
  • Dores na parte inferior das costas
  • Tensões altas
  • Febre superior a 39ºC
  • Náuseas e vómitos
  • Falta de apetite
  • Cãibras frequentes
  • Formigueiro nas mãos e nos pés
  • Tremores nas mãos
  • Surgimento de pequenos caroços na pele

A existência destes sintomas, e não necessariamente quando surjam todos em conjunto, porque isso raramente acontece, ou só acontece numa fase muito avançada da doença, deve levar a procurar assistência médica.

doença renal

Principais causas

A diabetes e a hipertensão mal controladas são as principais causas da DRC. História familiar de problemas renais ou pessoas que foram sujeitas a algum transplante de órgãos têm mais hipóteses de vir a desenvolver doença renal.

Outros problemas, como a doença poliquística renal ou outras lesões nos rins, devido à existência de pedras nos rins ou de substâncias tóxicas, como medicamentos, por exemplo, são outras potenciais causas do desenvolvimento da DRC.

A diminuição da quantidade de sangue nos rins devido a desidratação ou a um quadro de hipovolemia (pressão arterial marcadamente baixa) pode também conduzir a doença renal crónica.

A septicemia, uma infeção generalizada, é outra das potenciais causas, bem como o uso de medicamentos e suplementos proteicos em excesso ou a interrupção da passagem de urina, causada pelo aumento da próstata ou pela existência de um tumor.

A síndrome hemolítico-urémica, uma doença rara em que há formação de trombos por todo o corpo, que bloqueiam o fluxo de sangue para órgãos vitais como o cérebro, o coração e os rins, podendo evoluir para insuficiência renal, é outra causa comum da DRC.


Tratamento

Uma vez diagnosticada a doença, e dependendo da gravidade da situação e das consequências operadas ao nível de outros órgãos, o tratamento poderá implicar internamento ou ser feito em regime de ambulatório, obrigando sempre à avaliação por um nefrologista.

Na maior parte dos casos, é feito com recurso a remédios anti-hipertensivos e diuréticos, de forma a eliminar as substâncias tóxicas que possam estar acumuladas no organismo.

Nos casos mais graves, haverá necessidade do paciente ser sujeito a hemodiálise e, eventualmente, ser submetido a um transplante renal.

O tratamento assenta, também, no seguimento de um plano nutricional específico e que privilegia os hidratos de carbono, pondo de lado as proteínas, o sal e o potássio, para evitar a sobrecarga nos rins.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.