mulher com diastase abdominal

Diástase abdominal: como identificar e tratar

4 mins. leitura

A diástase do músculo reto abdominal ou, simplesmente, a diástase abdominal pode ser congénita ou adquirida. Trata-se do afastamento dos músculos abdominais e tecido conjuntivo, dando aspeto de barriga flácida, com excesso de pele e acumulação de gordura.


Principais fatores de risco da diástase abdominal

A gravidez é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de diástase, que pode ocorrer no segundo ou no terceiro trimestre da gravidez ou durante o trabalho de parto, devido ao esforço físico envolvido na expulsão do feto.

Apesar de comum, este pode ser um problema, caso permaneça oito semanas após o nascimento do bebé.

Geralmente, a diástase abdominal aparece 4,5 cm acima da cicatriz umbilical (supraumbilical) ou ao nível da cicatriz (umbilical). Mais raramente, surge 4,5 cm abaixo da cicatriz umbilical (infraumbilical).

Esta situação é mais frequente em:

  • Mulheres em idade reprodutiva, entre os 19 e os 40 anos;
  • Multíparas;
  • Multigestas;
  • Mulheres que tiveram partos normais com intervalos curtos de tempo entre si ou bebés mais pesados (com mais de 4kg).

Para evitar ou tratar esta complicação, é importante recomendar a prática de atividade física adequada durante a gestação, bem como no puerpério.

diastase-abdominal

O que é e quais as principais causas da diástase abdominal

A diástase abdominal está relacionada com várias mudanças, nomeadamente hormonais, que ocorrem no organismo, durante a gravidez. Ao longo da gestação, tem lugar uma ação hormonal sobre os tecidos conjuntivos, e que está ligada a alterações biomecânicas que permitem o crescimento do útero.

Todas estas alterações provocam o afastamento da musculatura abdominal, que se pode prolongar pelo pós-parto. Se esse afastamento for superior a 2 cm, designa-se de diástase abdominal.

A diástase abdominal pode prejudicar:

  • A estabilização da musculatura abdominal;
  • O movimento do tronco;
  • Funções como a postura, o parto, a defecação e a contenção visceral.

Consequências

A diástase abdominal torna órgãos, como o útero ou os intestinos, mais desprotegidos. Logo, esta situação pode acarretar algumas consequências negativas, nomeadamente:

  • Dores na região lombar;
  • Dificuldade em respirar;
  • Dificuldade em movimentar-se;
  • Perdas involuntárias de urina;
  • Obstipação;
  • Hérnias.

Tratamento e pós-parto

Em primeiro lugar, é importante dizer que a diástase abdominal deve ser devidamente diagnosticada pelo médico e/ou fisioterapeuta e que todos os exercícios a fazer devem ser recomendados e avaliados por um especialista.

A principal maneira de evitar e contrariar a diástase abdominal é realizar exercício físico durante a gestação e no puerpério. A atividade física garante benefícios para vários sistemas do nosso organismo, nomeadamente para a musculatura abdominal.

Combater a musculatura flácida previne a acumulação de gordura abdominal e os problemas intestinais, como a obstipação ou a patologia hemorroidária.

No pós-parto, a fisioterapia também pode ser fundamental para melhorar a tonicidade dos músculos abdominais e pélvicos.

diastase-abdominal

Benefícios do exercício físico para a puérpera

Entre os benefícios do exercício físico para a puérpera estão:

  • Melhoria da função respiratória;
  • Melhoria da função sexual e da líbido;
  • Reeducação postural;
  • Recuperação do pavimento pélvico;
  • Gestão das pressões (pré-ativação muscular);
  • Diminuição do perímetro da cintura;
  • Tonificação da musculatura abdomino-perineal;
  • Melhoria da auto-estima e da auto-confiança.
diastase-abdominal

Exercícios para tratar a diástase abdominal

Existem exercícios mais indicados para os casos de diástase abdominal. Deve aconselhar-se junto do seu médico acerca do tipo de atividade física mais apropriada para si, assim como sobre programas de fisioterapia que possam ser benéficos para a sua situação.


Exercícios abdominais pós-parto

Os seguintes oito exercícios são adequados para a fase do pós-parto e para mulheres que estejam a sofrer de diástase abdominal.

Nas primeiras duas semanas, pode começar por fazer duas séries destes oito exercícios, podendo depois aumentar a duração de cada exercício.


1. Prancha ventral

  1. Coloque-se de barriga para baixo.
  2. Levante o corpo numa posição estática e apoie-se nos antebraços e nas pontas dos pés.
  3. Fique nessa posição por 30 segundos.
diastase-abdominal

2. Ponte de glúteos

  1. Coloque-se de barriga para cima.
  2. Levante a anca e mantenha-se nessa posição por 30 segundos.
  3. Durante esse tempo, contraia 10 vezes os músculos abdominais, relaxando entre cada uma das contrações.
diastase-abdominal

3. Abdominal com bola de Pilates

  1. Coloque-se de barriga para cima, com a anca, a coluna e a cabeça apoiadas no solo.
  2. Posicione as duas pernas fletidas e elevadas a 90º, enquanto aperta com as pernas a bola de Pilates.
  3. Mantenha-se nessa posição por 30 segundos.

4. Abdominal inferior

  1. Coloque-se de barriga para cima.
  2. Alinhe a lombar, os ombros e a cabeça com o chão.
  3. Estenda os braços ao lado do corpo.
  4. Leve o joelho até a cabeça, elevando o quadril e, posteriormente, descendo lentamente.

5. Prancha lateral

  1. Mantenha-se de lado, com as pernas esticadas e juntas.
  2. Apoie o cotovelo e o antebraço no chão, enquanto coloca a outra mão na cintura.
  3. Comece a elevar o quadril lentamente, mantendo-se nessa posição durante 30 segundos, ao mesmo tempo que contrai o abdómen.
diastase-abdominal

6. Tesoura

  1. Deite-se no chão, apoiando a lombar, os ombros e a cabeça.
  2. Comece por levantar as pernas, ao mesmo tempo que mantém os joelhos em flexão, formando um ângulo de 90º.
  3. Contraia o abdómen e vá descendo, lentamente, uma perna de cada vez.

7. Quadril alternado

  1. Deite-se no chão, apoiando a lombar, os ombros e a cabeça e fletindo os joelhos, de modo a formar um ângulo de 90º.
  2. Nesse momento, gire os joelhos para a esquerda e para a direita, mantendo-os juntos.
  3. Faça movimentos lentos, enquanto contrai o abdómen.

8. Ponte com pernas elevadas

  1. Deite-se no chão, apoiando a lombar, os ombros e a cabeça.
  2. Agora, levante o quadril e contraia os glúteos e o abdómen.
  3. Entretanto, retire uma perna do chão, mantendo-a esticada e elevando-a.
  4. Depois, repita o procedimento com a outra perna.
diastase-abdominal

Método hipopressivo

Este é um dos métodos mais recomendados para a fase de recuperação pós-parto. Os seus exercícios têm por objetivo:

  1. Reduzir a congestão pélvica
  2. Reposicionar os órgãos
  3. Melhorar a postura corporal

Isto, enquanto o útero recupera o seu tamanho normal (algo que demora, pelo menos, 40 dias a acontecer).

O método hipopressivo consiste em inspirar e expirar totalmente o ar, até o abdómen começar a contrair-se sozinho. Depois, deve encolher a barriga, “puxando” os músculos abdominais “até o umbigo tocar nas costas”.


Exercícios que deve evitar

Em caso de diástase abdominal, existem exercícios que deve evitar, nomeadamente flexões e agachamentos, porque estes podem piorar essa condição. Também desportos como a natação e o ioga não são aconselháveis nesta circunstância.

Durante este período, também deve evitar pegar em pesos e executar qualquer atividade que implique um esforço excessivo dos músculos abdominais.

Assim que o afastamento muscular desapareça, pode experimentar atividades como o Pilates, pois ele irá ajudar a fortalecer a parede abdominal e a reforçar o músculo transverso abdominal.


Diástase abdominal
O que é? Onde se manifesta? O que a causa? Como tratar? Como prevenir?
Afastamento da musculatura abdominal superior a 2 cm. É um problema que, normalmente, surge 4,5 cm acima da cicatriz umbilical (supraumbilical) ou ao nível da cicatriz (umbilical). Mudanças hormonais, nomeadamente as vividas durante a gravidez. A principal forma de combater a diástase abdominal é através da realização de exercícios físicos adequados e de fisioterapia. Praticar atividade física apropriada durante a gestação e o puerpério.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

1 presente à escolha

Oferta exclusiva Online

1 presente de boas-vindas à escolha

Aderir Online
Cartão Platinium Mais Vida
Quer aderir? Ligamos grátis! Esclareça as suas dúvidas com a nossa
equipa, sem compromisso.
Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Formulário enviado Obrigado pelo seu contacto. Será contactado em breve pela nossa equipa de especialistas.