menino a abraçar o pai

Circuncisão: 9 perguntas e respostas sobre esta prática milenar

5 mins. leitura

Indíce
  1. 1. O que é?
  2. 2. Faz-se porquê?
  3. 3. Existem benefícios?
  4. 4. Como se faz?
  5. 5. Quais os riscos?

A circuncisão começou por ser um ritual religioso e sociocultural, mas, atualmente, também é utilizada para prevenir e tratar algumas situações clínicas.

Embora mais habitual nos Estados Unidos da América, África e Médio Oriente do que em países europeus, a taxa de circuncisão mundial é de cerca de 38%, o que faz desta uma das cirurgias mais comuns. Apesar disso, ainda existem muitas dúvidas sobre os seus propósitos, benefícios e riscos.

A seguir, pode esclarecer algumas questões relacionadas com esta prática milenar.


1. O que é a circuncisão e como se faz?

A circuncisão é um procedimento cirúrgico que consiste em remover o prepúcio, a pele que cobre a glande do pénis. Esta intervenção pode ser realizada em bebés, crianças ou em adultos.


2. Faz-se porquê?

Praticada há milhares de anos por razões religiosas e culturais, especialmente entre as comunidades judaica e muçulmana, a circuncisão é considerada um ritual de passagem para a idade adulta e um processo higiénico.

No final do século XIX e início do século XX, começou a recorrer-se mais à circuncisão, independentemente das motivações religiosas, para prevenir ou tratar determinadas condições, nomeadamente:

  • Fimose: ocorre quando o prepúcio é muito apertado, tornando difícil ou impossível retrair completamente a pele sobre a glande. Esta condição pode causar dor quando o pénis está ereto e dificuldades em urinar;
  • Balanite, postite e balano-postite recorrentes: são inflamações do prepúcio e/ou da glande. A circuncisão pode ser recomendada para tratar ou prevenir episódios recorrentes;
  • Parafimose: pode ser uma complicação da fimose e acontece quando o prepúcio não consegue voltar à posição inicial após ser puxado para trás, fazendo com que a glande do pénis fique inchada e dorida. É uma emergência urológica e é necessário tratamento imediato para evitar complicações graves, como a restrição da circulação do sangue no pénis.
  • Cancro do pénis: embora seja uma condição relativamente rara, pode surgir um tumor ou úlcera semelhante a uma verruga, na extremidade do pénis ou sob o prepúcio. Pode também ocorrer sangramento, secreção, bem como alterações na pele do pénis ou do prepúcio;
  • Balanite xerótica obliterante: trata-se de uma inflamação crónica que causa fimose e, em determinadas situações, afeta também a glande que pode ficar inflamada e com cicatrizes.
  • Condições congénitas: em alguns casos, a circuncisão pode ser recomendada para corrigir anomalias congénitas do pénis.

3. Existem benefícios médicos na circuncisão?

Estes são alguns dos benefícios associados à circuncisão:

  • Redução do risco de infeções do trato urinário;
  • Provável diminuição do risco do cancro do pénis;
  • Diminuição do risco de infeção por doenças sexualmente transmissíveis, incluindo a transmissão do VIH de mulher para homem;
  • Redução do risco de transmissão das formas cancerígenas do vírus do papiloma humano (HPV);
  • Prevenção da balanite, postite, balano-postite recorrentes e da fimose;
  • Maior facilidade em manter uma boa higiene genital, fator importante para a saúde masculina.

equipa cirúrgica realiza circuncisão em menino

4. Como se faz a circuncisão?

Geralmente, nos recém-nascidos, a circuncisão é feita 10 dias após o nascimento. O bebé fica deitado de costas com os braços e as pernas presos. Uma vez limpo o pénis e a área circundante, é aplicada uma anestesia local. Depois, é presa uma pinça especial ou um anel de plástico ao pénis e o prepúcio é removido.

Posteriormente, o pénis é coberto com uma pomada, como um antibiótico tópico ou vaselina, e envolto em gaze.

A circuncisão é semelhante para meninos mais velhos e para os adultos. Porém, quando realizada numa idade mais tardia, pode exigir anestesia geral.


5. Quais os riscos associados?

Este é um procedimento pouco invasivo, mas acarreta alguns riscos ainda que raros, tais como:

  • Infeções;
  • Sangramento excessivo;
  • Reações adversas à anestesia;
  • Lesões no pénis;
  • Complicações estéticas.

A decisão de realizar a circuncisão deve ser tomada com base em informações precisas e com a orientação de profissionais de saúde especializados para avaliar o estado de saúde geral e a pré-existência de condições que possam contraindicar esta intervenção cirúrgica, como, por exemplo, distúrbios hemorrágicos.


6. Qual a melhor idade para fazer a circuncisão?

A circuncisão pode ser feita em qualquer idade. Contudo, nos bebés, a recuperação é mais rápida e a probabilidade de complicações é mais baixa do que em crianças mais velhas e em adultos.


7. Afeta a função sexual do homem?

A circuncisão parece não afetar negativamente a função sexual.

Um estudo publicado pela Associação Portuguesa de Urologia sobre o Efeito da Circuncisão na Sexualidade Masculina refere que 52% dos inquiridos diz ter existido uma melhoria geral da função sexual, 44% não notou diferenças significativas antes e depois do procedimento, e apenas 4% sentiu um agravamento.


8. Como é feita a preparação para a cirurgia de circuncisão?

A preparação para a circuncisão envolve vários passos, para garantir que seja realizada de maneira segura e eficaz, nomeadamente: consulta médica e exames pré-operatórios para avaliar o estado de saúde geral. O tipo de anestesia também terá de ser discutido, tendo em conta se o paciente é uma criança ou um adulto.


homem com desconforto na zona genital

9. Como é feita a recuperação pós-cirúrgica?

A recuperação após a circuncisão é influenciada por fatores como a idade, método cirúrgico utilizado e eventual presença de complicações.

Nos bebés, o tempo de recuperação varia entre 7 a 10 dias. Após a cirurgia, é possível que o bebé fique agitado devido a algum desconforto. Também é normal que o pénis fique ligeiramente vermelho e inchado durante alguns dias. O penso deve ser trocado em cada muda de fralda. A fralda deve ficar ligeiramente larga, para ajudar na cicatrização.

Alguns sinais de alerta a que se deve estar atento:

  • Agitação contínua, em bebés;
  • Aumento da dor, em crianças;
  • Dificuldade em urinar;
  • Febre;
  • Secreções com mau cheiro;
  • Aumento da vermelhidão ou inchaço;
  • Hemorragia persistente;
  • Anel de plástico que não cai depois de duas semanas.

Em adultos, devem ser seguidas as orientações médicas específicas sobre como cuidar da incisão e controlar a dor. Além disso, devem ser evitados grandes esforços durante as primeiras quatro semanas de recuperação ou até indicação médica, bem como evitar atividade sexual durante seis semanas após o procedimento e usar roupas largas.

Os sinais de alerta a que se deve estar atento são:

  • Aumento da dor;
  • Dificuldade para urinar;
  • Hemorragia;
  • Sinais de infeção, como febre, aumento da vermelhidão, inchaço ou secreção com mau cheiro.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico.

Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Política de Privacidade