homem com dor na barriga

Afinal, o que é a dor e para que serve?

4 mins. leitura

Indíce
  1. 1. O que é a dor?
  2. 2. Tipos de dor
  3. 3. Formas de medir dor
  4. 4. Como viver com dor?

Não é agradável, mas a dor tem um papel mais importante do que possamos imaginar.

Quando alguma parte do corpo dói, é sinal de que algo não está bem e que precisamos de atuar antes que o problema se agrave.

Neste artigo, pode ficar a saber para que serve a dor, que tipos existem e como medir a sua intensidade.

Pode, ainda, conhecer estratégias para viver com a dor e atenuá-la.


homem com dor nas costas

Em que consiste a dor e que função desempenha

A dor é uma experiência sensorial e emocional incómoda, relacionada com uma lesão real ou potencial dos tecidos, segundo a Federação Europeia da Dor.

Esta é uma resposta do nosso organismo a estímulos nocivos, que podem ir desde uma lesão física, como uma queimadura, até uma doença crónica, como a artrite, por exemplo.

A dor desempenha, assim, uma função de proteção, atuando como um sistema de alarme que nos avisa sobre situações que podem causar danos ao nosso corpo, levando-nos a adotar medidas para evitá-las ou lidar com elas.

Por exemplo, se encostarmos ligeiramente a mão a uma chama, vamos, com certeza, sentir a dor da pele a ser queimada. Isto vai fazer-nos recuar e evitar uma queimadura mais grave.


Tipos de dor

A dor não é toda igual, podendo ser classificada consoante as suas caraterísticas e duração. Assim:

  • Dor aguda: dura menos do que 30 dias e, por norma, surge como uma resposta imediata a uma lesão recente, tendo o objetivo de evitar que esta se agrave. É um sinal de alerta importante e tende a desaparecer à medida que a lesão é curada;
  • Dor crónica: persiste por um período prolongado, mais do que três a seis meses. Muitas vezes, permanece além do tempo esperado para a cura dos tecidos, ossos ou órgãos atingidos. Este tipo de dor pode resultar de determinadas condições médicas, como fibromialgia, osteoartrite ou dor neuropática. A dor crónica é mais complexa do que a dor aguda, podendo também ser causada por fatores emocionais, sociais e psicológicos.

mulher com dor no pulso

Formas de medir a dor

Um tratamento eficaz da dor depende de uma avaliação adequada, que pode ser feita de várias formas, tais como:

  • Escala de classificação numérica: mede a dor numa escala de 0 a 10, em que 0 significa nenhuma dor e 10 representa a pior dor imaginável. É útil, por exemplo, para avaliar como os níveis de dor mudam em resposta a um tratamento;
  • Escala de descrição verbal: esta escala pode ajudar a medir os níveis de dor em crianças com deficiências cognitivas, em seniores, pessoas autistas ou disléxicas. Em vez de usar números, o médico coloca diferentes perguntas descritivas ao paciente para restringir o tipo de dor;
  • Escala de rostos: utilizado principalmente em crianças, este método consiste em mostrar uma variedade de rostos expressivos, de angustiados a felizes. Esta escala já mostrou ser eficaz em pessoas autistas.

Entre as outras maneiras de medição, consta também um questionário escrito mais detalhado, que permite mapear a linha do tempo da dor para detetar padrões, bem como avaliar o efeito no humor, na atividade, no sono e nos relacionamentos interpessoais.


As repercussões da dor na nossa vida

A dor pode ter várias repercussões na vida das pessoas. Pode interferir na capacidade de realizar atividades diárias, afetar o sono, o humor, a concentração e até mesmo o convívio social.

A dor crónica, em particular, pode levar à incapacidade funcional, perda de produtividade no trabalho e declínio da qualidade de vida.

Há estudos sobre o assunto que também demonstram existir uma associação entre a dor crónica e altos níveis de ansiedade, depressão e stress.

A dor persistente pode, ainda, levar a mudanças neuroplásticas no sistema nervoso, aumentando a sensibilidade à dor e contribuindo para um ciclo de dor contínua.


Como viver com a dor e como atenuá-la

Embora nem sempre seja possível eliminar totalmente a dor, existem estratégias que podem ajudar a minimizar o seu impacto na vida e contribuir para um maior bem-estar.

Geralmente, o tratamento da dor envolve uma abordagem multidisciplinar, que pode incluir medicamentos, terapias físicas, intervenção psicológica e medidas de autocuidado.

Uma gestão eficaz da dor crónica passa igualmente pela adoção de hábitos saudáveis, nomeadamente ter um sono regular e uma alimentação equilibrada, bem como praticar exercícios físicos adequados ou técnicas de relaxamento.

Por fim, há que realçar a importância do suporte emocional e social no modo como se lida com a dor, seja por meio de grupos de apoio ou do acompanhamento de profissionais de saúde especializados.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico.

Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Política de Privacidade