Ligamos
grátis
pernas de mulher com varizes

Saiba como prevenir e tratar varizes nas pernas

4 mins. leitura

As varizes são veias tortuosas e dilatadas localizadas logo abaixo da pele. Geralmente surgem nas pernas e estão associadas a uma condição chamada doença venosa crónica.

Além de uma tendência hereditária, há outros fatores de risco que convém conhecer. O diagnóstico é, habitualmente, feito por um médico angiologista e cirurgião vascular e os tratamentos propostos dependem de cada caso.


Varizes nas pernas: o que são e como intervir

Como elas aparecem

O sangue é transportado ao longo do corpo através de artérias e veias. A artéria conduz o sangue rico em oxigénio para longe do coração, em direção ao resto do corpo, abastecendo os órgãos e os tecidos. A veia é o vaso que leva o sangue de volta ao coração e pulmões para que ele possa receber oxigénio novamente.

Ao serem as responsáveis pelo retorno do sangue ao coração, as veias lutam contra a força da gravidade. Vários mecanismos intervêm para facilitar este processo. Entre eles são particularmente importantes as válvulas, que funcionam como uma espécie de comporta ao impedirem que o sangue flutue. Desta forma, o sangue segue sempre numa única direção.

Se as válvulas estiverem fracas ou danificadas, o sangue das pernas que deveria subir em direção ao coração começa a retornar para baixo e a acumular-se com o sangue novo que está a subir. O resultado é a dilatação das veias, que se tornam tortuosas, e há uma maior dificuldade de escoamento de sangue para o coração.

Visto que as veias periféricas das pernas se encontram muito próximas da pele, esta dilatação e tortuosidade torna-se facilmente visível.


Fatores de risco

As varizes nas pernas são muito comuns, afetando uma grande parte da população. Há, no entanto, fatores de risco importantes a ter em conta. Estes são os mais importantes:

  • Idade
    Nas mulheres, a prevalência entre os 30 e 40 anos é de 20%, aumentando gradualmente para valores acima dos 50% na faixa etária dos 70 anos. Nos homens, a prevalência de varizes entre os 30 e os 40 anos é de cerca de 3%, enquanto nos maiores de 70 anos pode registar valores próximos dos 40%.
  • Sexo feminino
    A presença de algumas hormonas, como a progesterona, causa a dilatação das veias e favorece o aparecimento de problemas nas válvulas, provocando as varizes.
  • História familiar
    Existe um fator genético que favorece o aparecimento das varizes.
  • Obesidade
    Quanto maior o peso, maior a pressão sobre as veias e, por isso, maior o risco de surgimento de varizes.
  • Tabagismo
    O tabaco agride as paredes dos vasos sanguíneos, favorecendo a formação de varizes.
  • Gravidez
    O aumento de algumas hormonas, associado a um maior volume de sangue em circulação e à compressão das veias na zona do abdómen, favorece o surgimento de varizes.
  • Sedentarismo
    O impacto da planta no pé no chão provoca um bombeamento mecânico do sangue acumulado nos pés e a contração dos músculos gémeos (barriga da perna) impulsiona o sangue venoso para cima. Desta forma, o ato de andar e a atividade física facilitam o retorno do sangue ao coração.
  • Traumas nas pernas
    Qualquer lesão nas veias pode torná-las mais fracas e suscetíveis de sofrerem dilatações.
  • Passar muito tempo de pé ou sentado
    Dificulta o retorno venoso e favorece o aparecimento das varizes.
  • Pílulas anticoncecionais
    Provocam uma variação hormonal que favorece o aparecimento de varizes.

Sintomas e complicações

Habitualmente, as queixas de quem sofre de varizes são a dor, o inchaço e a sensação de peso e cansaço nos membros inferiores. Estes sintomas costumam agravar-se ao longo do dia e aliviam com a elevação das pernas.

Em doentes que já têm varizes há muito tempo podem também ocorrer alterações da cor e da consistência da pele, nomeadamente, o seu escurecimento e endurecimento.

Estas alterações ocorrem sobretudo na zona inferior e interna da perna e ao nível dos tornozelos, culminando com o aparecimento de feridas (úlceras venosas) que podem ser muito difíceis de cicatrizar. Durante a noite, podem sentir prurido e cãibras nas pernas.

Nestes doentes há ainda o risco de pequenos traumatismos lhes causarem rotura e sangramento com perdas de sangue significativas. Estes episódios chamam-se varicorragias.


Tratamento

O diagnóstico da doença venosa crónica é, habitualmente, feito por um médico especialista em Angiologia e Cirurgia Vascular, após um exame físico cuidadoso e a execução de um exame de ecografia chamado ecodoppler venoso, que permite estudar a morfologia e a circulação das veias dos membros inferiores.

Este exame, sem efeitos adversos e de baixo custo, facilita a identificação dos segmentos venosos afetados e a escolha do melhor tratamento.

Há vários tratamentos possíveis, sendo que a sua escolha depende de cada caso. Podem passar pelas seguintes técnicas:

  • Toma de medicação que melhore a circulação sanguínea.
  • Uso de meias elásticas compressivas.
  • Escleroterapia (injeção de uma substância no interior da veia para a secar).
  • Cirurgia sem remoção das veias afetadas (minimamente invasiva, normalmente em regime ambulatório).
  • Cirurgia para remoção das veias afetadas.

Prevenção

Embora os tratamentos atualmente disponíveis sejam eficientes, o doente deve estar consciente de que se trata de um problema crónico, pelo que existe sempre o risco de voltarem a aparecer varizes no futuro.

É, por isso, fundamental que o tratamento seja acompanhado por mudanças no estilo de vida. Algumas destas medidas são comuns a quem nunca teve problemas com varizes e deseja prevenir o seu aparecimento. Eis algumas sugestões:

  • Pratique exercício físico com regularidade. As caminhadas são uma boa opção, pois estimulam a circulação sanguínea (impacto da planta do pé no chão e contração dos gémeos).
  • Se sofrer de obesidade, procure diminuir o seu peso. Isso irá melhorar a circulação do sangue e aliviar a pressão nas veias.
  • Evite ficar em pé ou sentado durante longos períodos de tempo.
  • Procure sentar-se elevando os pés para que as suas pernas fiquem acima do nível do coração.
  • Evite exercícios físicos extenuantes ou vigorosos. Estes podem piorar as varizes.
  • Antes de iniciar qualquer programa de exercício, pergunte ao seu médico qual o nível de atividade física ideal para si.
  • Em pacientes com uma predisposição genética muito forte (grande historial familiar), o ideal é procurar outros métodos contracetivos que não as pílulas anticoncecionais.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados: