pessoa a ser vacinada contra a covid-19

Fui vacinado, mas apanhei Covid-19: e agora?

5 mins. leitura

Com mais de 60 por cento da população já com o processo de vacinação completo, Portugal não está ainda livre da Covid-19 e ainda não foi atingida a tão esperada imunidade de grupo.

Enquanto isso, há que manter todos os cuidados para se proteger da doença e, sim, pode contrair Covid-19 mesmo estando vacinado.


Mesmo estando vacinado, posso contrair e transmitir a Covid-19?

De acordo com o site SNS 24, onde estão compiladas as indicações oficiais sobre como prevenir e lidar com a Covid-19, “mesmo após ser vacinado, deve continuar a cumprir todas as medidas para a prevenção e controlo da transmissão do vírus, incluindo o uso de máscara.”

Ainda segundo esta fonte de informação, uma pessoa vacinada só deve considerar-se protegida após uma ou duas semanas do processo de vacinação completo.

No entanto, refere, “desconhece-se ainda se estar vacinado impede infeção assintomática. As vacinas protegem contra a doença, mas não necessariamente contra ser “portador” e transmitir o vírus, sem apresentar sintomas.”

pessoa a ser vacinada contra a covid-19

Entrevistado pela revista Visão, o epidemiologista Manuel Carmo Gomes fala em três cenários distintos:

“Se uma pessoa foi vacinada, mas ainda não passaram 14 dias desde a primeira dose, então a imunidade não está totalmente formada e, por isso, pode ocorrer infeção. Se uma pessoa foi totalmente imunizada, mas acaba por estar nos cinco por cento fora da eficácia das vacinas, também está sujeita a ser infetada. Se não se verificar nenhuma das hipóteses anteriores, existem diversos níveis de gravidade de infeção, com probabilidades diferentes de ocorrerem.”

O especialista lembra que “as vacinas foram criadas para evitar doença grave e morte” e que, no que se refere a estes dois desfechos, a eficácia da grande maioria das vacinas aprovadas é de “quase 100 por cento”.

Falando, então, da probabilidade de uma pessoa vacinada contrair a infeção, menos grave, mas, ainda assim, sintomática, este valor baixa para 90 por cento, continuando, portanto, a ser um cenário muito pouco provável.

No que toca às infeções assintomáticas, acredita-se que a vacina diminui significativamente a probabilidade de tal acontecer, embora tenham sido registados casos, nomeadamente no nosso país, de pessoas vacinadas que contraíram a doença.

Por esta razão, e por não existir ainda evidência científica suficiente nesta matéria, o SNS 24 lembra que “as vacinas conferem proteção contra a doença, mas não protegem necessariamente outras pessoas caso sejamos ‘portadores’ e transmissores do vírus, sem exibir sintomas.”

Assim, conclui-se: a utilização da máscara e o cumprimento de regras como o distanciamento social e a lavagem frequente das mãos são medidas para manter mesmo após concluído o processo de vacinação.


Portugal está na última fase da vacinação

Portugal está agora na terceira fase da administração das vacinas contra a Covid-19, sendo que, na primeira fase, foram vacinados os grupos de maior risco, bem como os profissionais que se encontram na linha da frente do combate à doença, utentes e profissionais de lares e instituições de redes de cuidados continuados, bem como idosos com mais de 80 anos e titulares de órgãos de soberania.

Na segunda fase, foram vacinadas as pessoas com 60 ou mais anos e pessoas entre os 50 e 64 anos com patologias associadas, como insuficiência cardíaca, doença coronária, insuficiência renal, ou doenças respiratórias.

A fase que agora decorre destina-se à população ainda não vacinada e, neste momento, estão a ser vacinados os jovens, a partir dos 16 anos, com a intenção de, até setembro, data de início das aulas, esta população estar já imunizada.


Algumas questões práticas sobre o processo de vacinação

A primeira questão que muitas pessoas colocam é sobre a obrigatoriedade da vacina. Não, a vacina contra a Covid-19 não é obrigatória, não estando ainda incluída no Plano Nacional de Vacinação.

No entanto, as autoridades de saúde, nacionais e mundiais, recomendam a vacinação como o meio para controlar a pandemia.

Relativamente ao número de doses a tomar, em Portugal, são utilizadas três vacinas que obrigam à toma de duas doses e uma vacina de dose única, sendo que as pessoas que foram infetadas apenas tomam uma dose.


Autoagendamento e convocatória

A convocatória para a vacinação é da responsabilidade das Administrações Regionais de Saúde, que fazem a listagem das pessoas, de acordo com os critérios definidos para cada fase e procedem ao agendamento.

As pessoas são então convocadas, através de um SMS, pelas unidades de saúde, ou, ainda, por telefonema ou carta. Em alternativa, a pessoa também pode fazer o autoagendamento, através do site SNS 24, onde deverá indicar, além dos dados pessoais – nome e número de utente – o local e a data mais convenientes. Feita a inscrição, receberá um SMS com mais indicações para completar o processo.

As pessoas que não são seguidas no Serviço Nacional de Saúde devem solicitar ao médico assistente que emita uma declaração médica, através da plataforma de Prescrição Eletrónica de Medicamentos (PEM) para que possa ser incluída no programa de vacinação.

No caso das vacinas que obrigam a uma segunda toma, não tem que se preocupar com o agendamento da segunda dose, já que, após ter recebido a primeira, será informado da data em que terá de comparecer no centro de vacinação para receber nova dose.


Imunidade

Enquanto, a nível mundial, se discute se a vacina contra a Covid-19 deverá vir a ser tomada anualmente, como acontece com a vacina da gripe, colocam-se outras questões como a do tempo que demora até a obtenção da imunidade.

Assim, o que está descrito é que as vacinas começam a conferir imunidade ao fim de cerca de sete dias. No entanto, considera-se que o mais seguro é aguardar entre 10 a 14 dias, altura em que se deverá atingir cerca de 90 por cento de imunidade.

De qualquer forma, e apesar de 90 por cento de imunidade parecer já um número bastante expressivo, há que tomar a segunda dose – nos casos em que está assim definido – já que é este reforço que permitirá assegurar uma proteção muito mais duradoura e com maior eficácia (com valores até 95 por cento).

De acordo com o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), é necessário que 67 por cento da população esteja protegida contra o vírus para que seja alcançada a imunidade de grupo, enquanto a Organização Mundial da Saúde fala num valor entre os 65 e os 70 por cento.

Portugal tem, atualmente, (no início do mês de agosto), cerca de 60 por cento da população nesta condição, estimando-se, portanto, que falte vacinar cerca de 10 por cento da população para atingir este patamar.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais