Ligamos
grátis
Artrose

Artrose: guia para se sentir melhor

6 mins. leitura

A artrose (ou osteoartrose) é uma doença degenerativa que provoca o desgaste e a destruição da cartilagem articular que reveste a superfície de contacto com os ossos. A cartilagem articular é um tipo especial de tecido que reveste a extremidade de dois ossos justapostos que possuem algum grau de movimentação entre eles. São exemplos de articulações os joelhos, os tornozelos, os dedos das mãos, os dos pés, o quadril, as vértebras da coluna, os ombros, os cotovelos, os punhos, a mandíbula etc. Em todas estas articulações está presente o tecido cartilaginoso.

Trata-se de um dos problemas reumatológicos mais comuns e incapacitantes. E é, também, a primeira causa de dor crónica, absentismo ao trabalho e invalidez.

Embora seja uma doença sem cura, a artrose é benigna. Além disso, existe tratamento de forma a permitir que o indivíduo tenha, na maioria dos casos, uma vida perfeitamente normal.

Toda a vez que tivermos alterado o estado de equilíbrio entre os constituintes articulares, estaremos sujeitos ao processo de degeneração articular e, consequentemente, o desenvolvimento da Osteoartrose. Ao provocar a destruição da cartilagem articular, a artrose pode, nas situações mais graves, causar o seu completo desaparecimento. Um cenário que acaba por fazer com que haja atrito entre as superfícies ósseas a cada movimento, provocando dor.

Sabe-se hoje que a artrose não é uma doença exclusivamente relacionada com a velhice, embora a idade/envelhecimento seja um dos principais fatores de risco.

A dor é o principal sintoma da artrose, mas rigidez e limitação da função também são queixas comuns.

Todas as articulações podem ser atingidas, mas as localizações mais frequentes são os joelhos, ancas, mãos, joanete e, ainda, a coluna lombar e cervical.


Compreender a artrose

Fatores de risco

A artrose desenvolve-se devido à associação de vários fatores que tornam a pessoa mais predisposta para a doença e que se vão acumulando ao longo da vida.

Os fatores de risco podem ser divididos de duas formas:

  • Fatores não modificáveis
    • Idade: a prevalência da condição aumenta substancialmente após os 40 anos de idade nas mulheres e 50 anos nos homens. Mais de 50% dos indivíduos acima de 65 anos apresentam osteoartrose e após os 85 anos, praticamente todos (85 a 100%) têm sinais da doença;
    • Predisposição genética (hereditariedade);
    • Sexo: é mais frequente na mulher, designadamente após a menopausa. A forma de acometimento isolada de mãos e joelhos é mais comum nas mulheres, enquanto a osteoartrose de quadril é mais observada em homens;
    • Doenças metabólicas ou endócrinas;
    • Doenças inflamatórias nas articulações (artropatias inflamatórias).
  • Fatores potencialmente modificáveis
    • Obesidade: Devido aos efeitos prejudiciais do excesso de peso. Sobretudo sobre os joelhos, embora também afete a anca e os dedos;
    • Alinhamento articular: O deficiente alinhamento de duas superfícies articulares – de causa congénita (malformações, displasias, subluxações) ou adquirida (sequelas de fraturas, acidentes, sobrecarga) – provoca zonas de atrito que acabam por resultar na degradação precoce da cartilagem e do osso.
    • Atividade Física: O sedentarismo (pouca atividade física) provoca o enfraquecimento muscular, o que contribui para o desenvolvimento de artrose. Por outro lado, o excesso de exercício físico (desporto de alta competição) também é um fator de risco, devido aos traumatismos e/ou à sobrecarga provocada pelo elevado uso articular.
    • Atividade Profissional: Algumas profissões favorecem o desenvolvimento de artrose devido ao trabalho repetitivo e a más posições do corpo continuadas e prolongadas.
    • Diminuição da força do quadricípite (músculo femoral, localizado na face anterior da coxa).
    • Defeitos propriocetivos (alterações na capacidade para perceber a posição e movimento dos membros).

Sintomas

O paciente típico com osteoartrose é um indivíduo de meia-idade ou idoso, com sobrepeso, que se queixa de dor e rigidez nas articulações acometidas, acompanhado de limitação de função. No entanto, os sintomas de artrose desenvolvem-se muito lentamente. Inicialmente, nos primeiros estádios de erosão da cartilagem, não existem sintomas.

Guia Prático Doenças Crónicas - Medicare

Além disso, uma vez que a artrose é uma condição degenerativa articular, e não predominantemente inflamatória, pode manter-se assintomática durante longos períodos de tempo. A partir do momento em que os sintomas têm início, a situação vai-se agravando gradualmente. Entretanto, os sinais inflamatórios são normalmente de pequena monta. De modo geral, há um discreto edema local, com pouco calor e, em alguns casos, derrame intra-articular. Nas formas erosivas da osteoartrose de mãos, pode haver sinais inflamatórios mais importantes nas interfalângicas.

O surgimento de inflamação muito intensa, com edema importante, calor e eritema, deve levar à suspeita de condições superpostas, como artrite séptica ou doença por deposição de cristais (gota, pseudogota ou depósito de fosfato básico de cálcio).

Seguem-se os sintomas mais comuns:

  • Dor
    • A dor localiza-se na articulação afetada;
    • Pode ser pior durante e após o movimento da articulação afetada;
    • Em casos mais leves, pode estar ausente até que a pessoa se mova e persiste por um curto período de tempo;
    • O descanso, geralmente, alivia a dor;
    • Em alguns casos, uma pressão firme na pele sobre a articulação causa dor. Essa sensibilidade na articulação não é, normalmente, acompanhada de inchaço, ao contrário do que acontece quando a dor nas articulações tem causas inflamatórias, como no caso da artrite reumatoide.
  • Rigidez
    • A rigidez da articulação é outro sintoma comum.
    • A rigidez matinal de curta duração é uma queixa comum, não ultrapassando mais do que alguns minutos. Este é outro dado que auxilia no diagnóstico diferencial com as doenças inflamatórias, nas quais a rigidez permanece, de modo geral, por mais de uma hora;
    • O movimento pode aliviar a rigidez, mas em excesso acaba por causar dor;
    • A rigidez tende a piorar com o tempo, à medida que a condição progride;
    • Mesmo quando diminui, a amplitude normal de movimento pode não ser a mesma. Essa perda de flexibilidade dificulta o nível de mobilidade da pessoa ao longo do tempo.
  • Ruído
    • Normalmente, as cartilagens articulares de ambas as extremidades do osso friccionam juntas até certo ponto. Como a cartilagem é muito lisa e bem lubrificada com líquido sinovial, geralmente não há ruído. No entanto, com a artrose esta suavidade e movimentos mais fáceis são dificultados, dando origem a um som áspero ao movimentar a articulação, especialmente à medida que a condição progride. Às vezes, pode também ser ouvida uma espécie de estalar ou clique, dependendo da articulação afetada.
  • Dureza (deformidades adquiridas)
    • Nas fases mais tardias da doença, as articulações maiores, como o joelho, tornam-se mais firmes ao toque. Isto deve-se à formação de saliências ósseas, chamadas esporas ósseas, que podem ser sentidas na pele como caroços anormais e duros.

Tratamento

O tratamento da artrose tem como principal objetivo o alívio da dor (se possível, o seu desaparecimento), melhorar a capacidade funcional através do aumento da mobilidade das articulações afetadas e evitar a atrofia dos músculos relacionados com elas. Visa, também, impedir o agravamento das lesões já existentes.

O envolvimento e empenho do doente são fundamentais para o sucesso do tratamento. Por esse motivo, fazem parte do plano terapêutico medidas básicas como a educação do indivíduo para as especificidades do seu problema, a importância do repouso relativo e o plano de exercícios.

A principal indicação da terapia medicamentosa no tratamento da artrose é o controle da dor. Outra finalidade seria modificar a evolução da doença, embora nenhum dos medicamentos disponíveis até o momento possa comprovadamente alterar a sua história natural.

Existem, também, alguns conselhos práticos para o dia-a-dia do doente, dependendo do tipo (localização) de artrose:

  • Dormir num colchão duro, preferencialmente de barriga para o ar;
  • Não permanecer muito tempo numa mesma posição, sobretudo nas de pé e sentado;
  • Manter o pescoço sempre em hiperextensão e nunca fletido (sobretudo nos casos de artrose da coluna cervical);
  • Evitar pegar em objetos pesados;
  • Evitar flexões da coluna vertebral (para pegar num objeto do chão, deve optar por dobrar os joelhos);
  • Usar vestuário simples e prático, sapatos com contrafortes resistentes e os saltos não devem ser muito altos;
  • Evitar andar em transportes muito trepidantes;
  • Evitar posturas incorretas durante longos períodos de trabalho ou estudo a uma secretária.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados: