mãe e filha a conversarem

Síndrome de Tourette: o que é e como lidar

5 mins. leitura

Indíce
  1. 1. Como surge?
  2. 2. Tipos de tiques
  3. 3. Quais as causas?
  4. 4. Doenças Associadas
  5. 5. Qual o tratamento?

Estima-se que um por cento da população mundial sofra de Síndrome de Tourette, que é três vezes mais frequente nos homens do que nas mulheres.

A Associação Portuguesa de Síndrome de Tourette (APST) explica tratar-se de "uma doença neuropsiquiátrica que é caraterizada pela manifestação de tiques motores e fónicos", destacando que esta síndrome "afeta, sobretudo, crianças e adolescentes (cerca de 1%), mas apresenta também uma prevalência assinalável na idade adulta".


Como ocorre a Síndrome de Tourette

Os tiques manifestam-se através de movimentos e vocalizações (emissão de sons) sem sentido, parecendo inoportunos e fora de contexto. Estes tiques são involuntários, recorrentes e rápidos, sendo a sua frequência e intensidade variáveis.

Eles podem variar entre movimentos simples, como piscar os olhos ou abrir e fechar as mãos, os chamados tiques motores simples, a movimentos bastante mais complexos e que envolvem vários tipos de músculos, que muitas vezes parecem ser voluntários, ou seja, que a pessoa os faz deliberadamente. Estes últimos são chamados de tiques motores complexos.

Já os tiques fónicos podem traduzir-se num simples clarear de voz, pigarrear ou fungar (tiques fónicos simples), até à vocalização de palavras ou, mesmo, pequenas frases, sendo, neste caso, chamados de tiques fónicos complexos.

Os tiques têm início antes dos 18 anos de idade (normalmente entre os quatro e os seis anos) e aumentam de gravidade e intensidade, atingindo um pico por volta dos 10 a 12 anos, vindo a diminuir durante a adolescência.

A maioria dos tiques vai desaparecendo espontaneamente com o passar do tempo, mas, em cerca de 1% dos doentes, os tiques permanecem durante a vida adulta.


menino expressivo com ar admirado

Tipos de tiques mais comuns

  • Fazer caretas;
  • Piscar repetidamente os olhos;
  • Abanar a cabeça de um lado para o outro;
  • Tossir, fungar, pigarrear ou cuspir;
  • Sacudir ou encolher os ombros;
  • Esticar os braços, estalar os dedos, bater palmas ou fazer outros movimentos repetitivos com os braços e as mãos;
  • Dar chutos, saltar, rodar, torcer-se ou outros movimentos com os pés e as pernas;
  • Repetir determinadas palavras;
  • Dizer palavrões ou fazer gestos obscenos;
  • Assobiar, gritar, gemer, emitir grunhidos ou outros sons estranhos e fora do contexto.

Quais as causas da Síndrome de Tourette?

Não são ainda conhecidas as causas desta síndrome, havendo estudos científicos que falam na existência de uma componente genética e de anomalias em determinados neurotransmissores cerebrais, nomeadamente, na dopamina. Os tiques tendem a piorar e a intensificar-se em situações de stress e cansaço.


Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico é essencialmente clínico, realizado por um neuropediatra ou psiquiatra. De acordo com a APST, "para um doente ser diagnosticado com síndrome de Tourette, é necessário que esse doente apresente uma combinação de tiques motores (mais de um) e fónicos (pelo menos um) por um período superior a um ano, sendo que esses sintomas terão de ter início antes dos 18 anos".

Portanto, não basta que a pessoa tenha um único tique ou que estes se manifestem esporadicamente. O diagnóstico é feito através de manifestações clínicas e da sua evolução. Além da avaliação clínica, poderão ser feitos outros exames, como um eletroencefalograma ou uma ressonância, para excluir outras doenças.

A Síndrome de Tourette pode ser confundida com outras doenças, como a perturbação obsessivo-compulsiva, ansiedade ou perturbação de hiperatividade e défice de atenção. Esta patologia está, muitas vezes, associada a problemas de aprendizagem.


homem com tiques no rosto

Doenças associadas

Sendo, como já referimos, muitas vezes, confundida com outras patologias, a Síndrome de Tourette está, por norma, associada a outras doenças, sendo normal que as crianças com tiques tenham também um ou mais dos seguintes problemas:

  • transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH);
  • transtorno obsessivo-compulsivo (TOC);
  • ansiedade e problemas de aprendizagem.

No caso de adolescentes e adultos, a síndrome de Tourette poderá estar associada a depressão, distúrbio bipolar e a transtorno por uso de drogas.

De resto, a APST diz ser "extremamente comum que um doente com síndrome de Tourette satisfaça também os critérios de diagnóstico de, pelo menos, mais uma doença".

E "a perturbação de hiperatividade e défice de atenção e a perturbação obsessivo-compulsiva, por exemplo, encontram-se presentes em aproximadamente metade, ou até mais de metade, dos doentes com Síndrome de Tourette", considerando-se que "um doente com Síndrome de Tourette tem de ser tratado de acordo com a severidade de todos os sintomas que apresenta e não apenas de acordo com a severidade dos seus tiques".

A APST conclui que "os tiques são apenas a ponta do icebergue".


Tratamento da Síndrome de Tourette

Atendendo às comorbidades e à especificidade de cada doente, o tratamento vai variar de pessoa para pessoa, podendo o especialista recorrer a ansiolíticos, neurolépticos, psicoterapia ou estimulação cerebral profunda. É importante ressaltar que esta condição não tem cura, mas pode ser controlada.

A par do tratamento médico, existem algumas estratégias que os pais e restantes familiares do doente podem utilizar para ajudar a criança a viver melhor.

Desde logo, envolvendo os professores e os educadores que lidam com a criança, explicando-lhes como funciona a doença e como devem agir para diminuir o impacto junto dos colegas e, assim, normalizar os comportamentos que poderiam levar à estranheza e, até à chacota e à rejeição da criança por parte dos colegas.

De resto, castigar a criança por ter estes tiques, mesmo que nas situações mais inapropriadas, não vai resolver nada, podendo, mesmo, piorar a situação. Quando os tiques se intensificam por causa do stress, a meditação ou a prática de ioga ou de um desporto/atividade que ajude o doente a relaxar podem ajudar.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Informação Adicional
sobre Proteção de Dados

Mediante o seu consentimento, os seus dados pessoais serão recolhidos, processados e armazenados informaticamente pela MED&CR - Sistemas de Gestão de Cartões de Saúde Unipessoal Lda. ("Medicare"), com sede na Rua Rodrigues Sampaio n.º 103, 1050-196 Lisboa, número de telefone 219 441 113, e-mail info@medicare.pt , enquanto entidade responsável pelo tratamento dos dados pessoais, nos termos e para os efeitos identificados na lei aplicável, incluindo o Regulamento UE 2016/679 (Regulamento Geral de Proteção de Dados/RGPD) para as finalidades de envio de comunicações de marketing e envio de informação comercial e promocional relativa a produtos e serviços da Medicare.

A informação fornecida será tratada de forma confidencial e utilizada para os fins acima descritos.

A Medicare guardará, tratará e comunicará, quando aplicável, os seus dados de identificação e contacto enquanto não retirar o seu consentimento, de forma a poder apresentar-lhe as promoções, serviços e condições que possam ser mais vantajosas.

Os seus dados poderão ser tratados diretamente pela Medicare ou por entidades por si subcontratadas para o efeito (e sujeitas a obrigações de privacidade e confidencialidade próprias), podendo os dados ser comunicados a autoridades legais e regulatórias, nos termos previstos e determinados por lei. Estas entidades estarão sedeadas dentro do território da UE.

Poderá a qualquer momento retirar o seu consentimento enviando um email para politica.privacidade@medicare.pt, o que não invalida, no entanto, o tratamento efetuado até essa data com base no consentimento previamente dado. Poderá a qualquer momento, através do e-mail disponibilizado, exercer os seus direitos legais de acesso, retificação, portabilidade, limitação do tratamento, esquecimento.

Poderá também exercer o seu direito de reclamação à Comissão Nacional de Proteção de Dados, se considerar que os seus direitos não estão a ser cumpridos.

Para mais informação sobre os termos de tratamento de dados pela Medicare, sugerimos que consulte a Politica de Privacidade, disponível em www.medicare.pt/politica-de-privacidade.

1 presente à escolha

Oferta exclusiva Online

1 presente de boas-vindas à escolha

Aderir Online
Cartão Platinium Mais Vida
Quer aderir? Ligamos grátis! Esclareça as suas dúvidas com a nossa
equipa, sem compromisso.
Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Formulário enviado Obrigado pelo seu contacto. Será contactado em breve pela nossa equipa de especialistas.