criança a ser vacinada

Meningite: tudo o que deve saber sobre este problema

4 mins. leitura

A meningite pode afetar qualquer pessoa, mas é mais comum em bebés, crianças, adolescentes e adultos jovens. Se não for tratada rapidamente, pode ser muito grave, podendo causar bacteremia, conduzindo a uma septicemia e resultar em sequelas permanentes no cérebro.

Algumas meningites víricas e bacterianas são contagiosas e podem ser transmitidas através da tosse, de um espirro ou por contato próximo com a pessoa infetada.


Meningite: causas, sintomas, diagnóstico e tratamento

Causas

A meningite é, habitualmente, classificada pelo que está na sua origem (bactérias, vírus ou outra doença, por exemplo), mas também pela velocidade com que se desenvolve (aguda, subaguda ou crónica).

Estas são as classificações comuns da meningite:

  • Meningite bacteriana aguda, que é a forma mais perigosa;
  • Meningite vírica;
  • Meningite não infeciosa (decorrente de distúrbios não infeciosos ou devido a medicamentos ou vacinas);
  • Meningite recorrente;
  • Meningite subaguda ou crónica.

As causas mais frequentes da meningite são a infeção por microorganismos, como bactérias, vírus ou fungos.

No caso da meningite não infeciosa, os principais agentes da doença são outras patologias, como a sarcoidose, síndrome de Behçet, o cancro cerebral, outras neoplasias que se disseminam para as meninges, nomeadamente a leucemia e o linfoma, ou a inflamação das meninges como reação a determinados medicamentos, como anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) e medicamentos que suprimem o sistema imunológico, os imunossupressores.

A meningite bacteriana aguda é a forma mais grave e piora rapidamente, obrigando ao internamento. A maioria das pessoas com meningite vírica ou não infeciosa recupera em poucas semanas.

Já a meningite subaguda e a meningite crónica geralmente evoluem lenta e gradualmente, mas, por vezes, é difícil determinar a sua causa, o que dificulta o tratamento.

meningite

Sintomas

Os sintomas de meningite desenvolvem-se repentinamente e podem incluir:

  • Falta de apetite;
  • Irritabilidade;
  • Febre de 38ºC ou superior;
  • Dores de cabeça;
  • Pele irritada;
  • Rigidez da nuca, que dificulta ou impossibilita baixar o queixo até ao peito;
  • Sensibilidade acrescida à luz;
  • Sonolência ou letargia;
  • Convulsões;

Os sintomas da meningite bacteriana desenvolvem-se rapidamente e são, normalmente, mais expressivos, podendo incluir:

  • Estado mental alterado;
  • Náuseas;
  • Vómitos;
  • Sensibilidade à luz;
  • Irritabilidade;
  • Dores de cabeça;
  • Febre;
  • Arrepios;
  • Torcicolo;
  • O aparecimento de áreas roxas na pele, semelhantes a hematomas;
  • Sonolência;
  • Letargia.

Os bebés podem não apresentar rigidez da nuca e os sintomas podem ser diferentes em pessoas muito idosas ou em pessoas que tomam medicamentos imunossupressores.

Se tiver estes sintomas, procure imediatamente assistência médica. A meningite bacteriana e vírica pode ser mortal.


Diagnóstico

O diagnóstico da meningite começa com o historial clínico do doente e um exame físico.

Conforme os sintomas indiciem a presença de meningite, o médico recomendará análises ao sangue. No entanto, o diagnóstico de meningite obriga a que se faça uma punção lombar para obter uma amostra de líquido cefalorraquidiano para análise. Este procedimento não só confirmará, ou não, o diagnóstico, como ajuda a determinar os melhores medicamentos a administrar.

Se não puder ser feita uma punção lombar imediatamente – por haver demasiada pressão intracraniana - e houver suspeita de meningite bacteriana, deverá iniciar-se o tratamento com antibióticos e, só depois, efetuar a punção lombar.


Tratamento

O tratamento da meningite depende da causa. Se for causada por uma infeção, são usados medicamentos antimicrobianos adequados (como antibióticos, medicamentos antivíricos ou medicamentos antifúngicos).

Se houver suspeita de que a meningite é causada por bactérias, serão administrados antibióticos ao doente, mesmo antes de serem conhecidos os resultados dos exames, já que a meningite bacteriana progride rapidamente e é potencialmente fatal. Também podem ser administrados corticosteróides para reduzir o edema cerebral.


Fatores de risco

Ter a imunidade comprometida: pessoas com problemas imunológicos são mais vulneráveis a infeções, nomeadamente as que causam a meningite. Determinadas doenças e tratamentos podem enfraquecer o sistema imunitário, nomeadamente:

  • VIH/SIDA;
  • Doenças autoimunes;
  • Quimioterapia;
  • Transplantes de órgãos ou de medula óssea.

A vida em comunidade é outro fator importante no que toca à exposição à doença. A meningite é facilmente transmitida quando as pessoas vivem em ambientes fechados e estar em espaços pequenos aumenta as hipóteses de exposição. Exemplos desses locais são os infantários e creches.

A idade é outro fator de risco, com os bebés a apresentarem uma maior propensão para a meningite bacteriana e as crianças com menos de cinco anos a terem um maior risco de contrair meningite vírica.

As mulheres grávidas têm um risco aumentado de listeriose, uma infeção que pode provocar meningite. Também os trabalhadores agrícolas e as pessoas que trabalham com animais apresentam um maior risco de listeriose e, como tal, de meningite.


Prevenção

  • Manter uma higiene adequada;
  • Não fumar;
  • Evitar o contato com pessoas infetadas;
  • Tomar a vacina contra a meningite. Existem vacinas contra vários tipos de meningite e, em Portugal, o Plano Nacional de Vacinação inclui várias vacinas contra a meningite.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.