rapaz com cólica renal

Pedra nos rins? Como tratar e prevenir a litíase

5 mins. leitura

Indíce
  1. 1. O que são?
  2. 2. Causas e Fatores
  3. 3. Sintomas
  4. 4. Diagnóstico e Tratamento
  5. 5. Como Evitar?

A formação de pedra nos rins, também conhecida como cálculo renal ou litíase renal, afeta entre 2% a 3% da população mundial.

Estas pequenas massas endurecidas podem provocar cólicas renais e necessitar de atenção médica imediata.

Saiba o que pode originar a litíase renal, como pode ser tratada e de que forma pode ser prevenida.


médico a mostrar uma pedra que se formou nos rins

O que são pedra nos rins?

Os rins têm como função filtrar o sangue e eliminar resíduos tóxicos e excesso de líquidos através da urina. Perante pouco líquido e muitos resíduos, formam-se cristais. Assim, o cálculo renal é uma formação de massas sólidas nos rins a partir de minerais e substâncias presentes na urina que se desenvolvem quando a concentração destas substâncias é alta o suficiente para cristalizar.

As pedras nos rins podem ser tão pequenas quanto um grão de areia e tão grandes quanto uma bola de golfe. A composição também pode variar, sendo que os principais tipos de pedras nos rins são as compostas por cálcio combinado com oxalato ou fosfato, estruvite, ácido úrico e cistina.

Após formado, o cálculo pode permanecer no rim ou descer pelo trato urinário. As pedras mais pequenas podem ser expelidas pela urina sem causar muita dor. No entanto, se a pedra ficar alojada no ureter - o tubo que drena a urina do rim até à bexiga - vai bloquear o fluxo de urina do rim, causando dor e, por vezes, sangramento.

O cálculo pode ter nomes diferentes consoante a sua localização: cálculo ureteral, quando fica alojado nos ureteres, ou cálculo vesical, quando está na bexiga.


Causas e fatores de risco

As pedras nos rins podem formar-se devido a uma variedade de fatores. Embora qualquer pessoa possa ter cálculos renais, há uma maior probabilidade de acontecer a homens entre os 30 e os 50 anos. Trazem também um risco acrescido o histórico familiar de litíase renal e já ter tido pedra nos rins antes dos 25 anos, bem como mal-formações congénitas ou adquiridas. Além destes, os outros fatores de risco podem ser:

  • Não beber água ou líquidos suficientes;
  • Obesidade;
  • Dieta rica em proteína, sal ou glicose e pobre em fibras;
  • Determinados distúrbios, nomeadamente hiperparatireoidismo, e acidose tubular renal;
  • Cirurgia bariátrica;
  • Doenças inflamatórias intestinais que aumentam a absorção de cálcio;
  • Estar acamado;
  • Medicamentos como aspirina, antiácidos, diuréticos, determinados antibióticos, certos medicamentos antirretrovirais para o tratamento do VIH/SIDA e alguns medicamentos antiepiléticos;
  • Histórico de infeções renais ou urinárias;
  • Hipertensão;
  • Diabetes;
  • Osteoporose;
  • Gota;
  • Fibrose quística;
  • Quistos renais.

Sintomas de pedra nos rins

É pouco provável que pedras nos rins muito pequenas causem sintomas, pois, devido ao seu tamanho, podem ser expelidas pela urina sem serem notadas. Neste sentido, pode dizer-se que quanto maior for a pedra, mais fortes serão os sintomas.

A localização das pedras também influencia a intensidade da dor. A dor lombar e/ou abdominal intensa pode ocorrer apenas quando o cálculo começa a descer pelo ureter. Esta dor é causada pela irritação ou obstrução, sendo chamada cólica renal. Nos homens, a dor pode irradiar para a virilha.

Contudo, podem surgir outros sintomas:

  • Urina acastanhada ou com sangue;
  • Náuseas e vómitos;
  • Dor intensa intermitente;
  • Febre e arrepios;
  • Urina turva ou com mau cheiro;
  • Urgência em urinar;
  • Urinar em pequenas quantidades;
  • Dor ao urinar.

Se as pedras nos rins causarem dor intensa, o paciente deve recorrer a um serviço de urgência para exames e tratamento.


Complicações

A maior complicação da pedra no rim é a possibilidade de obstrução do ureter e o consequente bloqueio do fluxo de urina, que poderá resultar em lesões e alterações graves da função renal. Há também um risco aumentado de infeção urinária, podendo dar origem a uma infeção renal devido à acumulação de bactérias.


médico realiza ecografia em paciente

Diagnóstico e tratamento da litíase renal

Quando não há sintomas específicos, a pedra no rim pode ser detetada ao realizar exames relacionados com outros problemas de saúde. Além do historial clínico, o diagnóstico de cálculos renais envolve exames de imagem para identificar a presença, localização e tamanho das pedras, como a ecografia, a tomografia axial computorizada (TAC), exames radiológicos, incluindo a pielografia intravenosa, na qual se injeta um contraste antes da radiografia. Análises de urina também podem ser realizadas para avaliar a composição química das pedras.

O diagnóstico preciso vai ajudar o urologista a definir o tratamento adequado.

Quando os cálculos são muito pequenos, ou seja, passíveis de saírem naturalmente pela urina, o tratamento pode ser feito em casa. Normalmente, é recomendada a ingestão de muitos líquidos, anti-inflamatórios para aliviar a dor e, por vezes, a utilização de medicamentos para as náuseas e alfa-bloqueadores para facilitar a passagem das pedras.

No caso de pedras renais maiores, que não podem ser eliminadas naturalmente, existem opções cirúrgicas, que incluem:

  • Litotrícia (ou litotripsia) extracorporal por ondas de choque: consiste na utilização de ondas sonoras de alta frequência para partir as pedras em fragmentos menores, permitindo a sua eliminação pela urina;
  • Ureteroscopia: passagem de um endoscópio através da uretra até ao ureter para remover suavemente a pedra ou parti-la em pedaços menores, com recurso a laser.
  • Nefrolitotomia percutânea: uso de um endoscópio através de uma pequena incisão nas costas para remover ou partir a pedra no rim;
  • Cirurgia clássica: quando não é possível recorrer aos métodos anteriores, a pedra no rim pode ser retirada através da chamada cirurgia clássica, que implica uma incisão nas costas para aceder diretamente ao rim e/ou ureter para extrair o cálculo renal.

A escolha do procedimento cirúrgico vai depender do tamanho e da localização das pedras.


senhor a beber um copo com água

Como prevenir a pedra nos rins

A prevenção desempenha um papel crucial na redução do risco de desenvolver pedras nos rins. Manter uma boa hidratação, adotar uma dieta equilibrada, limitar o consumo de sal e proteína animal são alguns dos cuidados a ter em conta. O acompanhamento regular com profissionais de saúde é também importante para monitorizar a saúde renal.

Para evitar ter pedras novamente, deve beber-se em média três litros de líquidos ao longo do dia, todos os dias, para diluir a urina. A cor da urina é um indicador da sua diluição: quanto mais escura for, mais concentrada estará.

Bebidas como chá, café e sumos de frutas também contam para a ingestão de líquidos, mas a água é a melhor escolha para prevenir as pedras nos rins.

Dependendo do tipo de pedras, o médico pode indicar outras medidas preventivas.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico.

Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Artigos relacionados:
Ver mais
Política de Privacidade