mulher a fazer agachamentos com elástico

A obesidade e as suas causas e fatores

4 mins. leitura

A obesidade é um problema que afeta mais de 650 milhões de pessoas em todo o mundo. Este número é mais do dobro do que se verificava há 20 anos.

A obesidade é uma doença crónica e representa um problema de saúde pública. Esta patologia carateriza-se pelo excesso de gordura corporal acumulada e pode afetar a saúde.

Com origem em diversos fatores, nomeadamente genéticos, ambientais e comportamentais, a obesidade requer um esforço continuado para ser controlada.

O sedentarismo, um mau regime alimentar, o estilo de vida, bem como as condições socioeconómicas podem contribuir para o desenvolvimento da obesidade, que resulta do consumo de calorias em quantidade superior às necessidades do corpo.

É, ainda, um importante fator de risco para o desenvolvimento de várias doenças, designadamente a diabetes, hipertensão arterial, doença cardíaca e, mesmo, alguns tipos de cancro. Pode, inclusive, resultar em morte precoce.

A perda de apenas cinco a 10 por cento do peso corporal pode reduzir os problemas relacionados com o excesso de peso, designadamente a hipertensão arterial ou a diabetes.


Obesidade: Pesos e medidas

Diagnóstico e tipos de obesidade

É através do Índice de Massa Corporal (IMC) que se define se uma pessoa tem, ou não, excesso de peso ou obesidade.

O IMC consiste no peso (em quilogramas) dividido pela altura (em metros quadrados).

Para calcular o IMC, a fórmula é:

IMC = peso / altura x altura

Ou seja, se pesa 60 quilos e mede 1,60 metros, a conta a fazer será 60/(1,60x1,60) = 60/2,56 = 23,4375 Kg/m².

Neste caso, o IMC é de 23,4 kg/m2, o que é considerado um peso adequado.

A classificação é a seguinte:

  • Baixo peso: IMC menor que 18,5 Kg/m²
  • Peso normal: IMC entre 18,5 e 24,9 Kg/m²
  • Excesso de peso: IMC entre 25 e 29,9 Kg/m²
  • Obesidade grau I: IMC entre 30 e 34,9 Kg/m²
  • Obesidade grau II: IMC entre 35 e 39,9 Kg/m²
  • Obesidade grau III ou mórbida: IMC maior que 40 Kg/m²

De referir que apenas a estratificação feita pelo IMC poderá não ser suficiente – ou correta – para determinar se uma pessoa é ou não obesa, uma vez que este indicador não diferencia a massa muscular da massa gorda.

É, portanto, necessário analisar outros parâmetros, como o nível de hidratação, a massa muscular e o nível de atividade física. No entanto, na maioria dos casos, o IMC é um indicador útil para determinar se a pessoa tem um peso saudável.

  • A medição do tamanho da cintura torna mais precisa esta avaliação, devendo ser utilizada no caso de pessoas com excesso de peso (IMC de 25 a 29,9 kg/m2) ou moderadamente obesas (com IMC de 30 a 34,9).
  • Nos homens, uma cintura com mais de 94 centímetros e, nas mulheres, um valor de 80 centímetros ou mais é um indicador de obesidade.
obesidade

Causas da obesidade

Por norma, a obesidade resulta do consumo de mais calorias, nomeadamente sob a forma de alimentos açucarados e gordurosos, do que aquelas que o corpo necessita para o nível de atividade a que é sujeito. O excesso é armazenado pelo corpo sob a forma de gordura.

O sedentarismo aliado ao consumo de quantidades excessivas de alimentos com alto teor calórico contribui, igualmente, para o desenvolvimento da obesidade.

Algumas das principais causas da obesidade:

  • A genética, que pode afetar a forma como o corpo processa os alimentos em energia e como a gordura é armazenada;
  • O envelhecimento;
  • Não dormir o suficiente;
  • Gravidez, uma vez que o aumento de peso durante a gravidez pode ser difícil de perder;
  • Menopausa;
  • Síndrome do ovário policístico;
  • Síndrome de Prader-Willi, uma patologia rara que causa fome excessiva;
  • Síndrome de Cushing;
  • Hipotiroidismo;
  • Osteoartrite e outras condições que afetem a mobilidade;
  • Medicamentos, alguns antidepressivos, medicamentos anticonvulsivos, medicamentos para diabetes, medicamentos antipsicóticos, esteroides e betabloqueadores.

Consequências

A obesidade pode causar vários outros problemas, incluindo dificuldades nas atividades diárias e problemas graves de saúde.

Alguns dos problemas mais comuns e que podem afetar o dia a dia de um obeso são:

  • Falta de ar;
  • Aumento da sudorese;
  • Ressonar;
  • Dificuldade em praticar desportos e qualquer tipo de atividade física;
  • Cansaço frequente;
  • Dores nas articulações e nas costas;
  • Baixa confiança e autoestima;
  • Tendência para o isolamento;
  • Problemas psicológicos, nomeadamente depressão e ansiedade.

Ser obeso aumenta, também, o risco de desenvolver muitos problemas de saúde potencialmente graves, nomeadamente:

  • Diabetes tipo 2;
  • Hipertensão arterial;
  • Colesterol alto e aterosclerose;
  • Doenças cardiovasculares;
  • Asma;
  • Síndrome metabólica;
  • Vários tipos de cancro, como o cancro do intestino, da mama e do útero;
  • Doença do refluxo gastroesofágico;
  • Cálculos biliares;
  • Diminuição da fertilidade;
  • Artrite, gota, lombalgia e outros distúrbios das articulações;
  • Apneia do sono;
  • Doença hepática;
  • Doença renal;
  • Complicações na gravidez, como diabetes gestacional ou pré-eclâmpsia.

Tratamento

  • Dieta;
  • Atividade física;
  • Mudanças no comportamento (controlo de stress, automonitorização de alimentos ingeridos, entre outros);
  • Medicamentos para perda de peso, lembrando que os medicamentos são mais eficazes quando combinados com a mudanças na alimentação e atividade física;
  • Cirurgia bariátrica.

A mudança do estilo de vida é essencial no tratamento da obesidade, o que implica alterações na dieta, mais atividade física.

O tratamento da obesidade envolve, na maioria dos casos, a avaliação e acompanhamento por uma equipa multidisciplinar, reunindo médicos, nutricionistas e, em vários casos, acompanhamento psicológico.

Alimente-se bem e faça exercício físico!

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais