mulher a tirar sangue em laboratório

Análises clínicas: como ler os resultados

5 mins. leitura

A realização de análises clínicas fornece informações importantes acerca da nossa saúde ou doença, que ajudam o médico a elaborar o diagnóstico e, quando necessário, a tomar a melhor opção de tratamento.

São, igualmente, fundamentais ao nível do prognóstico, da vigilância, da monitorização e da prevenção.

Há um conjunto de valores de referência que nos ajudam a ter uma ideia sobre os resultados das análises. No entanto, existem inúmeros fatores que podem interferir com a interpretação dos valores finais, pelo que apenas o médico está capacitado para tirar conclusões.

Eis alguns exemplos que são tidos em conta na interpretação final dos resultados:

  • Idade
  • Sexo
  • Situação clínica
  • Medicação
  • História clínica e familiar
  • Gravidez
  • Hábitos tabágicos
  • Perfil "normal" da pessoa

As análises podem, ainda, ser divididas em seis grupos principais:

  • Hemograma
  • Bioquímica
  • Coagulograma
  • Imunologia
  • Análise da urina
  • Análise das fezes

Análises clínicas mais frequentes

Hemograma

O hemograma avalia todos os componentes celulares presentes no sangue. Ou seja:


Eritrócitos

Avalia o número de glóbulos vermelhos, que são as células sanguíneas que carregam a hemoglobina, uma proteína que garante o transporte de oxigénio. Quando a quantidade é demasiadamente baixa, podemos estar perante uma anemia, provocando fadiga e fraqueza.

Se os valores forem muito elevados, o sangue pode tornar-se excessivamente espesso, podendo causar alguns sintomas, como dor de cabeça, tonturas, ou até mesmo aumentar o risco cardiovascular.

Valores de referência:
4,2 a 5,9 x 1012 células/L (geralmente varia entre o sexo feminino e masculino)


Hemoglobina

Proteína que confere a cor vermelha ao sangue e está localizada no interior dos eritrócitos. É responsável pelo transporte do oxigénio. Permite, por exemplo, avaliar a presença de anemia.

Valores de referência para mulheres: 12 a 16 g/dL
Valores de referência para homens: 15 a 17 g/dL


Leucócitos (glóbulos brancos)

Conjunto de células de defesa do nosso organismo. São responsáveis pelo combate às infeções e integram o sistema imunitário. Existem cinco tipos principais:

  • Neutrófilos (anulam as bactérias e os fungos);
  • Linfócitos (ajudam na defesa contra infeções virais, na deteção e destruição de algumas células cancerosas e produzem anticorpos);
  • Monócitos (ingerem células mortas e defendem o corpo contra organismos infeciosos);
  • Eosinófilos (matam parasitas, destroem células cancerosas e estão envolvidos nas reações alérgicas);
  • Basófilos (também participam nas reações alérgicas).

Valores de referência: 3,9 a 10,7 células/L


Plaquetas (trombócitos)

As plaquetas são partículas semelhantes a células, mais pequenas do que os glóbulos vermelhos ou brancos. Intervêm no processo de coagulação, combatendo as hemorragias.

Quando a quantidade é demasiado baixa, há maior risco de hematomas e hemorragias anormais. Se estiver demasiadamente elevada (Trombocitopenia), o sangue pode coagular, constituindo também um fator de risco para complicações vasculares, e ocorrer um ataque isquémico transitório (trombocitose).

Valores de referência: 150 a 350 x 109 células/L


Bioquímica

Os principais exames bioquímicos são os seguintes:

Ácido Úrico

O aumento da concentração de ácido úrico no sangue designa-se por hiperuricemia. Pode dever-se, por exemplo, a doenças metabólicas ou renais, excesso de ingestão de proteínas ou ao consumo excessivo de álcool. Nos casos de gota ou de cálculos renais ("pedra" nos rins).

Valores de referência: 2,5 a 8 mg/dL


Albumina

É uma proteína produzida pelo fígado e também a mais abundante no sangue. O seu défice pode indicar uma alimentação desajustada, ou a presença de uma doença hepática.

Valores de referência: 3,5 a 5,5 g/dL


Colesterol

Esta "famosa" molécula chamada colesterol pode ser boa (HDL) ou má (LDL). Nas análises é, ainda, avaliado o colesterol total. Valores excessivos de LDL constituem um fator de risco para problemas cardiovasculares.

Esta é uma molécula esteroide encontrada em todas as células do organismo, sendo essencial para a formação das membranas celulares, síntese de hormonas, digestão das gorduras, produção de bílis, metabolização de vitaminas A, D, E e K, entre outras funções.

O colesterol doseado mais frequentemente nas análises clínicas é o LDL (Low Density Lipoprotein), o HDL (High Density Lipoprotein) e o colesterol total. Ao HDL é atribuído um papel protetor - popularmente chamado de colesterol "bom".

Contrariamente, níveis elevados de LDL (Colesterol mau) podem contribuir para a formação e desenvolvimento de placas ateromatosas nas paredes das artérias - aterosclerose -, podendo chegar à obstrução total e consequente isquemia dos respetivos órgãos afetados.

Valores de referência:
Colesterol Total – 150 a 199 mg/dL
HDL para os homens – mais de 35 mg/dL
HDL para as mulheres – mais de 45 mg/dL
LDL – menos de 130 mg/dL


Creatinina

É permanentemente produzida pelos músculos e eliminada através dos rins. A sua avaliação produz, por isso, informação importante sobre o funcionamento renal.

Valores de referência: 0,7 a 1,3 md/dL


Eletrólitos

São minerais que circulam no organismo. Por exemplo, o sal (sódio), potássio, cálcio e magnésio são eletrólitos.

Colaboram em muitas funções do organismo, designadamente no controlo da função dos nervos e músculos, do equilíbrio da quantidade de água no corpo e do equilíbrio dos níveis de ácidos.

Os rins são os responsáveis pela manutenção do equilíbrio adequado de eletrólitos no sangue.

A avaliação dos eletrólitos é muito importante para a monitorização de doenças como a hipertensão arterial, insuficiência cardíaca e doença hepática ou renal.

Valores de referência:
Magnésio – 1,1 a 2 mEq/L
Sódio – 135 a 145 mmol/L
Potássio – 3,6 a 5,1 mmol/L
Cloretos – 99 a 109 mmol/L


Glicose

A glicose é um hidrato de carbono fundamental para a produção de energia. No entanto, quando se encontra em excesso no nosso organismo, pode ser sugestiva de diagnóstico de diabetes.

Valores de referência: 70 a 105 mg/dL


Urina

A análise da urina pode ser realizada com o objetivo de detetar ou medir diversas substâncias presentes, designadamente, proteínas, glicose (açúcar), cetonas (substâncias químicas produzidas pelo corpo devido a falta de insulina), bilirrubina, urobilinogénio (pode estar associado a algumas anemias, a patologia hepática ou nos quadros de febre e de desidratação), leucócitos (pode indicar infeção ou inflamação em algum ponto do trato urinário) e sangue.

Este estudo permite detetar problemas como proteinúria (quantidade anormal de proteína), diabetes mellitus, problemas hepáticos e infeção ou inflamação do trato urinário. A densidade urinária traduz a capacidade do rim para concentrar ou diluir e o nível de hidratação.

Valores de referência: pH entre 5 e 9


Fezes

A análise das fezes permite detetar a presença de parasitas ou de sangue, contribuindo para auxiliar no despiste, por exemplo, de distúrbios digestivos e situações de cancro.

Valores de referência:
0 a 10 (negativo)
10 a 19 (positivo fraco)
20 a 100 (positivo)
100 ou superior (positivo forte


Coagulograma

É constituído por alguns exames que avaliam a presença de todos os fatores envolvidos na coagulação sanguínea.

Os principais exames são:

  • Tempo de sangramento (TS);
  • Tempo de Protrombina (TP);
  • Tempo de Tromboplastina Parcial Ativado (TTPA);
  • Tempo de Trombina (TT);
  • Número de Plaquetas.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais