médica a prescrever medicamento

10 factos sobre antibióticos que deve saber

4 mins. leitura

Os antibióticos são substâncias de origem química, natural ou sintética, utilizados para travar a ação de bactérias e infeções. Mas sempre que são usados, para além de combaterem as infeções, podem contribuir para o desenvolvimento da resistência das bactérias aos antibióticos quando são usados ou prescritos erradamente.

Como o impacto dos antibióticos no organismo vai além de combater infeções, a sua toma só deve ser recomendada por um médico e nunca por automedicação.


Conheça 10 factos sobre os antibióticos

A penicilina foi o primeiro antibiótico e foi descoberto por Alexander Fleming, um médico inglês, quando estudava a bactéria Staphylococcus aureus, em 1928.

Atualmente, existem vários antibióticos e cada um deles é apenas eficaz contra determinadas bactérias. É por isso importante que a sua toma seja feita sob a vigilância e recomendação médica.


1. Os antibióticos podem salvar vidas

É verdade, quando usados adequadamente, os antibióticos funcionam bem e rapidamente e os seus benefícios superam os potenciais efeitos colaterais ou o risco de resistência microbiana.

No entanto, o seu uso adequado implica que apenas um médico pode fazer o diagnóstico correto, decidir se é necessário receitar antibiótico e qual o antibiótico apropriado. Quando um antibiótico é prescrito, devem cumprir-se as instruções do médico, em termos de dose, horário das tomas e duração do tratamento.


2. O uso inadequado dos antibióticos tem riscos significativos

Tomar um antibiótico sem necessidade ou não cumprir as instruções médicas - respeitar os horários e tomá-lo até ao fim - aumenta a resistência das bactérias que este deveria combater e, portanto, a eficácia do antibiótico é reduzida.


3. As infeções por bactérias resistentes colocam-nos a todos em risco

As infeções por bactérias resistentes são mais difíceis de tratar e transmitem-se a outras pessoas. Ou seja, as bactérias resistentes sobrevivem na presença de antibióticos e continuam a multiplicar-se, causando uma doença mais grave e mais difícil de tratar. Estas bactérias podem transmitir-se de pessoa para pessoa, quer seja diretamente, quer através do meio ambiente.


mulher a colocar comprimidos na mão

4. Infeções causadas por vírus não se devem tratar com antibióticos

As infeções mais frequentes, como as constipações e as gripes, são causadas por vírus e não por bactérias e, por isso, o uso de antibióticos não está indicado, pois estes só tratam infeções causadas por bactérias. Assim, não se deve tomar antibióticos em caso de constipação, gripe, dor de garganta, pingo no nariz ou tosse seca.


5. Os antibióticos e a pílula contracetiva

Existem vários antibióticos e a grande maioria não anula o efeito da pílula, porém deve perguntar sempre ao seu médico assistente qual a interferência do antibiótico em relação à pílula que está a tomar, de forma a garantir a sua eficácia.


6. Os antibióticos e o álcool

Ainda que o álcool não reduza ou anule o efeito da maioria dos antibióticos, pode potenciar os efeitos secundários ou reações adversas destes fármacos, bem como afetar negativamente o sistema imunitário do doente.


7. Mas há antibióticos que não podem ser misturados com álcool

Ainda que alguns antibióticos permitam o consumo moderado de álcool, há outros em que este deve ser mesmo evitado, nomeadamente o Metronidazol, Tinidazol e alguns antibióticos da classe das cefalosporinas.

A junção destes antibióticos com o consumo de álcool pode desencadear o chamado "efeito dissulfiram" - substância usada no tratamento do alcoolismo - cuja manifestação física é bastante desconfortável e que poderá, se a pessoa insistir em beber álcool, levar ao coma ou à morte.


8. Os antibióticos organizam-se em classes

Existem muitos antibióticos e, por isso, estes são agrupados de acordo com a sua estrutura química e de acordo com a sua eficácia contra bactérias diferentes. Os antibióticos podem ser: Beta-lactámicos, Glicopéptideos, Fosfomicina, Aminoglicosídeos, Tetraciclinas, Macrólidos, Cloranfenicol, Oxazolidinonas, Quinolonas, Sulfonamidas ou Nitrofuranos.


vários medicamentos e seringa numa mesa

9. Os antibióticos têm várias formas

Tal como outros medicamentos, os antibióticos também podem ter várias formas. Apesar de ser mais usual o comprimido, estes também estão disponíveis em gotas, xaropes, injeções e até cremes.


10. A toma de antibióticos também tem efeitos secundários

A maioria dos efeitos secundários associados ao uso de antibióticos não representa risco de vida, mas, em alguns casos, pode causar reações alérgicas.

Os efeitos secundários mais comuns incluem:

  • problemas digestivos - náuseas, vómitos, entre outros;
  • infeções fúngicas porque, por vezes, os antibióticos destroem outras bactérias protetoras;
  • fotossensibilidade;
  • manchas nos dentes.

Apesar de raro, os antibióticos podem causar a anafilaxia, uma reação alérgica muito grave. Um dos sintomas desta reação é a dificuldade em respirar e pode ser fatal sem assistência médica imediata.


Nunca tome antibiótico sem receita médica. Mantenha-se saudável!

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Informação Adicional
sobre Proteção de Dados

Mediante o seu consentimento, os seus dados pessoais serão recolhidos, processados e armazenados informaticamente pela MED&CR - Sistemas de Gestão de Cartões de Saúde Unipessoal Lda. ("Medicare"), com sede na Rua Rodrigues Sampaio n.º 103, 1050-196 Lisboa, número de telefone 219 441 113, e-mail info@medicare.pt , enquanto entidade responsável pelo tratamento dos dados pessoais, nos termos e para os efeitos identificados na lei aplicável, incluindo o Regulamento UE 2016/679 (Regulamento Geral de Proteção de Dados/RGPD) para as finalidades de envio de comunicações de marketing e envio de informação comercial e promocional relativa a produtos e serviços da Medicare.

A informação fornecida será tratada de forma confidencial e utilizada para os fins acima descritos.

A Medicare guardará, tratará e comunicará, quando aplicável, os seus dados de identificação e contacto enquanto não retirar o seu consentimento, de forma a poder apresentar-lhe as promoções, serviços e condições que possam ser mais vantajosas.

Os seus dados poderão ser tratados diretamente pela Medicare ou por entidades por si subcontratadas para o efeito (e sujeitas a obrigações de privacidade e confidencialidade próprias), podendo os dados ser comunicados a autoridades legais e regulatórias, nos termos previstos e determinados por lei. Estas entidades estarão sedeadas dentro do território da UE.

Poderá a qualquer momento retirar o seu consentimento enviando um email para politica.privacidade@medicare.pt, o que não invalida, no entanto, o tratamento efetuado até essa data com base no consentimento previamente dado. Poderá a qualquer momento, através do e-mail disponibilizado, exercer os seus direitos legais de acesso, retificação, portabilidade, limitação do tratamento, esquecimento.

Poderá também exercer o seu direito de reclamação à Comissão Nacional de Proteção de Dados, se considerar que os seus direitos não estão a ser cumpridos.

Para mais informação sobre os termos de tratamento de dados pela Medicare, sugerimos que consulte a Politica de Privacidade, disponível em www.medicare.pt/politica-de-privacidade.