cápsulas de vitamina d em colher

Suplemento de vitamina D: deve ou não tomar?

5 mins. leitura

A vitamina D é um micronutriente que ajuda a regular a quantidade de cálcio e fósforo no organismo, sendo fundamental para o seu bom funcionamento.

Tradicionalmente é destacado o papel essencial da vitamina D na saúde dos ossos, dentes e músculos.

Nos últimos anos, diversas investigações têm revelado, no entanto, que a sua importância vai ainda mais além, designadamente, na proteção contra uma série de problemas de saúde. Eventualmente até na prevenção e tratamento do coronavírus.

Conhecida como a “vitamina do Sol”, a vitamina D é absorvida pelo organismo através da exposição solar, da alimentação (em muito menor grau) ou de suplementos alimentares.

Visto que a principal fonte de vitamina D é a exposição da pele ao Sol de forma regular, e não apenas nas férias, a sua absorção está muito dependente do estilo de vida de cada pessoa.


Implicações da vitamina D

Causas, sintomas e consequências

A elevada prevalência de baixos níveis de vitamina D é, atualmente, encarada como um problema de saúde pública que afeta vários países europeus, entre os quais Portugal.

A principal preocupação tem a ver com os grupos de risco para o desenvolvimento de doenças como a osteoporose e as suas consequências.

A carência de vitamina D está, normalmente, associada à exposição solar insuficiente, acompanhada por uma dieta pobre neste micronutriente, embora determinados distúrbios possam também estar na origem dos níveis reduzidos.

As pessoas mais velhas tendem a desenvolver deficiência de vitamina D por diferentes motivos:

  • As suas necessidades são mais altas do que as dos jovens;
  • Passam menos tempo ao ar livre, pelo que têm uma exposição solar reduzida;
  • A sua pele não produz tanta vitamina D;
  • Podem ter doenças ou tomar medicamentos que interferem no processamento de vitamina D.

A deficiência de vitamina D é, em geral, assintomática. A sua progressão é, por isso, “silenciosa” e contribui para o aumento do risco de patologias como a diabetes, doenças cardiovasculares ou infeciosas e cancro, para além da osteoporose.

No entanto, níveis muito baixos de vitamina D podem ter alguns sintomas. Eis alguns dos mais comuns:

  • Sensação de cansaço, fraqueza e/ou mal-estar;
  • Dor nos ossos e músculos;
  • Espasmos musculares;
  • Fraqueza dos ossos.

Quando o défice é mesmo muito elevado, há problemas sérios que podem surgir, nomeadamente:

  • Desenvolvimento de raquitismo nos bebés;
  • Em crianças entre um e quatro anos de idade, desvios da coluna vertebral (escoliose) e pernas arqueadas ou joelhos juntos;
  • Em raparigas adolescentes, achatamento dos ossos pélvicos que provoca um estreitamento da vagina;
  • Nos adultos, fragilidade óssea, sobretudo na coluna vertebral, pelve e pernas, com dor ao toque e possível ocorrência de fraturas;
  • Em pessoas idosas, podem ocorrer fraturas ósseas, especialmente na zona da anca, a partir de um traumatismo ligeiro ou de uma queda simples.

A manutenção dos níveis adequados de vitamina D no organismo contribui, por seu turno, para evitar o aparecimento de um conjunto de doenças:

  • Fraqueza muscular;
  • Cancro;
  • Problemas cardiovasculares;
  • Fragilidade óssea;
  • Osteoporose;
  • Constipações, gripes e asma;
  • Artrite reumatóide;
  • Obesidade;
  • Depressão.

Fontes de vitamina D

A vitamina D é produzida na pele quando esta é exposta à luz solar (radiação ultravioleta). Trata-se de uma vitamina lipossolúvel, ou seja, que é absorvida juntamente com os lípidos (gorduras), um dos nutrientes mais importantes que o organismo retira dos alimentos e que são fundamentais para o armazenamento de energia.

A exposição adequada ao sol (20 minutos por dia no início da manhã e no final da tarde), sobretudo nos meses mais quentes, é por isso a melhor forma de manter os níveis necessários de vitamina D.

Isto não significa, porém, que se deva deixar de usar protetor solar, pois a sua utilização não impede a produção de vitamina D.

Ela é, também, encontrada num pequeno número de alimentos, que inclui:

  • peixes gordos (salmão, atum em lata, sardinha, arenque e cavala, entre outros);
  • carne vermelha;
  • fígado;
  • gemas de ovo;
  • queijos;
  • cogumelos;
  • alimentos fortificados (tais como algumas gorduras para barrar e cereais de pequeno-almoço).

Uma outra fonte de vitamina D são os suplementos alimentares sob diversas formas, designadamente gomas, cápsulas, comprimidos e óleos.


Suplemento de vitamina D: devemos tomar ou não?

A exposição ao sol e uma alimentação adequada não são, por vezes, suficientes para assegurar níveis adequados de vitamina D. Nessas alturas, os suplementos alimentares podem ser a melhor solução.

Convém, no entanto, ter presente que nos países solarengos, como Portugal, a toma de suplementos de vitamina D é, na maioria dos casos, desnecessária. Além disso, ela deve ser sempre feita sob indicação médica, pois o seu excesso também não é positivo.

Só um médico pode orientar sobre a necessidade de uma pessoa ingerir ou não vitamina D, mediante a realização de análises sanguíneas. Se os níveis estiverem baixos, irá ser procurada a causa e será definida a melhor forma de repor a vitamina.

Qualquer pessoa que sinta os sintomas atrás descritos deve, por isso, primeiramente, procurar um médico.


Vitamina D e Covid-19

O papel da vitamina D na prevenção e tratamento de infeções respiratórias agudas tem sido estudado desde a década de 1930.

Recentemente, o facto de haver fatores de risco comuns para a deficiência de vitamina D e a gravidade da COVID-19 – por exemplo, a obesidade e a idade avançada – levou diversos investigadores a colocarem a hipótese de que a suplementação de vitamina D pode ser prometedora na prevenção ou no tratamento da infeção pelo coronavírus.

Vários estudos têm demonstrado que pessoas infetadas com a COVID-19 que apresentem défice de vitamina D estão mais sujeitas a complicações sérias e a um maior risco de morte.

Um estudo refere, inclusive, que pacientes internados com Covid-19 medicados com suplementos orais de vitamina D como parte do seu tratamento tiveram uma probabilidade significativamente menor de serem transferidos para os cuidados intensivos, quando comparados com doentes com Covid-19 que não receberam suplementação vitamínica.

Desta forma, embora os investigadores ainda não tenham chegado a conclusões definitivas, tudo aponta para que níveis adequados de vitamina D no organismo possam, de facto, constituir uma proteção contra as consequências mais graves da Covid-19.

Esta evidência não justifica, porém, uma corrida à suplementação com vitamina D, pois a mesma deve ser sempre recomendada sob indicação médica.


Riscos de vitamina D em excesso

O consumo de vitamina D em excesso, durante um longo período de tempo, pode representar um risco para a saúde, pois pode tornar-se tóxica.

Uma vez que a vitamina D aumenta a absorção de cálcio no trato gastrointestinal a sua toxicidade resulta em hipercalcemia, o que pode levar a situações como:

  • náuseas;
  • vómitos;
  • fraqueza muscular;
  • perturbações neuropsiquiátricas;
  • dor;
  • perda de apetite;
  • desidratação;
  • poliúria;
  • sede excessiva;
  • pedra nos rins.

Em casos extremos, a toxicidade da vitamina D pode causar insuficiência renal, calcificação dos tecidos moles em todo o corpo (incluindo nos vasos coronários e válvulas cardíacas), arritmias cardíacas e até morte.

A toxicidade da vitamina D pode ser provocada pelo consumo de suplementos alimentares que contêm quantidades excessivas desta vitamina devido a erros de fabrico, que foram tomados de forma inadequada ou em quantidades excessivas, ou que foram incorretamente prescritos.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais

Pedido enviado Falaremos consigo
assim que possível

Quer aderir? Ligamos grátis
Precisamos do seu consentimento para o contactar.