adolescente de hoodie triste

A Automutilação em Adolescentes: Como prevenir?

4 mins. leitura

Indíce
  1. 1. Quais os sinais de alerta?
  2. 2. Que ajuda existe?
  3. 3. Como podemos prevenir?
  4. 4. Como lidar com este comportamento?

A automutilação, também conhecida como automutilação não suicida ou autolesão, é um comportamento preocupante que afeta um número significativo de adolescentes.

É importante conhecer os sinais de alerta que podem indicar a presença deste comportamento e discutir quais as opções de ajuda disponíveis para os adolescentes que estão a passar por esta situação a fim de evitar este mesmo comportamento.

É importante destacar que a automutilação não é uma forma saudável de lidar com emoções e problemas, pelo que é essencial oferecer apoio e assistência adequada a estes jovens.
adolescente sentada triste

Quais os sinais a que devemos estar alerta?

Existem vários sinais de alerta que podem indicar a presença de automutilação em adolescentes.

É crucial estar atento a estes sinais e procurar ajuda profissional quando necessário.

Os principais sinais de alerta e que podem corresponder a um quadro de automutilação são:

  • Cortes, arranhões ou queimaduras inexplicáveis no corpo do adolescente;
  • Uso de roupas que cubram excessivamente certas áreas;
  • Isolamento social;
  • Mudanças de humor significativas;
  • Recusa em participar de atividades que antes eram apreciadas.

É importante lembrar que estes sinais podem variar de um adolescente para outro, sendo necessário considerar o contexto individual para uma avaliação adequada.

A automutilação é um problema de Saúde Psicológica, muitas vezes relacionado com depressão ou a ansiedade, que merece a devida atenção para uma abordagem multidisciplinar.

A atenção dos pais e cuidadores deve ser constante, especialmente se já houve tentativas anteriores.


mãe a falar com um adolescente triste

Que ajuda têm os adolescentes com um quadro deste tipo?

Para lidar com a automutilação em adolescentes, é essencial procurar ajuda profissional preferencialmente especialista na área.

Existem várias opções disponíveis sendo que se destacam:

  • Psicoterapia individual;
  • Terapia familiar ou de grupo;
  • Intervenções multidisciplinares.

A psicoterapia, em particular, tem-se mostrado eficaz no tratamento deste comportamento, ajudando os adolescentes a compreender e a lidar com as emoções subjacentes que levam à automutilação.

Além disso, é importante envolver a família e criar um ambiente de apoio que incentive a comunicação aberta e a procura de soluções saudáveis entre todos.


Como prevenir este comportamento?

Além de oferecer ajuda quando a automutilação já está presente, é igualmente importante enfatizar a prevenção.

Os pais, educadores e profissionais de saúde devem estar atentos aos fatores de risco que podem contribuir para o surgimento desse comportamento.

Entre os fatores mais conhecidos e passíveis de originar um episódio de automutilação, destacam-se:

  • Histórico de abuso;
  • Bullying;
  • Transtornos de saúde mental;
  • Dificuldades no relacionamento familiar;
  • Baixa autoestima;
  • Consumo de substâncias psicotrópicas.

Ao identificar precocemente um destes fatores, é possível implementar estratégias eficazes de prevenção tais como programas de educação, suporte emocional e promoção de habilidades de enfrentamento saudáveis.


grupo de apoio a adolescentes em situação de risco

Como devemos lidar com este comportamento?

Ao lidar com o comportamento de automutilação em adolescentes, é crucial adotar uma abordagem compassiva e empática.

É importante entender que a automutilação é frequentemente um sinal de profunda angústia emocional.

Ao abordar este comportamento, é essencial oferecer um ambiente seguro e acolhedor para que o adolescente se sinta confortável em expressar os seus sentimentos.

A escuta ativa e a validação das suas emoções são fundamentais. Além disso, é fundamental encorajar o adolescente a procurar ajuda profissional, como psicoterapia e aconselhamento especializado, de forma a abordar as causas subjacentes da automutilação.

O apoio da família, amigos e profissionais de saúde mental é essencial para auxiliar o adolescente no seu processo de recuperação e fornecer recursos adequados para ajudá-lo a lidar de forma saudável com as suas emoções, assim como a desenvolver maneiras mais adequadas de lidar com o stress e a angústia, que não seja de forma autodestrutiva.

Revisão de Médica Convidada:

Dr.ª Ana Torre

Bibliografia:

  • Favazza, A. R. (1998). The coming of age of self-mutilation. Journal of Nervous and Mental Disease, 186(5), 259-268.
  • Nock, M. K. (2010). Self-injury. Annual Review of Clinical Psychology, 6, 339-363.
  • Klonsky, E. D. (2011). Non-suicidal self-injury in United States adults: Prevalence, sociodemographics, topography, and functions. Psychological Medicine, 41(9), 1981-1986.
  • Plener, P. L., Schumacher, T. S., Munz, L. M., & Groschwitz, R. C. (2015). The longitudinal course of non-suicidal self-injury and deliberate self-harm: A systematic review of the literature. Borderline Personality Disorder and Emotion Dysregulation, 2(1), 2.

Tags:

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico.

Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Artigos relacionados:
Ver mais
Política de Privacidade