Ligamos
grátis
utensílios odontológicos

Destartarização: o que é e quando deve fazer

3 mins. leitura

O aparecimento de tártaro nos dentes – vulgarmente conhecido como "pedra" – é uma situação muito comum na maioria das pessoas, embora a sua extensão varie bastante entre indivíduos e populações.

O tártaro aparece como resultado da ação dos minerais da saliva em contacto com a placa bacteriana, uma película pegajosa e incolor que se forma na superfície dos dentes devido à acumulação de restos de açúcares e resíduos de alimentos.

A placa bacteriana é facilmente removida através da escovagem. No entanto, se esta não for frequente, ao fim de apenas algumas horas a placa acaba por mineralizar-se. Isto faz com que endureça e adira aos dentes, formando o tártaro, uma substância de cor castanha-amarelada.

Embora o tártaro ocorra na maioria das pessoas, a sua formação é influenciada não apenas pela qualidade da higiene oral, mas também pela idade, saúde sistémica, dieta e etnia, havendo indivíduos com maior tendência para sofrer deste problema.


A importância da destartarização

Consequências do tártaro

Se o tártaro não for removido acumula-se entre os dentes e a gengiva, provocando o recuo desta e espalhando-se para o osso abaixo da dentição.

O resultado, nada desejável, pode ser a ocorrência de doenças periodontais. Estas, além de provocarem inflamações graves nas gengivas (acompanhadas por sangramento e mau hálito), afetam as estruturas de suporte dos dentes, tornando-os frouxos.

Para além de danificar os dentes, o tártaro é uma causa de preocupação cosmética para muitas pessoas. Devido à sua cor castanha-amarelada, tem frequentemente o aspeto de uma mancha generalizada nos dentes.

Para evitar este tipo de situações e assegurar a manutenção de uma boa saúde oral, a destartarização feita por um médico dentista é algo que deve ser realizado com regularidade.

Após a destartarização, as pessoas são muitas vezes surpreendidas com o aspeto dos seus dentes, que ficam bastante mais brancos. E o sorriso é logo outro!…


Remoção

Ao contrário da placa bacteriana, cuja eliminação é facilmente feita com recurso a uma boa escova de dentes, o tártaro deve ser removido por um médico dentista, pois obriga à utilização de instrumentos específicos e resistentes.

A destartarização é um processo muito simples, que envolve a raspagem e o polimento dos dentes. Permite remover a placa, o tártaro e as manchas. E embora esse não seja o seu objetivo principal, acaba sempre por melhorar o aspeto dos dentes.

A frequência com que deve ser feita a destartarização depende da saúde oral de cada pessoa e deve seguir as indicações do dentista. Muitos destes profissionais aconselham realizar a limpeza de seis em seis meses.

Entre o grupo de pessoas que precisam de uma destartarização com mais frequência incluem-se:

  • As que têm a boca seca, muitas vezes devido a medicamentos ou ao envelhecimento;
  • Pessoas com pouca destreza física para a realização da escovagem completa dos dentes;
  • Indivíduos com condições que os impedem de compreender plenamente ou completar uma rotina de higiene dentária;
  • Pessoas com doenças da gengiva;
  • Pessoas com maior risco de desenvolvimento de placa e tártaro (por exemplo, fumadores e diabéticos).

Prevenção

A melhor forma de evitar a formação de placa bacteriana e do tártaro é adotar hábitos de higiene oral.

Para isso, seguem-se algumas regras importantes:

  • Escove os dentes durante dois minutos, pelo menos duas vezes ao dia (idealmente, uma ao acordar e outra ao deitar, mas se possível também após as refeições);
  • Se possível, utilize uma escova de dentes elétrica;
  • Escolha uma pasta de dentes para controlo do tártaro com flúor;
  • Use fio dentário, pelo menos uma vez por dia;
  • Utilize diariamente um antiséptico bucal para ajudar a eliminar as bactérias que causam a placa bacteriana;
  • Consulte o dentista com regularidade;
  • Pode realizar um tratamento com flúor, para prevenir o crescimento de bactérias da placa bacteriana e a acumulação de tártaro nos dentes;
  • Não fume cigarros ou outros produtos do tabaco;
  • Beba água durante as refeições.

Além destas preocupações de prevenção, deverá ter também atenção à sua dieta alimentar, pois as bactérias proliferam nos alimentos açucarados e amiláceos (que são fontes de amido).

Além disso, quando são expostas a este tipo de alimentos, libertam ácidos nocivos.

Só para ter uma noção, existem cerca de 700 espécies de bactérias a viver na nossa boca!

Cuide do seu sorriso e da sua saúde oral!

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais