Ligamos
grátis
rapaz jovem com dor na gengiva

Periodontite: como tratar este problema

5 mins. leitura

A periodontite é uma doença infeciosa bacteriana que, se não for diagnosticada e tratada a tempo, pode provocar a perda dos dentes e, em casos mais graves, afetar a saúde geral do doente.

Geralmente, a periodontite tem origem numa gengivite (inflamação da gengiva) não tratada e na acumulação prolongada da placa bacteriana e do tártaro.

Com o passar do tempo, as toxinas produzidas pelas bactérias irritam a gengiva e estimulam uma resposta inflamatória, que leva à destruição do osso que envolve os dentes.

Na maioria dos casos, a periodontite é assintomática e pode ser descoberta pelo dentista numa consulta de rotina.


O que é a periodontite

Causas

Uma inflamação das gengivas (gengivite) é, na maioria dos casos, a principal responsável pelo aparecimento da periodontite.

A periodontite ocorre quando, além da gengivite não tratada, também se verifica uma acumulação prolongada do tártaro (a chamada “pedra” nos dentes) e da placa bacteriana, uma substância pegajosa esbranquiçada e amarelada que surge na região dos dentes e da gengiva e é composta, principalmente, por bactérias, saliva, restos de comida e células mortas que são depositadas continuamente nos dentes.

Esta acumulação provoca a formação de bolsas entre os dentes e as gengivas. Estas bolsas estendem-se para uma zona pobre em oxigénio, entre a raiz do dente e o osso que o envolve, proporcionando o ambiente ideal para o crescimento de bactérias mais agressivas em pessoas com determinadas fragilidades no seu sistema imunitário.

Esta situação provoca uma inflamação crónica que danifica o tecido e o osso que segura os dentes. Quando não é tratada, a longo prazo verifica-se perda de osso significativa, pelo que o dente acaba por começar a abanar e as gengivas retraem-se.

A perda de dentes tem início, normalmente, a partir dos 35 a 40 anos de idade.

Esta sucessão de acontecimentos pode ser desencadeada por diversos motivos:

  • Higiene oral deficiente;
  • Má oclusão dos dentes (o que facilita a acumulação de restos alimentares entre eles);
  • Acumulação de tártaro;
  • Cáries;
  • Baixa produção de saliva (xerostomia);
  • Tabagismo (um dos principais fatores de risco);
  • Medicamentos fortes;
  • Diabetes Mellitus;
  • Alterações hormonais (sobretudo em mulheres);
  • Predisposição genética;
  • Síndrome de Down;
  • Doença de Crohn;
  • Deficiência de glóbulos brancos;
  • SIDA;
  • Dieta desequilibrada e um estilo de vida pouco saudável.

Sintomas

Na maior parte dos casos, a periodontite é assintomática. No entanto, há um conjunto de sintomas facilmente identificáveis que podem surgir:

  • Hemorragia;
  • Inflamação das gengivas;
  • Gengivas inchadas;
  • Sensibilidade das gengivas ao toque;
  • Formação de bolsas (aumento do espaço entre o dente e a gengiva);
  • Retração gengival (a gengiva começa a desaparecer e as raízes ficam expostas);
  • Mau hálito (halitose);
  • Paladar alterado;
  • Dentes aparentemente mais longos.

Numa fase mais avançada:

  • Mobilidade dentária (os dentes começam a abanar);
  • Mudança de posição dos dentes na boca.

A periodontite não costuma causar dor, a menos que ocorra uma infeção (por exemplo, a formação de pús (abcesso) numa bolsa), os dentes se tornem tão frágeis ao ponto de se moverem durante a mastigação, ou a pessoa tenha a doença devido ao HIV.


Tratamento

Ao contrário de uma gengivite, que pode ser curada apenas com a adoção de uma boa higiene oral (escovagem diária dos dentes e utilização de fio dentário), a periodontite obriga a um tratamento profissional por um médico dentista.

Na grande maioria dos casos, é impossível reverter a perda óssea. É, no entanto, possível parar ou reduzir a sua evolução.

O tratamento passa pela remoção de toda a placa bacteriana e do tártaro, com recurso a ultrassons (destartarizador) e/ou instrumentos manuais (curetas) destinados a descontaminar e alisar as raízes.

Nos casos mais graves de periodontite, o tratamento pode passar pela cirurgia, tendo em vista a limpeza das zonas mais profundas e a extração do(s) dente(s).

O doente tem um papel fundamental no sucesso de qualquer tratamento, pois é fundamental que, em simultâneo, garanta uma higiene oral diária correta e eficaz.

Pessoas com fatores de risco, como a má higiene oral, a diabetes e o tabagismo, devem receber tratamento específico para esses fatores.


Tipos de periodontite

Existem vários tipos de periodontite, embora a periodontite crónica seja a mais comum. Conheça as características principais de cada uma delas:

Periodontite crónica

Pode ocorrer em qualquer idade, mas começa a desenvolver-se, normalmente, a partir dos 35 a 40 anos e é quase sempre precedida por uma gengivite não tratada. A sua evolução costuma ser lenta, embora possam ocorrer períodos de progressão rápida.

Periodontite agressiva

Ocorre em pessoas sem outros problemas de saúde. Inclui, habitualmente, perda do suporte periodontal e destruição óssea rápidas, bem como história familiar da doença.

Periodontite como manifestação de doença sistémica

Costuma iniciar-se em idades mais jovens. Pode ter associadas doenças cardíacas, respiratórias e diabetes.

Doença periodontal necrotizante

Infeção caracterizada pela necrose rápida (morte de tecido) da gengiva e osso alveolar (que envolve os dentes). Este tipo de lesão é frequente em doentes seropositivos, malnutridos ou imunodeprimidos.


Prevenção

A correta higiene oral é a melhor forma de prevenir a periodontite, bem como inúmeros outros problemas que podem afetar as gengivas e os dentes.

Felizmente, não é nada difícil adotar um conjunto de comportamentos diários que não só protegem a saúde oral como contribuem para aumentar a autoestima. Afinal de contas, nada como um sorriso bonito, não é?

Seguem-se algumas sugestões:

  • Escovar os dentes, pelo menos, três vezes ao dia. De preferência após as refeições, utilizando uma pasta dentífrica e uma escova que consiga alcançar todos os dentes. A utilização de uma escova elétrica, com sensor de pressão, é o ideal.
  • Utilizar fio dentário após as refeições, de forma a limpar os espaços entre os dentes. Esta prática vai permitir retirar os resíduos alimentares que aí ficam e, assim, impedir a formação da placa bacteriana.
  • Evitar os doces, pois estes contribuem para aumentar a placa bacteriana. Se não resistir, escove os dentes imediatamente a seguir.
  • Visitar o dentista com regularidade. Dependendo do estado da sua saúde oral, agende uma consulta, no mínimo, uma vez por ano.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais