mulher a assoar o nariz

Alergia ao pólen: como minimizar este problema

4 mins. leitura

Anualmente, quando chega a primavera, chegam também as comichões no nariz, no céu da boca, na garganta e no pescoço. O nariz fica tapado e produz uma secreção aquosa transparente. Os olhos lacrimejam e ficam vermelhos. Os espirros sucedem-se…

Estes são sintomas típicos das alergias sazonais, nomeadamente, da mais comum de todas: a alergia ao pólen. São, no fundo, uma reação exagerada do nosso organismo aos grãos de pólen, quando estes entram em contacto com o nosso corpo, nomeadamente, os olhos, e penetram pelas vias respiratórias.

Por que temos alergia ao pólen?

Causas

O pólen é um pó muito fino produzido por árvores, flores, gramíneas e ervas daninhas para fertilizar outras plantas da mesma espécie. Muitas pessoas têm uma resposta imunitária adversa quando o respiram.

Basicamente, o que acontece é que o sistema imunitário, que nos defende de vírus e bactérias, nestas pessoas identifica o pólen inofensivo como um intruso perigoso e começa a produzir químicos para lutar contra esse invasor.

Isto é conhecido como uma reação alérgica, e o tipo específico de pólen que a provoca é denominado como um alergénio.

Algumas pessoas têm alergias ao pólen durante todo o ano, enquanto outras só as têm em certos períodos. Por exemplo, quem é sensível ao pólen de bétula tem, geralmente, sintomas aumentados durante a primavera, ou seja, quando as bétulas estão em floração.

Do mesmo modo, as pessoas com alergias a tasneira são mais afetadas no final da primavera e no início do outono.

Depois de se ter desenvolvido, é muito pouco provável que a alergia ao pólen desapareça. No entanto, os seus sintomas podem ser tratados com medicamentos e vacinas contra as alergias.

Também pode ajudar fazer certas mudanças no estilo de vida para ajudar a aliviar esses sintomas.


Sintomas

Os sintomas só surgem quando os pólenes aos quais a pessoa é alérgica se encontram no ar.
Habitualmente incluem:

  • Produção de muco e nariz a pingar;
  • Espirros;
  • Comichão no nariz, olhos, ouvidos e boca;
  • Nariz entupido (congestão nasal);
  • Olhos vermelhos e lacrimejantes;
  • Inchaço à volta dos olhos (a pele em torno dos olhos ganha um tom azulado);
  • Pressão sinusal, que pode provocar dor na face;
  • Garganta arranhada;
  • Diminuição do sentido do paladar ou do olfato;
  • Aumento das reações asmáticas;
  • Tosse seca;
  • Dificuldade em respirar.

Podem ainda ocorrer eczema e urticária.

No caso do eczema, causa comichão na pele e pequenas manchas vermelhas, bolhas com líquido e, eventualmente, descamação.

Quando se trata de urticária, surgem lesões vermelhas em relevo na pele, acompanhadas por comichão.


Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito por um médico, em função dos sintomas apresentados. Este pode, contudo, encaminhar a pessoa para um médico imunoalergologista, que irá realizar um conjunto de testes alérgicos para confirmar o diagnóstico.

O imunoalergologista irá colocar questões sobre o historial clínico da pessoa e os seus sintomas, incluindo quando começaram e durante quanto tempo persistiram. É, por isso, importante informar o médico especialista sobre se os sintomas estão sempre presentes ou se melhoram (ou pioram) em determinadas alturas do ano.

O imunoalergologista realizará depois um teste de punção cutânea para determinar o alergénio específico que está na origem dos sintomas apresentados.

Durante este procedimento, o imunoalergologista vai picar diferentes áreas da pele e inserir uma pequena quantidade de vários tipos de alergénios.

Se a pessoa for alérgica a qualquer uma das substâncias, desenvolverá vermelhidão, inchaço e comichão no local dentro de 15 a 20 minutos. Poderá também existir uma área da pele levantada e redonda, parecida com urticária.

Pode também ser necessária a realização de análises ao sangue quando a pessoa tem um problema de pele ou está a tomar medicamentos que interferem com os testes cutâneos. Esta é, também, uma alternativa para as crianças que não toleram estes testes.

À amostra de sangue recolhida são acrescentadas, em laboratório, as substâncias alergénias. Depois é medida a quantidade de anticorpos que o sangue produz para atacar os alergénios.


Tratamento

Os medicamentos antialérgicos para o controlo dos sintomas da alergia ao pólen e a vacinação (injetável ou sublingual) são as principais formas de tratamento.

Em termos de medicação, habitualmente inclui:

  • Sprays nasais com corticosteróides;
  • Anti-histamínicos;
  • Descongestionantes nasais;
  • Colírio;
  • Imunoterapia com alergénios (vacinas).

Prevenção

O pólen é uma das alergias mais difíceis de se evitar. É, no entanto, possível minimizar a exposição a este alergénio. Eis algumas medidas que poderá adotar no seu dia a dia:

  • Evite sair em dias ventosos durante os períodos de pólen elevado do ano;
  • Use uma máscara;
  • Evite qualquer trabalho de jardinagem;
  • Mantenha as janelas fechadas durante a estação do pólen e, se possível, utilize ar condicionado central com um filtro certificado especial contra a asma e as alergias. Isto aplica-se à sua casa e ao carro, por exemplo;
  • Comece a tomar medicamentos para as alergias antes do início da época dos pólenes. A maioria destes fármacos é mais eficaz se for tomada desta forma;
  • Tome banho e lave o cabelo diariamente, antes de ir para a cama. Isto permitirá remover o pólen do seu cabelo e pele, mantendo-o fora da sua roupa de cama;
  • Lave a roupa da cama em água quente e sabão uma vez por semana;
  • Use óculos de sol e um chapéu. Assim estará a proteger os seus olhos e cabelo do pólen;
  • Limite o contacto com animais de estimação que passam muito tempo ao ar livre;
  • Mude e lave a roupa usada durante as suas atividades ao ar livre;
  • Seque a roupa numa máquina de secar e não na corda ao ar livre.

Revisão de Médica Convidada:

Dr.ª Ana Torre

Fontes:

  • Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. "Primavera traz com ela a alergia ao pólen, e a região Sul é a mais atingida". Disponível em Primavera traz com ela a alergia ao pólen, e a região Sul é a mais atingida – ASBAI
  • Asthma and Allergy Foundation of America. "Pollen Allergy". Disponível em Pollen Allergies | AAFA.org
  • Farmácias Portuguesas. "Pólenes: 10 cuidados para viver livre de alergias". Disponível em Pólenes: 10 cuidados para viver livre das alergias | Farmácias Portuguesas (farmaciasportuguesas.pt)
  • Manual MSD – Versão Saúde para a Família. "Alergias sazonais". Disponível em Alergias sazonais - Doenças imunológicas - Manual MSD Versão Saúde para a Família (msdmanuals.com)
  • Rede Portuguesa de Aerobiologia. "Calendário Polínico Nacional". Disponível em RPA - Rede Portuguesa de Aerobiologia (rpaerobiologia.com)
  • News Medical Life Sciences. "Type of Pollen Allergies". Disponível em Tipo de alergias do pólen (news-medical.net)

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais

Pedido enviado Falaremos consigo
assim que possível

Quer aderir? Ligamos grátis
Precisamos do seu consentimento para o contactar.