mão de criança com erupções

Rubéola: conheça esta doença contagiosa

3 mins. leitura

Indíce
  1. 1. Sintomas
  2. 2. Complicações
  3. 3. Na Gravidez
  4. 4. Tratamento

A rubéola é uma infeção comum na infância, uma fase da vida em que a doença afeta de forma mais branda, tendo como sintomas mais expressivos dores nas articulações e erupção cutânea.

Causada pelo rubivirus rubella vírus, a rubéola é uma doença altamente contagiosa, que se transmite através de gotículas dispersas no ar quando uma pessoa infetada tosse, fala ou espirra.

Após o contacto com o vírus, o período de incubação dura entre 12 a 21 dias, altura em que surgem os sintomas.

Muitas pessoas podem nem apresentar sintomas, mas podem transmitir a doença. O período de contágio acontece entre uma a duas semanas antes do aparecimento das manchas na pele e pode manter-se até cinco a sete dias após este sintoma mais expressivo surgir.

De resto, entre 25 a 50% das pessoas não apresentam sintomas, continuando, no entanto, a poder contagiar.


Principais sintomas da rubéola

Um dos principais, e mais facilmente notados, sintomas desta doença são as erupções na pele. Estas manchas são normalmente de cor rosa claro e apresentam uma textura lisa e regular. Por norma, após o aparecimento das primeiras manchas, normalmente no rosto, rapidamente se instalam pelo corpo todo (entre 24 a 48 horas).

O "trajeto" habitual para a instalação destas erupções é face, pescoço, tronco e depois braços e pernas. Ao fim de três dias desaparecem.


pé de bebé com erupções na mão da mãe

Outros sintomas comuns são:

  • Dores de cabeça;
  • Mal estar geral;
  • Corrimento nasal;
  • Tosse;
  • Dores musculares e nas articulações;
  • Conjuntivite;
  • Gânglios linfáticos inchados no pescoço, ao nível da nuca e atrás das orelhas.

Possíveis complicações da rubéola

Embora a rubéola se apresente, na maioria dos casos, como uma infeção ligeira, em algumas pessoas pode assumir contornos mais graves, provocando artrite, em especial nas mulheres adultas; uma baixa das plaquetas no sangue (células responsáveis pela coagulação do sangue que travam as hemorragias) ou, mesmo, uma infeção no cérebro.


Rubéola na gravidez

Quando uma grávida é infetada com este vírus, a doença pode atingir o feto e ter consequências graves, nomeadamente se a infeção acontecer nas primeiras 16 semanas de gestação.

Neste caso, denominado de rubéola congénita, a doença pode levar a um aborto espontâneo ou provocar problemas graves ao bebé, como a perda da audição ou da visão, atraso cognitivo, baixo peso ao nascer, problemas cardíacos ou microcefalia.


adulto a ser vacinado

Diagnóstico e tratamento

Além do exame clínico, com base nos sintomas apresentados pela pessoa, o médico deverá solicitar a realização de análises para detetar a presença de anticorpos contra a rubéola no sangue. Esta análise é importante para confirmar o diagnóstico, já que a doença pode ser confundida com outras, como é o caso do sarampo.

No caso das grávidas, é possível fazer o teste de diagnóstico ao feto através do líquido amniótico ou do sangue do feto. De resto, no início da gravidez, são feitos exames para confirmar a imunidade a esta doença.

Não há um tratamento apenas direcionado para a rubéola, portanto, os medicamentos são usados para aliviar os sintomas, como a febre, as dores musculares e de cabeça.

Recomenda-se descanso e a ingestão de líquidos, para evitar a desidratação. Os doentes devem ficar isolados para evitar a propagação da doença, o que deve acontecer durante, pelo menos, sete dias após o início do aparecimento das manchas na pele.

A prevenção é feita com a toma da vacina contra a rubéola, que é combinada com a vacina contra a parotidite e contra o sarampo. Esta vacina faz parte do Programa Nacional de Vacinação.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Informação Adicional
sobre Proteção de Dados

Mediante o seu consentimento, os seus dados pessoais serão recolhidos, processados e armazenados informaticamente pela MED&CR - Sistemas de Gestão de Cartões de Saúde Unipessoal Lda. ("Medicare"), com sede na Rua Rodrigues Sampaio n.º 103, 1050-196 Lisboa, número de telefone 219 441 113, e-mail info@medicare.pt , enquanto entidade responsável pelo tratamento dos dados pessoais, nos termos e para os efeitos identificados na lei aplicável, incluindo o Regulamento UE 2016/679 (Regulamento Geral de Proteção de Dados/RGPD) para as finalidades de envio de comunicações de marketing e envio de informação comercial e promocional relativa a produtos e serviços da Medicare.

A informação fornecida será tratada de forma confidencial e utilizada para os fins acima descritos.

A Medicare guardará, tratará e comunicará, quando aplicável, os seus dados de identificação e contacto enquanto não retirar o seu consentimento, de forma a poder apresentar-lhe as promoções, serviços e condições que possam ser mais vantajosas.

Os seus dados poderão ser tratados diretamente pela Medicare ou por entidades por si subcontratadas para o efeito (e sujeitas a obrigações de privacidade e confidencialidade próprias), podendo os dados ser comunicados a autoridades legais e regulatórias, nos termos previstos e determinados por lei. Estas entidades estarão sedeadas dentro do território da UE.

Poderá a qualquer momento retirar o seu consentimento enviando um email para politica.privacidade@medicare.pt, o que não invalida, no entanto, o tratamento efetuado até essa data com base no consentimento previamente dado. Poderá a qualquer momento, através do e-mail disponibilizado, exercer os seus direitos legais de acesso, retificação, portabilidade, limitação do tratamento, esquecimento.

Poderá também exercer o seu direito de reclamação à Comissão Nacional de Proteção de Dados, se considerar que os seus direitos não estão a ser cumpridos.

Para mais informação sobre os termos de tratamento de dados pela Medicare, sugerimos que consulte a Politica de Privacidade, disponível em www.medicare.pt/politica-de-privacidade.