homem a ser examinado por médico

Viver com artrite reumatóide: como atenuar a sintomatologia

5 mins. leitura

De acordo com a Sociedade Portuguesa de Reumatologia, estima-se que a artrite reumatóide (AR) em Portugal afete 0,8 a 1,5 por cento da população.

“A ocorrência global de RA é duas a quatro vezes maior em mulheres do que em homens. O pico de incidência nas mulheres é após a menopausa, mas pessoas de todas as idades podem desenvolver a doença, incluindo adolescentes”, pode ler-se no site da SPR.


Artritre reumatóide: o que é

A artrite reumatóide é uma doença inflamatória crónica, em que o sistema imunitário ataca as articulações e tecido conjuntivo do indivíduo, provocando inflamação nas articulações, em especial nas mãos, pés, nos pulsos e joelhos, podendo também afetar quaisquer outras articulações.

Esta doença autoimune raramente pode também causar um processo inflamatório nos olhos, pulmões, coração, vasos sanguíneos e pele.

O revestimento das articulações fica inflamado, causando dores, inchaço e dificuldades de locomoção e em segurar objetos, levando a deformidades nas articulações e, consequentemente, bloqueio e perda de mobilidade. A inflamação pode levar mesmo, ao comprometimento dos ossos, consequente da destruição da cartilagem.

A doença, que afeta cerca de um por cento da população mundial, é mais comum nas mulheres do que nos homens e surge, habitualmente, entre os 35 e os 50 anos, podendo, no entanto, ocorrer em qualquer idade.

homem a ver a mão

Causas

As causas exatas da artrite reumatóide são ainda desconhecidas, embora o fator genético desempenhe um papel importante, ou seja, pessoas com história familiar de AR têm uma maior predisposição para desenvolver a doença.

Também alguns fatores ambientais, como infeções virais ou tabagismo podem contribuir para contrair artrite reumatóide.


Sintomas mais comuns de artrite reumatóide

A AR desenvolve-se com diferentes intensidades, sendo que algumas pessoas têm crises ocasionais seguidas de longos períodos de remissão, em que a doença está inativa; outras apresentam sintomas bastante ligeiros e outras ainda apresentam um quadro grave e de progressão contínua, podendo ser de evolução rápida ou lenta.

A doença pode começar subitamente, com várias articulações inflamadas em simultâneo, mas o mais normal é instalar-se de forma subtil, afetando diferentes articulações, gradualmente.

Por norma, a inflamação é simétrica, e afeta ambos os lados do corpo de forma idêntica.

Podendo comprometer qualquer articulação, por norma, são os punhos, articulações interfalangeanas proximais (articulação do meio dos dedos) e metacarpofalangeanas (entre os dedos e mãos) as zonas mais afetadas

Outras zonas comumente afetadas são os joelhos, ombros, tornozelos, cotovelos e ancas, sendo que também o pescoço pode sofrer. Já as pontas dos dedos e a região lombar raramente são acometidas desta doença.

As articulações apresentam-se rígidas e dolorosas, especialmente após o acordar ou depois de algum tempo de inatividade. Muitas pessoas sentem fraqueza e cansaço, especialmente, ao início da tarde, podendo também haver perda de apetite e consequente perda de peso, além de febres altas.

As zonas afetadas ficam quentes e inchadas, podendo apresentar deformações rapidamente. As articulações ficam como que congeladas numa determinada posição, não se conseguindo estendê-las ou dobrá-las, dificultando os movimentos.

Os dedos podem sair da posição normal, deslocando-se na direção do dedo mindinho de cada mão, o que faz também com que os tendões saiam do sítio, provocando outras deformidades.

A inflamação nas articulações dos pulsos pode levar à compressão do nervo mediano, resultando em formigueiro devido à síndrome do canal cárpico.

Muitas pessoas com AR têm caroços sob a pele (os nódulos reumatóides), normalmente, junto de áreas onde existe mais pressão e, nos joelhos, podem desenvolver-se quistos.

Embora seja raro, a artrite reumatóide pode provocar a inflamação dos vasos sanguíneos, chamada de vasculite, o que reduz o fornecimento de sangue aos tecidos e pode causar lesões nos nervos ou úlceras nas pernas.

Esta doença pode ainda afetar a pleura, a membrana que cobre os pulmões, e o pericárdio, o que pode provocar dores no tórax e falta de ar. A AR é ainda responsável pelo desenvolvimento de linfadenopatia (inchaço dos gânglios linfáticos), síndrome de Felty (que se traduz por uma baixa contagem de leucócitos e aumento do baço) e síndrome de Sjögren (que provoca secura dos olhos e da boca).

Por último, a artrite reumatóide pode também afetar o pescoço, com o risco dos ossos comprimirem a medula.

luvãso e mão

Diagnóstico

Sinais e sintomas

Habitualmente, a artrite reumatóide manifesta-se com mais de quatro articulações inchadas e dolorosas, nos dois lados do corpo (poliartrite simétrica), sendo que as pequenas articulações das mãos e dos pés são, normalmente, as mais afetadas.

Para além de dor e inflamação, podem dar-se deformações graves das articulações e, na sua forma mais grave, a doença diminui a esperança média de vida do seu portador entre cinco a dez anos.

Para além dos sintomas físicos nas articulações, há outros sintomas frequentes, tais como:

  • Cansaço
  • Febre (suores e sintomas semelhantes a gripe)
  • Perda de peso não provocada
  • Rigidez articular, geralmente mais acentuada na parte da manhã e após algum período sem atividade

Alterações em exames

As alterações laboratoriais assinaladas no sangue e no líquido sinovial dos doentes com artrite reumatóide indicam a presença de uma inflamação sistémica e intra articular e dos aspetos autoimunes da doença. Estes marcadores incluem líquido sinovial inflamatório, anemia crónica, fator reumatóide positivo, bem como o aumento dos marcadores da fase aguda.


Tratamento

O doente com artrite reumatóide deve ser acompanhado por um reumatologista, sendo o tratamento, habitualmente, à base de anti-inflamatórios, analgésicos, corticosteróides, bem como medicamentos modificadores de artrite reumatóide clássicos ou biológicos e outros. O tratamento inclui também fisioterapia, podendo, mesmo, passar por uma cirurgia.

De resto, o paciente deve optar por um estilo de vida saudável, o que implica deixar de fumar e perder peso, caso necessite.

Recomenda-se também a prática de exercício físico, mas sempre com orientação médica.

O diagnóstico precoce e o início imediato do tratamento são fundamentais para evitar a progressão da doença e proporcionar alívio sintomático e qualidade de vida ao paciente.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais