análise ao sangue para deteção de variante Delta

Covid 19: O que se sabe sobre a variante Delta

4 mins. leitura

Na última semana de Junho, a variante Delta era a variante mais prevalente em Portugal, com uma frequência relativa de 89,1%, ou seja, esta variante foi a responsável por cerca de 90% das infeções registadas no nosso país, de acordo com o relatório de diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2 (Covid-19) em Portugal, divulgado no passado dia seis de Julho pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA). Este valor inclui também a variante Delta plus, que representa 0,9% dos casos registados naquele período.

Como se esperava, a frequência desta variante, originalmente detetada na Índia, aumentou em todas as regiões durante o mês de Junho, com destaque para a região norte, com um aumento de 17,7% no início do mês para 71,1% no final. Na Madeira, este valor passou de 12,5% para 85,7%, e, nos Açores, de 0% para 64,7%.


Variante Delta: em que consiste

Detetada pela primeira vez na índia, no final do ano passado, a variante Delta da Covid-19 alastrou-se rapidamente e, em seis meses, foi detetada em mais de 90 países. Trata-se de uma variante da doença com uma transmissibilidade 43 a 90% superior às variantes que lhe antecederam, sendo 30 a 100% mais infeciosa do que a variante Alpha.

Pesquisas sugerem que esta variante, oficialmente designada por B.1.617.2, é a mais contagiosa de todas as variantes conhecidas até ao momento, incluindo a variante alfa, altamente transmissível, e que foi dominante em Portugal durante o mês de maio.

Os investigadores suportam que esta maior capacidade de propagação poderá dever-se a alterações nas proteínas do vírus SARS-CoV-2, nomeadamente, na proteína spike, e que facilitam a sua entrada nas células.

Outra hipótese levantada para o aumento da transmissibilidade é a de que esta variante do vírus apresenta uma mutação que lhe permite infetar as células humanas sem ser descoberta imediatamente pelo sistema imunitário.

A variante Delta está associada a formas mais graves da doença com maior risco de internamento. Um estudo publicado a 14 de junho, na revista The Lancet, analisou o impacto da variante Delta na Escócia. Os autores mostraram que o risco de internamento por Covid-19 praticamente duplicou nos doentes infetados com a variante Delta, comparativamente com pessoas infetadas com a variante britânica, ou Alpha.

análise ao sangue para deteção de variante Delta

Como é feita a monitorização da doença

Desde Janeiro de 2020, a Organização Mundial de Saúde (OMS) faz uma monitorização apertada da evolução da Covid-19. Em maio deste ano, no âmbito deste processo, a variante Delta foi declarada uma "variante de preocupação”.

Esta designação é usada quando há evidências aumentadas de que uma variante é mais transmissível, causa doenças mais graves ou reduz a eficácia das vacinas ou de outros tratamentos.


Ainda mais grave: a variante Delta Plus

A variante Delta Plus, ou, em português, Delta Mais, não é uma nova variante, mas sim uma mutação da Delta, ou seja, uma mutação da variante indiana, também conhecida em Portugal como a mutação nepalesa.

Além da Índia e de Portugal, também já circula nos Estados Unidos, China, Japão, Nepal, Rússia, Reino Unido, Suíça e Polónia. De acordo com um relatório da Public Health England, publicado a 18 de Junho, Portugal era o terceiro país com mais casos comunicados da Delta Plus, depois dos EUA (83) e do Reino Unido (36).

“A variante Delta tem um conjunto de mutações que a caraterizam como um todo” e dentro dela há três linhagens importantes, sendo a segunda a mais perigosa em termos de transmissão e a que está a dominar em Portugal. “Dentro da variante ponto dois da Delta existe uma ‘sublinhagem’ que tem uma mutação muito particular que está ligada ao Nepal”, como explicou ao jornal Expresso, o especialista em Saúde Internacional Tiago Correia.


Os sintomas podem ser diferentes

Além dos sintomas mais comuns associados à infeção por Covid-19, como a tosse, febre e dificuldade respiratória, no caso da variante Delta, há outros sintomas a ter em conta, nomeadamente, a dor de cabeça, dor de garganta, corrimento nasal e febre, sendo que a tosse e a perda de olfato são sintomas menos comuns nesta variante da infeção.

O facto deste quadro de sintomas poder confundir-se mais facilmente com uma constipação leva as autoridades de saúde a preocuparem-se, já que poderá haver uma maior desvalorização dos sintomas.

De resto, e após a instalação da doença, as pessoas infetadas podem ter maior probabilidade de ser hospitalizadas, registando um quadro mais grave do que os doentes infetados inicialmente.


A importância da vacinação

Ter o esquema de vacinação completo é ainda mais importante na variante Delta. Testar, vacinar e respeitar as medidas de saúde pública, como o uso da máscara e o distanciamento social, torna-se ainda mais importante nesta fase de disseminação da doença.

Pesquisas indicam que as pessoas totalmente vacinadas estão bem protegidas, mas aqueles que fizeram somente a primeira dose estão ainda suscetíveis.

De acordo com a Public Health England, do Reino Unido, a vacina Pfizer-BioNTech é 96% eficaz contra a hospitalização após duas doses e a vacina Oxford-Astra Zeneca é 92% eficaz contra a hospitalização após duas doses.

Ao jornal Expresso, Manuel Carmo Gomes, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, lembra que “sabemos que a proteção que uma dose da vacina dá contra a Delta é inferior à que uma dose da vacina dá contra a variante britânica”, agora conhecida por Alfa.

Por outras palavras, é importante conseguir rapidamente que as pessoas tenham o esquema vacinal completo, pois aí “a proteção é muito mais alta”, esclarece.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais