mãe com menino com Síndrome de down às cavalitas

Síndrome de Down: saiba mais sobre esta doença genética

4 mins. leitura

Indíce
  1. 1. Caraterísticas
  2. 2. Complicações
  3. 3. Diagnóstico
  4. 4. Tratamento

Os cromossomas são grupos de genes que carregam a informação genética. Normalmente, uma criança nasce com 23 pares de cromossomas. Um bebé com Síndrome de Down tem um cromossoma 21 duplicado. Isto vai provocar um desequilíbrio genético, com implicações no desenvolvimento, bem como problemas de saúde.

A maioria das crianças com Síndrome de Down, doença para a qual não existe cura, sobrevive até a idade adulta.


Como tudo acontece

Na conceção, quando um espermatozoide e um óvulo se combinam para dar origem a um ovo, esta primeira célula carrega em si, normalmente, um conjunto de 46 cromossomas, sendo 23 da mãe e 23 do pai.

Na Síndrome de Down, e devido a uma divisão celular incorreta, o óvulo ou o espermatozoide vão produzir um cromossoma 21 extra, ficando o ovo e, posteriormente, o feto, com 47 cromossomas em vez dos 46 que seria suposto ter. O terceiro cromossoma 21 - e daí o nome de trissomia 21 - vai provocar alterações genéticas que ditam o desenvolvimento da Síndrome de Down.

De resto, um embrião pode ter um terceiro cromossoma de qualquer outro par de cromossomas maiores, no entanto, nestes casos, normalmente ocorre um aborto espontâneo ou um nado-morto.


Caraterísticas físicas comuns das pessoas com Síndrome de Down

As pessoas portadoras desta doença têm algumas caraterísticas específicas e estas são as mais comuns:

  • Cara achatada, especialmente o nariz;
  • Olhos amendoados e oblíquos;
  • Pescoço curto com uma “prega” na nuca;
  • Orelhas pequenas, situadas na linha abaixo dos olhos;
  • O céu da boca é mais curvo e a língua tende a sair da boca
  • Ao nível do olho, há a presença de manchas brancas na íris;
  • As mãos e os pés são pequenos e arredondados;
  • Hipotonia: baixo tónus muscular;
  • O quinto dedo das mãos é muito mais pequeno que os outros e, por vezes, tem uma curvatura na direção do polegar;
  • Estatura mais baixa que o normal.

rapaz com Síndrome de down

Os bebés com trissomia 21 são, por norma, mais calmos e não choram com muita frequência. Muitos nascem com problemas cardíacos e gastrointestinais e têm uma musculatura um pouco débil.

Normalmente, os traços faciais que marcam a Síndrome de Down são visíveis no recém-nascido, mas alguns só desenvolvem essas caraterísticas pouco depois.


Complicações mais comuns associadas à Síndrome de Down

A trissomia 21 afeta vários sistemas do corpo e predispõe o portador a desenvolver outras doenças. Assim, uma pessoa com Síndrome de Down, pode vir a ter problemas a vários níveis:


Doenças hematológicas:

  • Leucemia linfocítica aguda;
  • Leucemia mieloide aguda;
  • Trombocitopenia (baixo número de plaquetas);
  • Policitemia do recém-nascido (elevado número de glóbulos vermelhos).

Doenças neurológicas:

  • Défice cognitivo, podendo a deficiência ser mais ligeira ou grave;
  • Traços de autismo;
  • Atraso no desenvolvimento das habilidades motoras e da fala;
  • Possibilidade de desenvolvimento de Alzheimer precoce.

Doenças do sistema digestivo:


Doenças endócrinas:


Problemas nos olhos e ouvidos:

  • Propensão ao estrabismo;
  • Cataratas;
  • Glaucoma;
  • Perda de audição;
  • Infeções nos ouvidos.

Problemas cardíacos:

  • Defeito do septo ventricular;
  • Outras malformações.

Problemas músculo-esqueléticos:

  • Hipotonia muscular;
  • Articulações instáveis e frágeis;
  • Problemas nas vértebras ao nível do pescoço.

Problemas respiratórios:


rapaz com Síndrome de down no computador

Diagnóstico

Quando o diagnóstico não aconteceu durante o período pré-natal, a suspeita chega, normalmente, pela aparência do recém-nascido, que é confirmado através de um exame de sangue para identificação do cromossoma 21 extra.

Atualmente, a grande maioria dos casos é detetada antes do nascimento, através de ecografias, de exames ao sangue ou através da amniocentese, um exame recomendado às mulheres que são mães após os 35 anos.


Tratamento

A Síndrome de Down não tem cura, mas há uma série de tratamentos e medidas preventivas dirigidas aos sintomas e patologias, que podem ser feitos e que se traduzem numa melhoria da qualidade de vida da pessoa com esta doença.

O objetivo é antecipar a descoberta das anomalias frequentes nesta doença e colocar em marcha a prevenção e tratamento das mesmas e que vão desde a adoção de hábitos alimentares saudáveis, no sentido de combater a obesidade e a diabetes, por exemplo, como a tratamentos de fisioterapia ou cirurgia para corrigir problemas cardíacos ou outros.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Informação Adicional
sobre Proteção de Dados

Mediante o seu consentimento, os seus dados pessoais serão recolhidos, processados e armazenados informaticamente pela MED&CR - Sistemas de Gestão de Cartões de Saúde Unipessoal Lda. ("Medicare"), com sede na Rua Rodrigues Sampaio n.º 103, 1050-196 Lisboa, número de telefone 219 441 113, e-mail info@medicare.pt , enquanto entidade responsável pelo tratamento dos dados pessoais, nos termos e para os efeitos identificados na lei aplicável, incluindo o Regulamento UE 2016/679 (Regulamento Geral de Proteção de Dados/RGPD) para as finalidades de envio de comunicações de marketing e envio de informação comercial e promocional relativa a produtos e serviços da Medicare.

A informação fornecida será tratada de forma confidencial e utilizada para os fins acima descritos.

A Medicare guardará, tratará e comunicará, quando aplicável, os seus dados de identificação e contacto enquanto não retirar o seu consentimento, de forma a poder apresentar-lhe as promoções, serviços e condições que possam ser mais vantajosas.

Os seus dados poderão ser tratados diretamente pela Medicare ou por entidades por si subcontratadas para o efeito (e sujeitas a obrigações de privacidade e confidencialidade próprias), podendo os dados ser comunicados a autoridades legais e regulatórias, nos termos previstos e determinados por lei. Estas entidades estarão sedeadas dentro do território da UE.

Poderá a qualquer momento retirar o seu consentimento enviando um email para politica.privacidade@medicare.pt, o que não invalida, no entanto, o tratamento efetuado até essa data com base no consentimento previamente dado. Poderá a qualquer momento, através do e-mail disponibilizado, exercer os seus direitos legais de acesso, retificação, portabilidade, limitação do tratamento, esquecimento.

Poderá também exercer o seu direito de reclamação à Comissão Nacional de Proteção de Dados, se considerar que os seus direitos não estão a ser cumpridos.

Para mais informação sobre os termos de tratamento de dados pela Medicare, sugerimos que consulte a Politica de Privacidade, disponível em www.medicare.pt/politica-de-privacidade.