homem com dores abdominais

Sintomas de cancro do pâncreas: sinais a que deve estar atento

5 mins. leitura

Os sintomas de cancro do pâncreas podem ser discretos ou inespecíficos, o que dificulta o seu diagnóstico e faz com que apenas 20% destes cancros sejam diagnosticados em “tempo útil”.

O pâncreas é uma glândula que se localiza na parte superior do abdómen, no aparelho digestivo. Este órgão é responsável pela produção de enzimas digestivas e de hormonas, como a insulina, a qual ajuda a regular os níveis de açúcar presentes no sangue.

O cancro do pâncreas é o 12º cancro mais comum no mundo, o 7º mais frequente na Europa e a 3ª neoplasia maligna do sistema digestivo mais prevalente no nosso país, onde são diagnosticados aproximadamente 1400 casos por ano. Portanto, é fundamental conhecer os seus principais sintomas.


Sintomas de cancro do pâncreas que deve conhecer

Um dos grandes desafios no diagnóstico do cancro do pâncreas é o facto de esta ser uma doença que pode permanecer assintomática até chegar a uma fase mais avançada.

Em alguns casos, a doença pode manifestar sintomas que, contudo, são algo inespecíficos e podem variar em função do tipo e localização do tumor, assim como, serem confundidos com outros problemas de saúde. Em geral, o Adenocarcinoma do corpo ou da cauda do pâncreas é geralmente assintomático até que se atinja maior proporção a ponto de causar alguma sintomatologia.

É o caso dos seguintes sintomas:

  • Dor abdominal e/ou de costas;
  • Perda de apetite, sem razão aparente;
  • Emagrecimento;
  • Cansaço e fadiga extremos;
  • Icterícia(cor amarelada nos olhos e na pele);
  • Enfartamento;
  • Problemas intestinais
  • Surgimento da diabetes;
  • Indigestão, azia, náuseas e vómitos;
  • Pancreatite aguda (inflamação do pâncreas);
  • Fezes abundantes, sem cor, de mau odor e flutuantes;
  • Tromboses venosas profundas de repetição.

Cancro do pâncreas

O que é o cancro do pâncreas

O cancro do pâncreas é diagnosticado sempre que se deteta a formação de células malignas no tecido pancreático.

Há vários tipos de tumores malignos que podem afetar este órgão, sendo o mais frequente o tumor exócrino/adenocarcinoma do pâncreas, o qual representa 95% dos casos de cancro do pâncreas. A maioria destes surgem na porção da cabeça do pâncreas. Os restantes 5% dizem respeito a tumores neuroendócrinos pancreáticos.

O adenocarcinoma do pâncreas forma-se a partir das células exócrinas, responsáveis pela produção das enzimas digestivas.

Sintomas cancro do pancreas

Fatores de risco

Apesar das causas do cancro do pâncreas não serem conhecidas, sabe-se que há fatores de risco associados a esta doença, tais como:

  • Idade superior a 55/60 anos;
  • Dieta muito rica em gorduras, carnes vermelhas e produtos lácteos;
  • Sedentarismo;
  • Tabagismo, que torna duas a três vezes mais provável o desenvolvimento do cancro do pâncreas;
  • Obesidade, que também aumenta o risco de ter cancro do pâncreas;
  • Diabetes, principalmente quando tem início após os 50 anos de idade e está nos seus três primeiros anos, após o diagnóstico;
  • Pancreatite crónica, relacionada com o consumo excessivo de álcool;
  • Quistos (mucinosos) no pâncreas;
  • História familiar, isto é, quando existem familiares de primeiro grau que já tiveram a doença e, mais ainda, se ela tiver surgido antes dos 50 anos de idade.

Diagnóstico

Para chegar ao diagnóstico desta doença, é necessário proceder a um exame físico e a exames auxiliares. Alguns exemplos desses exames são:

  • Ecografia abdominal: por ser fácil de ser realizado e não expor o paciente à radiação, pode ser o primeiro exame a ser feito. Mas se o quadro clínico for sugestivo de cancro do pâncreas, a tomografia computadorizada seria o exame mais indicado inicialmente;
  • Tomografia computadorizada (TC) com contraste endovenoso e ressonância magnética (RM), para determinar a localização do tumor e o estadio da doença;
  • Ecoendoscopia ou ultrassonografia transendoscópica, para determinar a fase da doença e realizar a biópsia, se necessário;
  • Laparoscopia (procedimento menos frequente neste contexto): é feita inicialmente para determinar a extensão do tumor e se pode ser ressecado cirurgicamente. Pode ser indicado em contexto curativo, quando os exames de imagem assim o sugerem, ou paliativo, isto é, para aliviar os sintomas da doença ou prevenir determinadas complicações, mas não com objetivo curativo.
  • Colangiopancreatografia: com o paciente sob anestesia, um endoscópio é introduzido pela boca até a primeira porção do intestino, injeta-se contraste e tiram-se as imagens. Permite avaliar se existem anormalidades ou complicações (bloqueio, estreitamento ou dilatação) dos ductos pancreáticos e biliares, e identificar a causa, assim como realizar biópsia.

Estadios

Os exames de diagnóstico pretendem caraterizar e localizar o tumor, assim como determinar o seu estadio, isto é, a fase de evolução em que ele se encontra. Há quatro tipos de estadio possíveis:

  • Estadio I: fase inicial, em que o cancro está circunscrito ao pâncreas e é ressecável (ou seja, o tumor pode ser removido, através de cirurgia);
  • Estadio II: o cancro já se propagou para os tecidos circundantes ou nódulos linfáticos, mas continua a ser considerado ressecável;
  • Estadio III: o cancro já se disseminou para zonas como estômago, baço, intestino grosso ou grandes vasos sanguíneos. Nesta fase, normalmente, já se considera que o cancro não é ressecável, pois encontra-se em estado avançado;
  • Estadio IV: o cancro já atingiu órgãos como o fígado e os pulmões e, por isso, é designado de metastático, não podendo ser tratado através de cirurgia.

Tratamento

A terapêutica indicada para o cancro do pâncreas varia, nomeadamente, em função da localização do tumor, do estadio da doença e do cancro ser ou não ressecável. Além disso, o médico deve ter em consideração a condição física e psicológica do doente.

De um modo geral, alguns dos tratamentos possíveis são:

  • Cirurgia: cuja técnica utilizada (procedimento de Whipple/Duodenopancreatectomía; Pancreatectomia Distal; Stents/endoprótese expansível; Pancreatectomía Total) varia em função da localização do tumor e que costuma ser a abordagem mais comum em cancros do pâncreas numa fase ainda inicial;
  • Radioterapia: pode ajudar a tratar o cancro, quando ele ainda não se espalhou, mas já não pode ser removido através de cirurgia, assim como também pode auxiliar no controlo da dor;
  • Quimioterapia: pode ser administrada antes da cirurgia para reduzir o tumor e depois para diminuir o risco de ressurgimento do cancro. Também pode ser usada em cancros mais avançados, para tentar reduzir o tamanho do tumor e retardar o avanço da doença.

Os tratamentos selecionados e a ordem pela qual eles são administrados têm em consideração o facto de ainda ser ou não possível curar o cancro ou se se pretende apenas um tratamento paliativo e de suporte.

Convém esclarecer que só é possível tratar definitivamente o cancro do pâncreas, se for realizada uma cirurgia radical (Pancreatectomía Total), que retire tanto o pâncreas, como os gânglios regionais (mas nem sempre é bem sucedida). Porém, para isso, é necessário que o cancro ainda se encontre num estadio em que seja ressecável.

A cirurgia pode também ser indicada com o objetivo paliativo para atuar nas complicações e, promover mais conforto e alívio ao paciente.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais