Ligamos
grátis
mulher a limpar o nariz com lenço de papel

Como saber se sofre de rinite alérgica

4 mins. leitura

A rinite alérgica é uma doença que se manifesta através da inflamação da mucosa nasal. Estima-se que esta patologia afete cerca de 22% a 26% da população portuguesa e aproximadamente 43% das crianças com idades compreendidas entre os 3 e os 5 anos.

Esta doença, muitas vezes subdiagnosticada e subtratada, pode estar associada a outras patologias não controladas, como é o caso da sinusite, da polipose nasal, da otite ou da asma brônquica (inserir link asma).

Os alergénios que estão, mais frequentemente, na base da rinite alérgica são: os ácaros, os fungos, os pólenes (inserir link pólen) e as fâneros de animais, entre outros. Fique a conhecer melhor esta doença.


Quais os sintomas da rinite alérgica?

A sintomatologia associada à rinite alérgica consiste numa resposta ou reação do sistema imunitário ao processo inflamatório desencadeado pela doença. Alguns dos seus sintomas mais comuns são:

  • crises de espirros;
  • congestão e obstrução nasal;
  • rinorreia aquosa (anterior ou posterior);
  • prurido no nariz, garganta, ouvidos e olhos.

Estes sintomas podem ainda ser acompanhados por tosse, diminuição do olfato, dor de cabeça, cansaço e/ou olheiras.

A duração da sintomatologia associada pode ser muito variável, de intermitente (menos de 4 dias por semana ou menos de 4 semanas) a persistente (mais de 4 dias por semana ou mais de 4 semanas).

Geralmente, quando a rinite alérgica é provocada por pólenes e alguns fungos, é sazonal, ou seja, manifesta-se em épocas específicas do ano.

Por esse motivo, nestes casos, a duração e a intensidade dos sintomas vão estar relacionadas com os ciclos de polinização. Além disso, estes quadros de rinite alérgica também podem apresentar conjuntivite, ou seja, olho vermelho, lacrimejo, prurido e sensação de corpo estranho.

Os níveis de gravidade da doença também podem variar, em função do modo como a sintomatologia interfere ou não no dia a dia do doente.

Em particular nas crianças e adolescentes, a rinite alérgica pode revestir-se de sintomas mais graves que não só prejudicam a qualidade de vida do doente, provocando despertares noturnos frequentes devido ao bloqueio nasal intenso e à secura da orofaringe, como podem evoluir mais facilmente para quadros de asma, otite ou sinusite.

Assim, consideram-se:

Doentes com rinite alérgica ligeira

  • Doentes com sono normal;
  • Doentes que conseguem executar normalmente as atividades diárias (laborais ou escolares), desportivas e/ou dos tempos livres;
  • Doentes com sintomas toleráveis e pouco incomodativos.

Doentes com rinite alérgica moderada-grave

  • Doentes com sono alterado;
  • Doentes com dificuldade em executar normalmente as atividades diárias (laborais ou escolares), desportivas e/ou de tempos livres;
  • Doentes com sintomas incomodativos e que afetam o seu bem-estar;
  • Doentes que demonstram fadiga, irritabilidade, problemas de memória, sonolência diurna, ansiedade, depressão e alterações na aprendizagem, comportamento, atenção, produtividade e desempenho profissional/escolar.

Fatores de risco

Há algumas condições que podem favorecer o desenvolvimento da rinite alérgica.

Alguns deles são:

  • outras doenças alérgicas;
  • asma;
  • dermatite atópica;
  • história familiar de rinite alérgica;
  • frequentar ambientes muito expostos a alergénios como pelos de animais, ácaros ou fumo do tabaco.

Diagnóstico

Habitualmente, o diagnóstico de rinite alérgica é feito tendo por base:

  • a caraterização dos sintomas nasais apresentados pelo doente;
  • a identificação de outros sintomas associados;
  • história pessoal e familiar de atopia;
  • doenças alérgicas concomitantes;
  • antecedentes patológicos;
  • medicação regular.

Além disso, são prescritos testes cutâneos de alergia e/ou as IgE específicas no sangue (análises para alergia) que permitem não só diagnosticar a doença, como identificar os seus alergénios causadores.

Por vezes, os testes e análises acima referidos podem ter resultados negativos para rinite alérgica mas, mesmo assim, a pessoa sofrer desta doença.

Nestes casos, denomina-se de rinite alérgica local. Os seus sintomas e tratamento são idênticos aos da rinite alérgica.


Tratamento

O tratamento da rinite alérgica passa, essencialmente, pelo controlo da sua sintomatologia. Assim, dois dos passos principais são limpar regularmente as fossas nasais com soro fisiológico ou solução salina intranasal e evitar ou reduzir ao máximo a exposição ao alergénio ou aos alergénios causadores das crises.

Além disso, a rinite alérgica pode ainda ser controlada por meio de terapêutica medicamentosa, nomeadamente, através da toma de:

  • anti-inflamatórios: os corticóides e os antileucotrienos intranasais permitem controlar a inflamação;
  • anti-histamínicos: orais ou tópicos, idealmente não sedativos;
  • imunoterapia específica com alergénios, através de vacinas antialérgicas;
  • descongestionantes (ainda que esporadicamente).

Há ainda outras precauções particulares que devem ser tomadas, tendo em conta o tipo de alergénio desencadeador da crise. Eis alguns exemplos:

Alergia aos ácaros do pó

  • Arejar bem e diariamente a casa;
  • Evitar tapetes, alcatifas, peluches, livros e todos os objetos que acumulem, facilmente, pó;
  • Aspirar bem e regularmente o chão e o colchão;
  • Lavar, semanalmente, os lençóis da cama, a uma temperatura superior a 60ºC.

Alergia aos pólens

  • Consultar os boletins polínicos;
  • Evitar atividades ao ar livre, em dias em que os níveis de pólen estão elevados;
  • Usar óculos de sol, quando se está ao ar livre.

Rinite alérgica e asma

A rinite alérgica constitui um fator de risco para o aparecimento de uma outra doença: a asma.

Os números evidenciam isso mesmo, uma vez que 40% dos doentes com rinite alérgica desenvolve asma e 80% dos doentes asmáticos desenvolve rinite alérgica.

Uma rinite alérgica moderada a grave não só aumenta a probabilidade de ter asma, como eleva o risco de desenvolver um quadro asmático grave e pouco responsivo à terapêutica farmacológica.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais