mulher a ser confortada por médico

Epilepsia: sintomas e como reagir em caso de crise

4 mins. leitura

A epilepsia trata-se da disfunção do sistema nervoso mais prevalente em todo o mundo. É, segundo a Organização Mundial da Saúde, um transtorno neurológico crónico.

Só no nosso país, afeta 40.000 a 70.000 doentes. Atinge uma em cada 100 crianças, sendo uma das doenças crónicas mais comuns em idade pediátrica. Saiba mais sobre esta perturbação.


O que é a epilepsia e os seus diferentes tipos

A epilepsia é uma doença que se manifesta, essencialmente, por meio de crises epiléticas, cuja frequência pode ser variável. Estas crises são sempre súbitas, imprevisíveis e incontroláveis e, correspondem a manifestações clínicas de uma descarga de impulsos elétricos anormal dos neurónios.

Na sua origem, está uma predisposição para desenvolver este género de crises, cujas consequências podem ser neurobiológicas, cognitivas, psicológicas e/ou sociais. Os tipos de crises também podem variar de doente para doente e de ocasião para ocasião. Eis alguns tipos:

  • Crise epilética parcial: carateriza-se por uma descarga elétrica que atinge uma pequena área da superfície cerebral, podendo contudo alastrar-se para todo o cérebro. Os sintomas variam consoante a região afetada;
  • Crise epilética generalizada: carateriza-se por uma descarga elétrica que atinge todo o cérebro;
  • Crise generalizada tónico-clónica: carateriza-se por perda da consciência; cair; movimentar involuntariamente os membros; morder a língua; espumar pela boca; e ter incontinência urinária;
  • Crise generalizada de ausência: carateriza-se por imobilidade do corpo e olhar fixo durante alguns segundos;
  • Crise mioclónica: caracteriza-se por tremores súbitos que duram segundos;
  • Crise generalizada atónica: carateriza-se pela perda repentina do tónus muscular e da consciência, durante segundos.
mulher a ser confortada por médico

Causas

Em muitos casos, a epilepsia é de origem desconhecida, podendo estar associada a um defeito genético ou a um determinado distúrbio. Noutras situações, é possível identificar as causas da epilepsia que podem ser genéticas ou estruturais/metabólicas.

Quando genéticas, isso significa que as crises epiléticas são provocadas por um defeito genético.

Já quando a origem é estrutural/metabólica, ela está relacionada com outras doenças que aumentam o risco da ocorrência de crises epiléticas. Alguns exemplos dessas lesões estruturais ou metabólicas são:

  • Acidente vascular cerebral;
  • Traumatismos cranianos;
  • Infeções (como a meningite ou a encefalite);
  • Falta de oxigénio durante o parto;
  • Tumor cerebral;
  • Níveis elevados de sódio ou de açúcar no sangue.

Além das causas identificáveis, há fatores que podem favorecer o surgimento das crises, como é o caso de:

  • Não tomar antiepiléticos;
  • Ser sujeito a estímulos luminosos fortes;
  • Ter febre ou infeções;
  • Ingerir bebidas alcoólicas em excesso;
  • Sentir fadiga e stress;
  • Ouvir sons bruscos;
  • Dormir um número insuficiente de horas;
  • Passar por alterações hormonais.

Sintomas

O principal sintoma da epilepsia são mesmo as crises epilépticas que se podem manifestar de diferentes maneiras. Alguns sinais de alerta são:

  • Olhar fixamente, sem resposta a estímulos;
  • Perder a força muscular;
  • Cair;
  • Pestanejar muito depressa ou revirar os olhos;
  • Movimentar descontroladamente a boca, o rosto ou todo o corpo;
  • Apresentar rigidez muscular;
  • Urinar/defecar sem conseguir controlar;
  • Sentir medo, ansiedade ou sensação de “déjà vu”;
  • Morder a língua ou a bochecha;
  • Perder a consciência;
  • Ter alterações cognitivas ou de humor;
  • Apresentar um comportamento confuso e desorientado;
  • Sentir perturbações ao nível dos sentidos.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico da epilepsia tem por base a avaliação realizada pelo médico neurologista, o relato das crises epiléticas e a realização de alguns exames, nomeadamente: eletroencefalograma, TAC, ressonância magnética crânio-encefálica e estudos genéticos, metabólicos ou autoimunes.

Certos tipos de epilepsia passam, naturalmente, com a idade, razão pela qual não carecem de qualquer tratamento específico. Contudo, nos casos crónicos, e de modo a evitar as crises epiléticas, há terapêutica farmacológica que pode ser recomendada, nomeadamente, a toma de antiepiléticos, que podem variar de caso para caso, tendo em conta as caraterísticas do doente e das suas crises de epilepsia.

Os antiepiléticos não tratam a epilepsia, mas evitam o aparecimento de crises, ajudando assim a manter a doença controlada. Paralelamente, podem ser aconselhadas outras medidas, tais como:

  • Fazer uma dieta cetogénica, ou seja, uma alimentação rica em gorduras, pobre em proteínas e hidratos de carbono e sem açúcares;
  • Ser sujeito a tratamento cirúrgico (recessivo ou paliativo), para remoção das áreas cerebrais associadas às descargas elétricas ou à interrupção da transmissão do sinal elétrico;
  • Recorrer à neuromodulação, através da implantação de um dispositivo que estimula o nervo vago.

Prevenção

As crises de epilepsia podem ser prevenidas, se forem evitados alguns dos seus fatores de risco, como é o caso de:

  • Stress e ansiedade;
  • Ingestão excessiva de bebidas alcoólicas;
  • Tabagismo;
  • Distúrbios do sono;
  • Fadiga;
  • Falhas na toma dos antiepiléticos;
  • Estimulação intensa, nomeadamente com luzes fortes e brilhantes;
  • Mudanças hormonais.

Como lidar com as crises de epilepsia

As crises de epilepsia caraterizam-se por uma série de sintomas que estão associados a uma atividade neuronal excessiva ou síncrona do cérebro ou a uma disfunção temporária da atividade elétrica cerebral.

A duração deste tipo de episódios pode ir de segundos a minutos. Perante eles, existem alguns comportamentos a adotar, tais como:

  • Manter a calma e cronometrar a duração da crise (se durar mais de três minutos, deve contactar o 112);
  • Afastar objetos que possam causar traumatismos ao doente, durante a crise;
  • Colocar o doente de lado, na chamada “posição de segurança”;
  • Afastar ou retirar roupa ou acessórios que o doente tenha à volta do pescoço;
  • Deitar a cabeça do doente sobre algo mole, como uma almofada ou um casaco;
  • Nunca colocar nada na boca do doente;
  • Administrar StesolidÒ retal, caso tenha indicação médica para tal.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.