mulher deitada na mesa com vários copos de café e o computador portátil

O que é a fadiga crónica e como combatê-la

4 Dezembro, 2021 • 5 mins. leitura

Para a Sociedade Brasileira de Reumatologia, a síndrome da fadiga crónica tem como principal sintoma um cansaço intenso.

A fadiga crónica pode agravar com a prática de atividade física ou mental e não passa com descanso. Consequentemente, o doente sente-se sempre cansado, sem motivo aparente, independentemente do tempo que esteja em repouso.

Esta síndrome afeta principalmente pessoas entre os 20 e os 50 anos de idade, sendo descrita com mais frequência em mulheres jovens e na meia-idade, embora tenha sido observada em indivíduos de todas as idades.

Contudo, geralmente, os fatores causadores desta síndrome não são conhecidos. Sabe-se, apenas, que podem ter causas orgânicas, como uma infeção, ou psicológicas, como o stress ou um trauma.


Sintomas da fadiga crónica

Há quem confunda a fadiga crónica com depressão. Não é a mesma coisa, no entanto, é certo que os dois problemas andam, muitas vezes, lado a lado. Há estudos que comprovam que as pessoas com Síndrome de Fadida Crónica (SFC) têm uma propensão muito maior para a depressão do que o resto da população.

Sem exames objetivos que confirmem a doença, a existência destes sintomas, de forma prolongada, por pelo menos seis meses consecutivos ou mais, e em simultâneo, permitem concluir que se está perante um caso de síndrome de fadiga crónica.

Confira aqui os principais sintomas da fadiga crónica:

  • Lapsos de memória;
  • Garganta inflamada;
  • Dores musculares;
  • Dificuldade de concentração;
  • Dores nas articulações;
  • Perturbações gastrointestinais;
  • Enxaquecas;
  • Alterações do sono e sono não reparador;
  • Ansiedade;
  • Depressão.
médica mostra exame ao cérebro ao paciente

Sendo estes os principais sintomas, outros devem ainda ser considerados, tais como:

  • Diarreia;
  • Tosse;
  • Olhos e boca secos;
  • Sensação de vertigem ou tontura quando a pessoa se levanta, que melhora quando a pessoa se deita;
  • Dores de ouvidos;
  • Batimentos cardíacos irregulares;
  • Suores noturnos;
  • Náuseas;
  • Irritabilidade;
  • Formigueiro nas mãos;
  • Dificuldade em respirar;
  • Perda de peso.

A frequência e gravidade dos sintomas deve sempre ser avaliada por um médico. Se o doente não tiver estes sintomas, pelo menos em metade do tempo, com intensidade moderada ou grave, o diagnóstico deverá ser repensado.

De resto, a fadiga é um sintoma comum a várias doenças, como infeções , distúrbios endócrinos, cardiovasculares, respiratórios e psicológicos, sendo, também, por isso, importante o diagnóstico precoce.


Evolução da doença

A evolução da SFC é muito variável de pessoa para pessoa, havendo doentes que conseguem recuperar-se totalmente, enquanto outros podem manter esta condição durante toda a vida, apesar de existirem períodos em que os sintomas são mais severos e outros em que há um abrandamento.


Possíveis causas da fadiga crónica

São diversas as possíveis causas apontadas para a SFC, até mesmo a própria depressão, havendo investigadores que defendem ser resultado de vários elementos atuando concomitantemente, como é o caso da exposição a micróbios e a toxinas e da predisposição genética, entre outras causas emocionais e físicas.

Há quem defenda, ainda, que fatores como a anemia, a hipoglicemia, as doenças infeciosas como citomegalovírus ou mononucleose, as disfunções glandulares e as doenças autoimunes podem, igualmente, estar na origem desta condição.


Como se faz o diagnóstico?

Antes de mais, devem ser feitas análises e exames para descartar outras causas para estes sintomas, como a anemia, distúrbios eletrolíticos, insuficiência renal, doenças inflamatórias (por exemplo, a artrite reumatóide), problemas da tiróide ou transtornos do sono.

A fadiga crónica só é diagnosticada se não for identificada outra causa para ela, como os efeitos colaterais de certos medicamentos, por exemplo.

Os seguintes fatores são significativos no que toca à determinação deste diagnóstico, contudo, em 2015 foi elaborado pelo Instituto de Medicina (atualmente denominado Divisão de Saúde e Medicina da Academia Nacional de Ciência, Engenharia e Medicina) os critérios diagnósticos para síndrome de fadiga crônica, que são eles:

  • A redução ou comprometimento significativo na capacidade de realizar as atividades nos níveis anteriores à doença que se prolonga há mais de seis meses;
  • Perceber que o cansaço não resulta de esforço contínuo excessivo e também não melhora com o descanso;
  • Perceber ainda que a atividade física piora os sintomas e que o sono não é reparador, além de a pessoa manifestar dificuldade em pensar e ter uma sensação de tontura ou vertigem quando se levanta.

Tratamento

Não há um tratamento específico para a SFC. A ideia é controlar os sintomas com uma combinação de vários tratamentos.

Desde logo, moderando as atividades diárias, por forma a evitar o stress físico e psicológico, mas com o cuidado de não ceder ao sedentarismo.

O exercício físico desempenha um papel importante no tratamento da SFC, mas o início deve ser lento e moderado.

No caso de haver um quadro de depressão e ansiedade, este deve ser tratado, nomeadamente com recurso a antidepressivos e ansiolíticos, o que ajudará também a melhorar o sono.

Simultaneamente, deverá haver tratamento da dor e dos problemas de sono, além de uma aposta na terapia cognitivo-comportamental, que ajuda a identificar os comportamentos negativos que podem dificultar o tratamento.

Outros tratamentos úteis são ainda as técnicas de relaxamento, meditação ou ioga, por exemplo.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

1 presente à escolha

Oferta exclusiva Online

1 presente de boas-vindas à escolha

Aderir Online
Cartão Platinium Mais Vida
Quer aderir? Ligamos grátis! Esclareça as suas dúvidas com a nossa
equipa, sem compromisso.
Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Formulário enviado Obrigado pelo seu contacto. Será contactado em breve pela nossa equipa de especialistas.