homem a tirar sangue em laboratório

Plaquetas baixas: o que significa?

3 mins. leitura

Plaquetas baixas: causas, sintomas e tratamentos

A trombocitopenia ou as plaquetas baixas é uma condição que pode ser um sinal de várias doenças ou problemas.

As plaquetas correspondem a células ou fragmentos de células da medula, também designadas megacariócitos, que circulam na corrente sanguínea. Contribuem para a coagulação do sangue, ou seja, para evitar hemorragias e perdas de sangue e, ainda, para cicatrizar lesões, como cortes e feridas, ou para combater algumas doenças, como o cancro, por exemplo.

Geralmente, o sangue possui entre 150.000 e 450.000 plaquetas por microlitro. Se a contagem de plaquetas for inferior a 150.000 por microlitro de sangue, então, estamos perante um caso de trombocitopenia ou de plaquetas baixas. Esta condição pode ter como consequência a ocorrência mais frequente de hemorragias.

A trombocitopenia pode ainda ser dividida em vários graus mediante as contagens: ligeira (100000-150000 plaquetas), moderada (50000-90000) e severa (<50000). No entanto, estes números devem ser interpretados no contexto da doença de base.


Causas

Na origem das plaquetas baixas pode estar:

  • a alteração da medula óssea e a diminuição dos megacariócitos, devido a aplasia medular, a fibrose da medula e/ou aos efeitos da quimioterapia ou da radioterapia;
  • a infiltração da medula por células leucémicas ou por outras neoplasias;
  • o aumento da destruição das plaquetas por anticorpos, como na Púrpura Trombocitopénica Imune (PTI) ou noutras doenças autoimunes, como o lúpus, ou devido à toma de alguns medicamentos;
  • a infeções graves ou em que há alterações da circulação;
  • anemia;
  • o aumento do tamanho do baço (esplenomegalia);
  • a hereditariedade;
  • a exposição a químicos tóxicos;
  • uma elevada ingestão de álcool.

Sintomas

Uma das principais funções das plaquetas é controlar as hemorragias. Logo, quando há plaquetas baixas, podem surgir sintomas como:

  • nódoas negras (equimoses);
  • pequenas hemorragias na pele (petéquias);
  • hemorragias abundantes durante a menstruação;
  • hemorragias nasais ou das gengivas;
  • evacuações ou vómitos com sangue;
  • dores de cabeça, nas articulações ou nos músculos;
  • vertigens ou fraqueza.

Em casos em que o valor das plaquetas é extremamente baixo, podem ocorrer hemorragias a nível cerebral, as quais podem ser fatais.


Diagnóstico

Para ser feito o diagnóstico deste problema, há que ter em consideração os sintomas, a história familiar e a medicação do doente.

Além disso, é importante proceder a um exame físico e à realização de análises sanguíneas, capazes de avaliar a concentração de plaquetas no sangue.

Em algumas situações, pode mesmo ser necessária a realização de uma biópsia da medula óssea.


Tratamento

O tratamento desta condição das plaquetas baixas depende da origem do problema.

No entanto, de um modo geral, esse tratamento pode incluir:

  • corticóides;
  • medicamentos imunossupressores;
  • anticorpo monoclonal;
  • transfusões de plaquetas.

Cuidados a ter

Quem tem plaquetas baixas, deve tomar algumas precauções, tais como:

  • evitar fazer nódoas negras ou feridas;
  • ter cuidado ao manusear tesouras, facas, agulhas ou outras ferramentas cortantes;
  • fazer a barba com máquina e não com lâminas;
  • usar roupa e calçado confortáveis e que protejam o corpo e os pés;
  • usar uma escova de dentes macia e não usar fio dentário;
  • assoar o nariz delicadamente e com um lenço macio;
  • dar conta de que tem plaquetas baixas, sempre que é sujeito a algum tipo de procedimento médico ou de saúde;
  • informar-se acerca do risco da toma de medicamentos não sujeitos a receita médica, tendo em conta que possui níveis baixos de plaquetas;
  • evitar infeções;
  • pressionar o local com corte ou hemorragia, de modo a parar o sangramento;
  • consultar o médico, sempre que sentir um agravamento da sua condição.

Plaquetas baixas no recém-nascido

Apesar de menos de 1% dos recém-nascidos apresentarem plaquetas baixas, este é um dos problemas hematológicos mais comuns (25% a 30%) nos bebés que são internados nas Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais.

No caso dos recém-nascidos, considera-se uma contagem de plaquetas inferior a 100.000/µL anormal, independentemente da idade gestacional do bebé.

Nos bebés, as causas deste problema podem ser congénitas ou adquiridas e a consequência mais grave é a hemorragia intra-craniana. O tratamento deste problema passa pela transfusão de plaquetas, imunoglobulina e corticóides.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais