rapariga a segurar uma tábua com dois hambúrgueres

Compulsão alimentar: como lidar com este problema?

3 mins. leitura

Indíce
  1. 1. O que é?
  2. 2. Quais os sintomas?
  3. 3. Diagnóstico
  4. 4. Existe tratamento?
  5. 5. O que pode fazer?

Quase todos nós já comemos em demasia, uma vez por outra, seja numa festa de aniversário ou num jantar especial. Contudo, comer em excesso ocasionalmente não é o mesmo que compulsão alimentar.

As pessoas com problemas de compulsão alimentar ingerem regularmente muitos mais alimentos do que a maioria das pessoas. Muitas vezes, comem rápido, fazem-no quando estão stressadas ou chateadas e não apenas quando estão com fome. Também sentem que não conseguem parar de comer, mesmo quando estão saciadas.

Esta é uma perturbação do comportamento alimentar, que, à semelhança da anorexia e da bulimia, pode ter implicações graves na saúde física e mental. Como tal, deve ser abordada logo que surjam os primeiros indícios. Saiba como.


O que é a compulsão alimentar

A compulsão alimentar caracteriza-se pela ingestão descontrolada de grandes quantidades de comida num curto espaço de tempo.

Estes episódios ocorrem com alguma frequência, quase sempre longe de outras pessoas, podendo originar vergonha e sentimentos de culpa.

Outra das consequências é o aumento de peso, devido a uma ingestão calórica muito superior às necessidades do corpo. Isto, além de levar a um descontentamento com a imagem corporal, pode causar ansiedade ou depressão.

A par de excesso de peso ou de obesidade, as pessoas com esta perturbação tendem a desenvolver hipertensão arterial, problemas cardiovasculares, diabetes, entre outros problemas.


rapariga a comer esparguete às escondidas na casa de banho

Quais são os sintomas?

O facto de uma pessoa comer muito e depressa nem sempre significa que tenha compulsão alimentar. No entanto, pode existir motivo para preocupação, caso se verifiquem outros comportamentos, tais como:

  • Isolamento: a pessoa isola-se para comer, para que ninguém a veja ou julgue;
  • Comer até sentir enjoos ou desconforto;
  • Ingerir grandes quantidades de comida em pouco tempo;
  • Comer muito e depressa, mesmo sem fome;
  • Sentimentos de culpa e tristeza, após comer demais;
  • Sentir que não tem autocontrolo;
  • Aumento de peso;
  • Usar roupas largas para ocultar o aumento de peso;
  • Alterações de humor, irritabilidade, depressão.

A existência de uma compulsão alimentar depende também da frequência com que estes episódios acontecem. Se ocorrerem pelo menos uma vez por semana, durante vários meses, é fundamental procurar ajuda médica.


rapaz a ver o que está dentro do frigorífico

Diagnóstico

O diagnóstico é essencialmente clínico, visa perceber se se trata de uma compulsão alimentar ou de outro tipo de perturbação alimentar, bem como avaliar se o problema está a ser causado por outra condição de saúde.

Por vezes, a compulsão alimentar está ligada a questões como ansiedade, depressão, perturbação bipolar ou abuso do consumo de substâncias químicas.

Também pode ter origem em lesões no hipotálamo ou em doenças como a Síndrome de Prader-Willi, uma anomalia genética que provoca dificuldades neuromotoras e uma sensação constante de fome.


Como tratar a compulsão alimentar

As pessoas com compulsão alimentar são, geralmente, tratadas por uma equipa multidisciplinar, que inclui médico, nutricionista e terapeuta.

O tratamento envolve aconselhamento nutricional, cuidados médicos e psicoterapia (terapia individual, em grupo e familiar). Podem ser prescritos medicamentos que atuam essencialmente no controlo da compulsão alimentar através da supressão do apetite.


Hábitos que podem ajudar a ultrapassar a compulsão alimentar

Além de procurar apoio médico, há pequenos hábitos que ajudam a reduzir os episódios de compulsão, nomeadamente:

  • Não saltar refeições;
  • Comer devagar e com atenção ao que se ingere (evitando, por exemplo, comer em frente à televisão);
  • Identificar as causas dos episódios de compulsão, percebendo se estas situações ocorrem, por exemplo, em época de exames escolares, ou numa fase de grande pressão emocional ou laboral;
  • Praticar exercício físico.

É também recomendado fazer uma ou várias atividades de que se goste, como dançar, pintar ou cantar.


Como ajudar quem tem uma compulsão alimentar?

Se conhece alguém que está a passar por esta situação, não deve acusar, criticar ou culpabilizar nem procurar controlá-la, afastando-a de locais ou de pessoas que estejam associados a esta ingestão excessiva de alimentos.

Falar consecutivamente sobre comida ou de questões relacionadas com o peso e a aparência são igualmente atitudes a evitar.

É fundamental apoiar, elogiar e compreender que o tratamento pode ser um processo longo e apresentar alguns obstáculos.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico.

Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Política de Privacidade