Ligamos
grátis
homem com mão no peito

O que é a aterosclerose: sintomas e tratamento

4 mins. leitura

A aterosclerose é uma doença cardiovascular degenerativa crónica, que provoca lesões nas artérias devido à acumulação de lípidos (colesterol e outros elementos de gordura) nas suas paredes, desencadeando um processo inflamatório.

Trata-se de uma doença com elevada prevalência na população e que está, em grande parte, relacionada com comportamentos e estilos de vida menos saudáveis ao longo da nossa vivência diária.

Um regime alimentar rico em gorduras e calorias, pouca ou nenhuma atividade física (sedentarismo), tabagismo e consumo de sal são alguns dos "ingredientes" que contribuem para o desenvolvimento de aterosclerose.

A acumulação de lípidos nas artérias faz com que estas percam elasticidade. À medida que as chamadas placas de aterosclerose crescem, as artérias vão ficando mais estreitas.

A doença é de evolução lenta, com a acumulação das placas a prolongar-se durante anos ou décadas. A qualquer momento, um evento agudo pode originar o seu rompimento, proporcionando o contacto das substâncias presentes no interior da placa aterosclerótica com o sangue.

Quando isso acontece, esse material desencadeia a coagulação do sangue. A consequência é a obstrução total e súbita do vaso sanguíneo, interrompendo o fluxo do sangue, o que leva a um ataque cardíaco ou a um acidente vascular cerebral (AVC).

Por vezes, os coágulos de sangue desprendem-se, viajando através da corrente sanguínea até bloquear uma artéria noutras partes do corpo. Da mesma forma, pedaços da placa aterosclerótica podem libertar-se e acabar por bloquear uma artéria noutros locais.


Consequências da aterosclerose

Sintomas

A aterosclerose não costuma produzir quaisquer sintomas, até que ocorra um estreitamento acentuado (mais de 70%) ou a obstrução de uma ou mais artérias.

Daí que os sintomas dependam, por um lado, de onde a artéria afetada está localizada e, por outro, da artéria ter sido estreitada gradualmente ou bloqueada subitamente.

Quando o estreitamento é gradual, o primeiro sintoma pode ser dor ou cãibra nos momentos em que o fluxo de sangue não é suficiente para satisfazer a necessidade de oxigénio dos tecidos.

Alguns exemplos:

  • Durante a prática de exercício físico, a pessoa pode sentir dor ou desconforto no tórax (angina) se o fornecimento de sangue ao coração for insuficiente. Esta dor desaparece em minutos quando o esforço é interrompido.
  • Enquanto caminha, a pessoa pode sentir cãibras nas pernas se o fornecimento de sangue para os músculos locais não for o necessário.
  • Se as artérias que fornecem sangue a um ou ambos os rins sofrerem um estreitamento, pode ocorrer insuficiência renal ou pressão arterial perigosamente elevada.

Quando o bloqueio arterial é súbito, os sintomas podem ser um ataque cardíaco se as artérias que irrigam o coração (coronárias) forem bloqueadas repentinamente.

Caso a obstrução ocorra em artérias que irrigam o cérebro, o resultado pode ser um AVC.

Se forem as artérias das pernas a ficarem obstruídas, a consequência pode ser isquemia (falta de irrigação) num pé, num dedo do pé ou na perna.


Fatores de risco

Os fatores de risco para a aterosclerose podem ser divididos em modificáveis (sobre os quais podemos ter intervenção) e não modificáveis.

Entre os fatores modificáveis estão os seguintes:

Destes, o fator de risco mais importante é o tabagismo, pois faz diminuir o nível do chamado "colesterol bom" (HDL) e aumentar o "colesterol mau" (LDL).

Por outro lado, faz aumentar a quantidade de monóxido de carbono no sangue, o que pode elevar o risco de lesão no revestimento das paredes das artérias, diminuindo ainda mais a quantidade de sangue que chega aos tecidos.

Além disso, o consumo de tabaco aumenta a tendência para a coagulação do sangue.

Porém, as pessoas que deixam de fumar reduzem de imediato o risco de aterosclerose para metade das que continuam a fumar, independentemente, de quanto tempo foram fumadoras antes da paragem.

Os fatores de risco não modificáveis incluem:

  • História familiar de aterosclerose precoce (um parente próximo, do sexo masculino, que desenvolveu a doença antes dos 55 anos, ou do sexo feminino, que desenvolveu a doença antes dos 65 anos).
  • Idade avançada.
  • Sexo masculino.

Diagnóstico

O diagnóstico da aterosclerose envolve a avaliação dos sintomas e a realização de exames laboratoriais e imagiológicos.

As análises ao sangue permitem pesquisar fatores de risco para a doença, enquanto os exames imagiológicos servem para detetar a presença de placas ateroscleróticas.

As pessoas que apresentam sintomas sugestivos de uma artéria bloqueada devem realizar um exame médico rigoroso para identificar a localização e extensão do eventual bloqueio.

Às pessoas que não apresentam sintomas, mas têm fatores de risco, os médicos costumam solicitar análises ao sangue para medir os níveis de glicose, colesterol e triglicéridos.

Os exames variam conforme o órgão afetado. Por exemplo, se a suspeita recai no coração, é habitual a realização de um eletrocardiograma, análises ao sangue para a verificação da presença de substâncias que indicam lesão cardíaca (marcadores de necrose do miocárdio).

Nalguns casos pode ser solicitado um teste de esforço ou um cateterismo cardíaco.


Tratamento

Tratar a aterosclerose é uma tarefa para toda a vida. Não existe, propriamente, um tratamento que a cure, porque não é possível dissolver as placas de gordura depois de estas se formarem.

A prevenção é, por isso, a forma mais eficaz de atuar, controlando ou eliminando os fatores de risco.

Nalguns casos é possível a utilização, por exemplo, de medicamentos vasodilatadores que permitem limitar as repercussões das placas ateroscleróticas.

Quando a aterosclerose se torna grave o suficiente para causar complicações, estas devem ser tratadas. Entre elas estão as seguintes:

  • Angina (dor temporária no peito ou sensação de pressão torácica);
  • Ataque cardíaco;
  • Arritmias cardíacas;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Doença renal crónica;
  • AVC.
  • Claudicação na marcha (dor nos gêmeos após caminhar poucos metros);
  • Úlceras nos membros inferiores.

Prevenção

A prevenção da aterosclerose é extremamente importante, pois estamos a falar de uma das principais causas de muitas das doenças mais graves e potencialmente fatais da sociedade moderna.

Com exceção da idade, sexo e predisposição genética, é possível eliminar todos os restantes fatores de risco.

Alguns conselhos de prevenção:

  • Deixar de fumar;
  • Controlar a hipertensão arterial,diabetes e dislipidemias;
  • Alimentação saudável (evitar o sal, o açúcar e as gorduras em excesso);
  • Exercício físico regular e moderado;
  • Evitar o stress.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais