homem com ar preocupado e cansado em frente ao computador

Burnout: como lidar com este flagelo

3 mins. leitura

Foi em 1974 que se falou, pela primeira vez, em burnout. Porém, só 45 anos depois a Organização Mundial da Saúde (OMS) considerou esta patologia na classificação internacional de doenças da OMS, como um problema relacionado com o trabalho ou com a falta dele.

A OMS descreve, assim, o burnout como “uma síndrome resultante de ‘stress’ crónico no trabalho que não foi gerido com êxito (...) um sentimento de exaustão, cinismo ou sentimentos negativistas ligados ao trabalho e eficácia profissional reduzida.”

A realidade é que podemos considerar o burnout um verdadeiro flagelo, se tivermos em conta a forte representação que esta doença tem na nossa sociedade.

Só na Europa, cerca de 40 milhões de trabalhadores sofrem de burnout, causando 50% a 60% de absentismo laboral.

Em Portugal, as empresas despendem aproximadamente 3,2 milhões de euros por ano, em consequência de distúrbios mentais, como o stress e o burnout. Um estudo feito há cerca de 10 anos revelou ainda que quase metade dos nossos profissionais de saúde tinham elevados níveis de burnout e que mais de 60% dos professores sofriam de burnout.

Portanto, se se sente num estado de esgotamento físico e mental, de algum modo relacionado com a sua condição laboral, não hesite em procurar ajuda especializada.


O que é burnout?

O burnout, também conhecido como stress profissional ou síndrome do desgaste profissional, é um problema de saúde pública e uma perturbação psicológica que se desenvolve, geralmente, devido a um stress excessivo conjugado com uma grande sobrecarga de trabalho.

Em resultado dessa conjugação, surge um esgotamento físico e mental que impossibilita o doente de realizar as tarefas mais básicas do seu quotidiano.

mulher a dormir

Causas

Como já ficou claro, a principal causa do burnout é o stress, normalmente provocado por pressões sentidas em contexto laboral. Por isso, não é surpreendente que este seja um problema mais comum em determinadas atividades profissionais, como entre médicos, enfermeiros, professores, polícias, bombeiros, entre outros.

Além disso, existem outros fatores de risco a considerar, tais como:

  • Sobrecarga com tarefas, responsabilidades e afazeres;
  • Imposição de mudanças frequentes nos horários de trabalho;
  • Ambiente de trabalho demasiado competitivo;
  • Atividade profissional muito intensa ou arriscada;
  • Ambiente laboral sujeito a muita pressão;
  • Mau ambiente de trabalho.

Sintomas

Além do stress e da sensação de esgotamento físico e mental, há outros sintomas associados ao burnout que podem condicionar o bem-estar físico, cognitivo, comportamental, emocional, social, existencial e laboral do doente.

Assim, há que estar atento aos seguintes sinais de alerta:

  • Mudanças de humor;
  • Desmotivação e apatia;
  • Distúrbios do sono;
  • Fadiga constante;
  • Alterações no apetite;
  • Dores de cabeça, lombares e/ou musculares;
  • Sensação de inutilidade e/ou de fracasso;
  • Isolamento;
  • Enfraquecimento do sistema imunitário;
  • Baixa produtividade;
  • Insatisfação profissional.

Tratamento

O burnout tem cura, sendo para isso necessário, logo num primeiro momento, operar alterações no ambiente laboral ou mesmo afastar-se dele, quando está aí a origem do problema. Em alguns casos, pode mesmo ser necessário equacionar a mudança de emprego.

Além disso, pode ser importante fazer psicoterapia e, dependendo do caso e sob orientação de um psicólogo ou médico, tomar medicamentos que atenuam os sintomas típicos de burnout, nomeadamente: insónias, ansiedade, stress e depressão.

Paralelamente, são recomendadas ocupações relaxantes, como dormir bem e praticar atividade física.


Como evitar um burnout

Existem caraterísticas de personalidade que tornam certas pessoas mais propícias a desenvolverem burnout, como é o caso de indivíduos com baixa auto-estima e/ou que lidam mal com stress.

Por isso, para evitar este problema é aconselhável:

  • Fazer exercício físico diariamente;
  • Ter uma boa higiene de sono;
  • Promover um bom ambiente de trabalho;
  • Relaxar;
  • Saber balançar as tarefas profissionais com as pessoais;
  • Ter uma dieta saudável;
  • Possuir um estilo de vida globalmente equilibrado;
  • Ter uma rotina organizada.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais