médico a medir a tensão de mulher grávida

Pré-eclâmpsia: como tratar esta complicação

3 mins. leitura

Indíce
  1. 1. O que é?
  2. 2. Causas
  3. 3. Sintomas
  4. 4. Tratamento
  5. 5. Prevenção

A pré-eclâmpsia é uma condição que afeta algumas grávidas durante a segunda metade da gestação, normalmente após as 20 semanas de gravidez. No entanto, em algumas mulheres, pode surgir durante o trabalho de parto ou até mesmo após o nascimento do bebé.

Ainda que a maioria das situações corresponda a formas ligeiras, cerca de 25% constituem formas graves que se não forem identificadas e tratadas podem levar à morte da mãe e do bebé.

Ainda que esta complicação tenha sintomas específicos, estes nem sempre são facilmente identificáveis, sendo por isso importante o acompanhamento pré-natal.


Pré-eclâmpsia: o que é, causas, sintomas, tratamento e prevenção

Cerca de 3% a 5% das grávidas desenvolvem pré-eclâmpsia, sendo que esta complicação ocorre com mais frequência nas primeiras gravidezes, em mulheres com mais de 35 anos e em gravidezes gemelares. Há também doenças anteriores à gravidez que constituem fatores de risco.


O que é?

Trata-se de uma complicação que ocorre durante a gravidez que além da hipertensão, apresenta também um quadro de excesso de proteína na urina e inchaço na cara, mãos e pés devido à retenção de líquidos. Algumas mulheres podem ainda apresentar lesões no fígado, rins, pulmões e cérebro.

Embora seja mais comum durante a segunda metade da gestação, pode também surgir durante o trabalho de parto ou até quatro a seis semanas após o parto.

A eclâmpsia é uma consequência grave da pré-eclâmpsia não tratada. Nesta situação, a tensão arterial elevada resulta em convulsões que podem ser fatais para mãe e bebé.


médico a avaliar tensão arterial com ecografia e relatório médico na secretári

Causas

Embora não seja conhecida a causa exata, acredita-se que a pré-eclâmpsia aconteça quando há um problema com a placenta, o órgão que liga o feto à mãe. Os vasos sanguíneos da placenta estreitam, dificultando a circulação do sangue.

Fatores genéticos e doenças autoimunes também estão a ser explorados como possíveis causas.

No entanto, são conhecidos alguns fatores de risco que incluem:

  • Ter menos de 17 anos ou mais de 35 anos;
  • Estar grávida pela primeira vez;
  • Gravidezes com menos de dois anos de intervalo ou mais de 10 anos de intervalo;
  • Hipertensão arterial antes da gravidez;
  • História familiar de pré-eclãmpsia;
  • Pré-eclãmpsia numa gravidez anterior;
  • Obesidade;
  • Gravidez múltipla;
  • Fertilização in vitro;
  • História de diabetes, doença renal, lúpus ou artrite reumatóide.

Sintomas

Além do inchaço, os sintomas da pré-eclâmpsia incluem ainda:

  • Aumento de peso em apenas um ou dois dias devido à retenção de líquidos;
  • Dor no ombro;
  • Dor abdominal;
  • Dores de cabeça;
  • Diminuição da vontade de urinar;
  • Tonturas;
  • Náuseas e vómitos;
  • Alterações na visão.

Nem todas as mulheres apresentam sintomas de pré-eclâmpsia e outras confundem esses sintomas com os sintomas da gravidez, sendo, por isso, importante a vigilância médica durante a gravidez.

mulher grávida com dor abdominal e de cabeça

Tratamento

A única forma de tratar definitivamente a pré-eclâmpsia é através da indução do parto. Mas nem sempre a pré-eclâmpsia ocorre em idades gestacionais - entre a 37ª e a 38ª semanas de gravidez - que permitam a indução do parto sem riscos para o bebé.

No entanto, por outro lado, não provocar o parto pode trazer sérias complicações para a mãe.

Assim, a decisão clínica de induzir o parto ou prolongar a gravidez deve ter em conta a idade gestacional, a gravidade da pré-eclâmpsia e as condições de saúde da mãe e do feto.


Prevenção

As mulheres com maior risco de ter pré-eclâmpsia, além de se aconselharem com o seu médico assistente, podem introduzir algumas mudanças no seu estilo de vida, nomeadamente:

  • Perder peso se necessário;
  • Deixar de fumar;
  • Praticar exercício físico regularmente;
  • Manter a hipertensão e diabetes controladas.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico.

Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Este artigo foi útil?

Obrigado pelo seu feedback.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.

Encontre o melhor
Prestador Medicare perto de si

Código Postal inválido

Pesquise entre os mais de 17 500 Prestadores
da Rede de Saúde Medicare.

Artigos relacionados:
Ver mais
Política de Privacidade