mulher na menopausa com afrontamentos

Tudo o que deve saber sobre a menopausa

4 mins. leitura

Em grosso modo, o termo menopausa refere-se ao fim das menstruações espontâneas, devido a um processo natural e biológico.

Apenas se considera que uma mulher “entrou” na menopausa quando está há, pelo menos,12 meses consecutivos sem menstruar.

Na origem da menopausa, está a inatividade endócrina dos ovários e a sua incapacidade em produzir estrogénios. Isto significa que a menopausa também assinala o fim do período fértil da mulher.

Saiba mais sobre esta fase do ciclo de vida feminino.


O que é a menopausa?

Por norma, este é um processo gradual, ou seja, a atividade dos ovários vai diminuindo e os óvulos deixam de ser libertados com a mesma regularidade. Os níveis de estrogénio produzidos também baixam.

No entanto, há casos em que a menopausa pode surgir mais abruptamente, o que habitualmente tem como consequência a manifestação de sintomas mais intensos.

Normalmente, um dos primeiros sinais de alerta de que a menopausa se pode estar a “aproximar” é a mulher registar ciclos menstruais mais curtos, seguidos de ciclos mais irregulares e, depois, ciclos ora irregulares, ora de duração variável.

Todas estas circunstâncias podem prolongar-se durante meses ou anos, até a mulher deixar definitivamente de menstruar.


Causas

Como dissemos, em grande parte dos casos, a menopausa é um processo natural e biológico, associado à idade e ao amadurecimento da mulher.

Porém, também dissemos que esta etapa da vida se pode iniciar mais cedo ou mais tarde e este aspeto, sim, pode estar relacionado com alguns fatores que podem ou não precipitar a “chegada” da menopausa.

Eis alguns pontos a considerar.


Fatores de risco para uma menopausa precoce

  • Tabagismo;
  • Ausência de gestações;
  • Exposição continuada a agentes químicos e tóxicos;
  • Toma continuada de antidepressivos;
  • Epilepsia;
  • Genética;
  • Tratamentos, como radioterapia ou quimioterapia;
  • Falência ovárica prematura;
  • Hipotiroidismo.

Fatores de risco para uma menopausa tardia

  • Ocorrência de muitas gestações;
  • Excesso de peso;
  • QI elevado na infância;
  • Genética.
menopausa

Sintomas

Antes de enumerar alguns dos sintomas mais comuns da menopausa, importa perceber a origem dos mesmos.

A baixa produção de estrogénios, caraterística da menopausa de que já falámos, interfere no funcionamento de vários órgãos e sistemas do corpo.

Neste sentido, são expectáveis perturbações vasomotoras, psicológicas e génito-urinárias.

Perturbações vasomotoras

Neste campo, podemos incluir os “famosos afrontamentos” ou suores que atingem 60% a 80% das mulheres na menopausa.

Costumam ser mais intensos nos primeiros anos de menopausa, atenuando a sua intensidade após cinco anos de menopausa.

As mulheres costumam descrever este sintoma como uma sensação súbita e forte de calor que se situa, sobretudo, na metade superior do corpo e que, depois, é seguida de suores frios.

Associado a este sintoma pode existir um aumento da frequência cardíaca ou vertigens e estas manifestações nem sempre são previsíveis ou controláveis.

Perturbações psicológicas

Geralmente, a menopausa prejudica a qualidade do sono de muitas mulheres, tornando-se comuns as insónias ou os despertares noturnos.

Perturbações génito-urinárias

As mudanças hormonais já descritas e associadas à menopausa podem ainda provocar atrofia da mucosa vaginal, secura, irritação e dor, sobretudo durante o ato sexual. Esta é uma situação delicada, pois pode fragilizar a autoestima da mulher, diminuir a sua líbido e desestabilizar a harmonia do casal.

Além disso, a perda de elasticidade por parte dos tecidos da vagina e da uretra pode conduzir a pequenas perdas urinárias (ou mesmo incontinência) e a infeções urinárias mais recorrentes.

Assim, podemos, de certa forma, dividir os sintomas da menopausa em duas fases:

  • Fase prévia (perimenopausa), ou seja, antes da mulher “entrar” na menopausa propriamente dita;
  • Fase posterior, a curto, a médio e a longo prazo, em que a mulher vai experienciando os diferentes efeitos que a menopausa vai causando no seu corpo e organismo.

Sintomas caraterísticos da perimenopausa

Perante alguns dos seguintes sintomas e, se a mulher já não menstruar há pelo menos três meses, deve ser consultado um médico que deverá pedir três análises ao sangue (à função da tiróide, às hormonas da hipófise e ao estradiol), de modo a poder avançar ou não com o diagnóstico de perimenopausa. São esses sintomas:

  • Menstruações irregulares;
  • Secura vaginal;
  • Afrontamentos;
  • Suores noturnos;
  • Depressão e ansiedade;
  • Fadiga;
  • Esquecimentos ou falhas de memória;
  • Queda de cabelo;
  • Alterações de humor;
  • Aumento de peso;
  • Insónias;
  • Irritabilidade;
  • Pele seca.

Sintomas caraterísticos da menopausa e pós-menopausa

  • Maior risco de problemas cardiovasculares, acidentes vasculares cerebrais, doenças da retina, glaucoma, cancro da mama e do cólon;
  • Osteoporose;
  • Desconforto nas relações sexuais por maior secura vaginal e, consequente diminuição da líbido;
  • Incontinência e infeções urinárias;
  • Aumento de peso;
  • Pele fina e menos elástica.

Como atenuar os principais sintomas da menopausa

O alívio dos sintomas associados à menopausa pode variar bastante de mulher para mulher, uma vez que a sintomatologia apresentada por cada uma também pode diferir significativamente.

Assim, há mulheres que não precisam de qualquer terapêutica para aliviar os desconfortos inerentes à menopausa, enquanto outras não prescindem de uma ajuda suplementar para aliviar os sintomas.

Neste último caso, para atenuar os efeitos da menopausa, pode recomendar-se a adoção de medidas farmacológicas e não farmacológicas, nomeadamente:

  • Contracetivos de baixa dosagem: para atenuar os afrontamentos, a secura vaginal e as alterações do humor;
  • Tratamentos hormonais (estrogénios e/ou progesterona) (geralmente não recomendados para mulheres acima dos 60 anos);
  • Medicação variada que deve ser prescrita caso a caso, tendo em conta os principais incómodos apresentados pela mulher (por exemplo, suplementação com cálcio e vitamina D para prevenção da osteoporose, assunto que deve ser discutido com o médico);
  • Alterações positivas no estilo de vida, nomeadamente na qualidade da dieta alimentar;
  • Prática regular de atividade física;
  • Evitar o stress;
  • Não fumar.

Aviso: O Blog Mais Saúde é um espaço meramente informativo. A Medicare recomenda sempre a consulta de um profissional de saúde para diagnóstico ou tratamento, não devendo nunca este Blog ser considerado substituto de diagnóstico médico. Encontre aqui profissionais de saúde perto de si.

Contribua com sugestões de melhoria através do nosso formulário online.

Partilhe este artigo:

Obrigado pela sua preferência.

Irá receber no seu email as melhores dicas de Saúde e Bem-estar.
Pode em qualquer momento alterar ou retirar o(s) consentimento(s) prestado(s).

Receba as melhores dicas
de Saúde e Bem-estar

Precisamos do seu consentimento para envio de mais informação.
Artigos relacionados:
Ver mais